Qual é a diferença que importa?

12 de setembro de 2022 § 4 Comentários

Impugnar a candidatura de Bolsonaro? “Cancelar” a metade do país que saiu às ruas no 7 de Setembro? Apagar aquelas multidões da memória nacional?

Porque não no país que iniciou essa novela tornando legal a do ladrão condenado e mandando prender a polícia que o tinha prendido?

Porque não no país que acaba de instituir a censura prévia da censura prévia com a proibição de levar celulares ou qualquer aparelho capaz de produzir provas às cabines eleitorais?

Porque não no país onde Geraldo, O Canalha, aciona o TSE para censurar o uso de suas próprias palavras de ontem sobre o seu “aliado” de hoje?

Porque não no país onde a “imprensa” autorizada a falar, por “aliada do estado de direito”, é a que se declara a “monitora” dos jornalistas que ousarem furar a censura para entregá-los às fogueiras do inquisidor-mor Alexandre de Moraes?

Como caímos nesse pesadelo em que qualquer insanidade vale?

A morte de Elizabeth II veio arrancar o Brasil do seu surto psicótico. De repente, ao acordar flutuando serenamente no Oceano da História, o país deu-se conta de que a gota de esgoto em que se ia afogando é daquelas que formigas atravessam com águas pelas canelas, para lembrarmos a expressão de Nelson Rodrigues, um dos gênios da raça que militou no jornalismo pátrio.

A imprensa e o STF são os freios do sistema. O STF o de mão, a imprensa o de pedal com que se modula a marcha pelos obstáculos do caminho. Mas o lulismo, por baixo dos panos, trocou os dois pelos comandos do acelerador. E desde então o país se vem despenhando pirambeira abaixo em ritmo de trem fantasma, numa carreira que fatalmente produzirá mortos e feridos.

O jornalismo e o STF vão sobreviver porque o Brasil é maior que os dois e ambos são instituições indispensáveis. 

A limpeza e a renovação da imprensa é fácil. Ela habita o universo do “mercado”, território sob a hegemonia incontestável do distinto publico que joga fora o que está contaminado e engendra e regula os seus substitutos pela demanda. E ninguém, senão quem fez por merecer, perde nada com isso.

Mas a desinfecção do STF é bem mais complicada. O avião tem de ser consertado em voo porque, se cair, quem morre são os passageiros que já não podem saltar da nave. 

O cálculo dos que enfiaram o país na seringa da monocracia é sibilino. Qualquer manobra dentro dela é virtualmente impossível. O único caminho é para adiante…

O prêmio máximo, desde sempre, é que caia mesmo o avião da democracia. Mas até que se arrebente, os que rechearam essa instituição com militantes absolutistas e advogadozinhos de porta-de-cadeia contam com o pavor dos passageiros para garantir sua impunidade ao longo do processo.

É chantagem, nem mais, nem menos…

A saída que ha, a “3a Via” real, segue sendo a única que jamais foi inventada: nem os políticos, nem os juízes; o povo mesmo decidindo o que é bom para ele.

O que faz a saída democrática materializar-se é a tecnologia consagrada em uso em todo o mundo que deu certo: a hierarquização da relação dos representados com seus representantes eleitos que começa com o voto distrital puro e completa-se com a precarização radical dos mandatos pelo instrumento do recall porque o ser humano trabalha mesmo é para quem tem o poder de demiti-lo. Compõem a receita, para torná-la proativa, os complementos da inciativa e do referendo popular de leis de modo a que nós, e não “eles”, tenhamos a última palavra sobre tudo que afeta o nosso destino.

É na negação da essência da revolução democrática que se unem as três “vias” do status quo brasileiro, é verdade. Dos mandantes dos crimes do STF ao próprio presidente em exercício que, alvo permanente, pode dar-se o conforto de viver só de não ser tão execrável quanto os que tocaiam o Brasil, nenhum tem qualquer proposta para religar, nem muito menos para submeter o País Oficial ao País Real e acabar com esse divórcio radical de onde manam todas as nossas desgraças.

Mas a diferença que importa é que quando acabam os mandatos de todos os outros o país está pronto para recomeçar.

Menos os do PT. Os mandatos dele quando não matam, aleijam.

O Brasil é um país sem luxos. As multidões de 7 de Setembro eram as dos que não acreditam no país que lhes pintam, acreditam no país que vêm. Neste que lhes grita todos os dias na cara o que de verdade é mas lho proíbe de dize-lo. Eram as dos “passageiros” que sabem que a escolha que há é entre manter entreaberta a porta para o nosso ingresso, um dia, no século 18 das revoluções democráticas, ou vê-la ser monocraticamente trancafiada já, sabe-se lá até quando.

Marcado:, , , , , , ,

§ 4 Respostas para Qual é a diferença que importa?

  • Marcos andrade moraes disse:

    Seu fascismo invejoso e complexado destrói a luta pelo voto distrital, recall e referendo. Tente resolver o problema com sua família de outro modo, sem envolver o Brasil.

    Metade do Brasil foi às ruas? Pirou?

    MAM

    Curtido por 1 pessoa

  • dcavelar disse:

    Desculpa os questionamentos.

    Impugnar a candidatura dele? Você acredita nisso, pois dos outros bandidos pegos na LavaJato isso não ocorreu.

    Onde viu que ‘metade’ do Brasil foi às ruas no 7 setembro? Vi cartazes pedindo ‘intervenção militar pra libertar o Brasil’ (cuma?). A Democracia desses que foram às ruas é isso? Nos livrar da tutela do STF pela dos militares, aquela parte do Estado onde esses privilegiados contribuem com somente 5% da sua aposentadoria e os míseros 95% restantes bancada pelo ‘favelão nacional’?

    Os movimentos de rua do ‘fora Dilma e PT’ foram muito maiores, aliás fui um dos líderes na minha cidade. Fernão, você foi pra rua pedir a saída do PT?

    É censura proibir ‘fotografar’ o voto? Qual o intuito, provar a venda dele, tipo leilão, quem dá mais? Na Suíça e EUA pode isso? Em qual Democracia isso é permitido, Cuba, Venezuela, Rússia? Na sua visão de Democracia, o comprovante do voto impresso deve ficar com o eleitor ou na urna?

    Curtido por 1 pessoa

  • Jose Carlos Barbério disse:

    Parabéns! Preciosas considerações!!

    Obter o Outlook para Androidhttps://aka.ms/AAb9ysg ________________________________

    Curtir

  • Fernão,
    Os seus detratores nunca reconhecerão que o falível sistema secreto de apuração eletrônica do voto, nos atuais moldes é ilegal e inconstitucional. É INAUDITAVEL e não permite a CONTAGEM PÚBLICA com transparência.
    O séquito da elite globalista pautado no decálogo de V. Lenin não irá arredar pé da luta pelo poder. Eles só compreenderão as ideias democraticamente contrárias se empregadas conjuntamente com o uso da força soberana. Como inferimos de uma outra postagem sua: Se a porrada do opositor for mais forte.
    Só reconhecerão o poder que emana do povo quando o poder emanado do “ovo” for contido.
    Aí as ruas se tornarão pequenas, aos olhos de seus detratores, para os milhões de patriotas soberanistas que lutam pela liberdade.

    Curtir

Deixe uma resposta para Jose Carlos Barbério Cancelar resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

O que é isso?

Você está lendo no momento Qual é a diferença que importa? no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: