Como é a eleição americana: compare

20 de outubro de 2020 § 10 Comentários

O objetivo aqui é analisar o sistema e não esta eleição em particular. Mesmo depois das primárias, um total de 36 candidatos a presidente ainda vão aparecer nas dezenas de cédulas diferentes oferecidas aos eleitores dos 50 estados mais o distrito federal dia 3 de novembro. É que todo o sistema é voltado para derrubar porteiras e currais, acabar com feudos e caciques políticos e garantir que a representação a mais perfeita possível da vontade do eleitor acabe por instalar-se no poder, que PRECISA REALMENTE EMANAR DO POVO.

A corrida que as primárias reduziram a esses 36 finalistas começou com 1218 candidatos registrados na Federal Election Comission (FEC), 324 dos quais disputando a indicação pelo Partido Democrata, 164 pelo Republicano, 65 pelo Libertário e 23 pelo Partido Verde. No total 37 partidos, cada um deles financiado exclusivamente pelos seus associados e simpatizantes, além de mais dezenas de candidatos independentes, estavam nessa largada.A regra geral, que varia de estado para estado, é que qualquer individuo que colher um certo numero, sempre bastante baixo, de assinaturas tem sua pretensão de concorrer à Presidência da República homologada na FEC e entra, sob os auspícios e a vigilância dessa instituição, na disputa pelos votos dos associados para candidato oficial do partido. Como a regra de qualificação em cada partido de cada estado também é diferente, ainda haverá estados, mesmo depois das primárias, em que aparecerá mais de um candidato de um mesmo partido na cédula.

Algumas curiosidades resultantes desse império do eleitor. Um total de 15 candidatos democratas e 5 republicanos ainda aparecerão nas cédulas de cinco estados diferentes ou mais. 9 aparecerão nas cédulas em mais de 10 estados diferentes. Mas somente três reuniram todos os requisitos para ter seus nomes nas cédulas das 51 jurisdições diferentes: Joe Biden (D), Donald Trump (R) e Jo Jorgensen, a candidata do Partido Libertário. Howie Hawkigns, do Partido Verde, estará nas cédulas em 30 estados. Vermont e Colorado, com 21 opções cada, são os estados onde haverá mais nomes no quesito “Eleição para Presidente”. Arkansas e Louisiana terão 13 opções, a segunda lista mais extensa. 12 estados estão na categoria da lista mais exígua com apenas três candidatos.

Haverá, ainda, diversas outras decisões sendo tomadas na mesma cédula. Peguei como exemplo a do Condado de Los Angeles.  Nela, para além de voto para presidente com 6 nomes em disputa, vai-se eleger o Promotor de Justiça, três juizes da suprema corte estadual, o representante do Distrito 33 da Califórnia para o Congresso Nacional, o representante do Distrito 50 para a Assembléia Legislativa estadual, 4 cadeiras do conselho diretor de cada escola publica local, além de pedir um “sim” ou um “não” para 12 leis de iniciativa popular ou referendos de alcance estadual e mais uma série de questões relativas a cada distrito municipal da cidade.

Com o aumento de votos por correio provocado pela pandemia os democratas, que calculam uma vantagem para os republicanos nos votos por correio, queriam anular os “depositados em caixas de correio privadas”.  É que muitos eleitores mandam seu voto para a sede do partido de sua preferência ou outra variação e não diretamente para a autoridade eleitoral estadual que é o destino final de todos eles. Mas vai prevalecer o espírito da lei. Seja para onde for enviado, o que interessa para validar ou não cada voto, é a assinatura manual do eleitor na boa e velha cédula de papel no seu destino final, onde ficará guardada para sempre para ser conferida e re-conferida na medida da necessidade. Nos casos mais controversos a autoridade conferente procurará o eleitor para que ele repita sua assinatura e esclareça a duvida.

No vídeo de Daniel Kim para o Sacramento Bee, neste link, Janna Haynes, do Departamento de Eleições do Condado de Sacramento, explica o que acontece com o voto depois que ele chega à autoridade estadual. É, em resumo, a obsessão de respeitar todas as nuances da manifestação de sua majestade o eleitor que atrasa a apuração da eleição americana.

Resta em pé, entretanto, o instituto mais controvertido do sistema, o da eleição indireta do presidente por um Colégio Eleitoral. Hubert Humphrey, que liderou uma campanha nos anos 60 do século 20 contra essa regra, chamava-a de “um apêndice na democracia americana: inútil, imprevisível, e um foco potencial de infecção”. Foi uma solução de compromisso surgida em 1787 quando os convencionais que fundaram a nação estavam esgotados por meses de discussões para a adesão dos estados à União. Dada a limitação dos poderes do presidente americano para com os nacionais, que decidem suas vidas nos níveis estadual e municipal cabendo ao presidente principalmente as relações internacionais, a solução não provocou choque àquela altura. A regra inicial era bastante fluida e foi mudando nas primeiras eleições ao sabor do jogo de forças entre os partidos e os estados até chegar à fórmula que ainda predomina do “vencedor-leva-tudo” dentro de cada colégio eleitoral estadual. Quanto mais apertada a votação maior a chance de se dar o desencontro voto popular x colégio eleitoral. Já aconteceu 5 vezes em 58 eleições, duas delas nas ultimas três em que presidentes republicanos (Bush filho e Trump) venceram no Colégio Eleitoral tendo perdido no voto popular.

As tentativas de acabar com esse instituto nasceram junto com ele mas esbarram na dificuldade de mudanças constitucionais que exigem maioria de ⅔ nas duas casas do congresso. Por duas ou três vezes ja passou na Camara mas foi detida no Senado, ora por um partido ora por outro, ao sabor dos problemas do momento e das vantagens táticas perseguidas por cada qual. Ultimamente imaginou-se a fórmula do National Popular Vote Compact para by-passar a exigência de quorum de ⅔. O presidente precisa uma maioria de 270 delegados dos estados para se eleger. O Compact, ao qual já aderiram 16 estados somando 196 delegados do colégio eleitoral, consiste em aprovação de legislação estadual, que requer quórum menor, desobrigando os delegados locais da regra do vencedor-leva-tudo e obrigando-os a seguir a maioria determinada pelo voto popular.

Marcado:, , , , , , , ,

§ 10 Respostas para Como é a eleição americana: compare

  • Nivaldo disse:

    Fernão e seguidores, desculpe minha ignorância neste aspecto, quem elege os delegados que elegerão o presidente?

    Curtir

  • Perez, Rubens disse:

    Muito bom!

    Tem que continuar enfatizando as diferenças entre DEMOCRACIA e democracias!! Rubens

    Curtir

  • jali meirinho disse:

    E assim caminha a democracia.

    Curtir

  • Benedicto disse:

    O Fernão, como costumeiro, “falou e disse”, uma “aula”. – B/Moreira

    Curtir

  • Herbert Sílvio Augusto Pinho Halbsgut disse:

    Fernão, apreciei mais essa coletânea de informações sobre o sistema da eleição americana, que facilitará minhas explanações para outros amigos que se interessem por saber o que é o voto distrital puro com recall, iniciativas…, pois a maioria dos brasileiros não faz a menor ideia do que seja. Assim no tete-a-tete vou atraindo atenção dos que ainda tem ânimo para procurar soluções para o Brasil que gostaríamos já estar vivendo, se não fosse o obscurantismo que a privilegiatura nos impõe há séculos. A massa de informação e desinformação diária em tempos de internet faz com que os leitores não prestem muita atenção a fatos importantes para as suas vidas como cidadãos explorados e, assim, mostrar seus textos já me levou a despertar pessoas que haviam desistido de crer que uma mudança é possível, mesmo que trabalhosa.
    Apreciei em especial – como quem trabalhou como presidente em seção eleitoral em várias eleições aqui, e depois acompanhando todo o ritual de guarda das urnas e apuração dos votos, e recursos… – quando você esceveu: “a autoridade conferente convocará o eleitor para que ele repita sua assinatura e esclareça a dúvida” Isso é que é o respeito lá pelo cidadão, pois lá sabem de quem emana o poder! Fico imaginando o que ocorreria se dependesse do funcionamento caótico da atual empresa de Correios no Brasil. Será que as cédulas de votação das nossas eleições anteriores ainda estão guardadas em algum lugar em todo o território nacional…”para todo o sempre”. ou já foram todas cremadas, como fazem na Academia Brasileira de Letras quando votam?
    Organização,planejamento, fiscalização, reciprocidade no respeito à coisa pública são quesitos ainda pouco acalentados na nossa vida nacional. A urna/cabresto eletrônica parece ser escolhida por resolver também os problemas gerados pelo analfabetismo nacional; Prefiro a velha e boa urna de lona e todo o ritual de votação e apuração antigo, mesmo que mais demorado.

    Curtir

    • cacaroloss disse:

      Acho que devemos aproveitar estas verdadeiras aulas sobre o voto distrital puro e o recall, dadas pelo Fernão, e passar didaticamente para o nosso círculo de amigos e pessoas próximas. Talvez assim. aos poucos, iremos atingir um maior número de pessoas. Afinal, leituras jornalísticas deste nível infelizmente ainda são para o deleite de poucos. Mais uma vez, parabéns caro Fernão.Seu sobrenome ainda vale ouro meu caro.

      Curtir

  • cacaroloss disse:

    Concordo com você. Mas ele com certeza sabe o que eu quis dizer.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Como é a eleição americana: compare no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: