Dispensados da diversidade

5 de dezembro de 2013 § 4 Comentários

a5

Vejo outra vez a discussão na TV do importante tema da compartimentação dos grupos e estilos de pensamento nas redes sociais e o perigo da realimentação permanente das suas próprias ideias a que frequentar grupos não diversificados pode levar, resultando numa crescente intolerância e, consequentemente, na radicalização política.

Outra vertente desse mesmo problema é o chamado “fator Google” que consiste na montagem de dossiês minuciosos cobrindo todos os passos da vida de cada indivíduo no planeta a que todos os sites que eles frequentam na rede se dedicam e, mediante o processamento desses dados por algorítimos, alimentá-lo cada vez mais de “si mesmo” nas sus buscas pela rede e na excitação da sua “libido aquisitiva”.

a5

É, de fato, um problemaço e os efeitos práticos dessa nova máquina de realimentar egos já se fazem sentir por todos os lados, especialmente no que diz respeito às gerações pós internet que nunca viveram outra realidade.

A compartimentação das relações entre pessoas nas redes sociais corresponde exatamente à compartimentação das relações entre pessoas na vida real. De modo geral, elas constituem o seu círculo de amizades entre pessoas que se parecem com elas pelo menos nos limites éticos que se impõem e nos padrões comportamentais que adotam, o que aponta também (mas não necessariamente) para a afinação ideológica.

Até aí tudo normal.

a5

Mas na vida real as pessoas cruzam o tempo todo com quem não se parece com elas. Isso porque, para “se relacionar” com “o outro”; para evitar a solidão que é diferente da solitude e que o ser humano não suporta, elas eram obrigadas a sair de casa. E assim que punham o pé na rua para ir às compras ou ao trabalho e frequentar a cidade para o que quer que fosse expunham-se e confrontavam-se necessariamente e o tempo todo com toda a diversidade que caracteriza as comunidades humanas.

Até para procurar o seu igual o cara era obrigado a se expor ao diferente.

A vida real, portanto, aguça o espírito crítico porque a diferença se apresenta e até se impõe o tempo todo às pessoas.  De repente você cruza com uma vida totalmente diferente da sua e vê que ela pode dar certo; de repente você até se apaixona por alguém exatamente porque ela é o seu oposto, ainda que dentro dos seus limites de tolerância comportamental, e isso desafia e exerce um certo fascínio…

a5

Mas nas redes consegue-se escapar à solidão e estabelecer relações humanas sem ter de sair de casa; sem ser forçado a se expor ao diferente. Um sujeito pode passar a vida inteira “se relacionando”, sempre no nível da abstração racional, não espontânea e regulável, o que na vida real, regida pela espontaneidade ou no mínimo traída pelas manifestações dela, mesmo as reprimidas, era impossível fazer.

É nessa dispensa da obrigação de atravessar o oceano da diferença, ainda que para procurar o igual, que mora o perigo.

Vamos ver que tipo de humanidade resultará dessa nova ecologia.

a5

Marcado:, , , , , , , , , ,

§ 4 Respostas para Dispensados da diversidade

  • Ronaldo disse:

    Importante enfoque sociológico a ser analisado. Há realmente o risco de isolamento das pessoas em seu mundo virtual, evitando o relacionamento “analógico”, pessoal, direto. Estas correm o sério risco de formarem grupos, gangs sectárias, radicais, violentas e antissociais.

    Curtir

  • Varlice disse:

    “Vamos ver que tipo de humanidade resultará dessa nova ecologia”

    Seguramente um tipo intolerante e altamente teórico, para começo de conversa.
    Sinal dos tempos, essa intolerância me recorda o início do nazismo.

    Curtir

  • Thais Campanaro disse:

    Um tema totalmente pertinente… É realmente assustador o caminho apontado pelas atuais relações virtuais – em especial das gerações mais jovens-, que distorcem as vivências afetivas e criam redes alienadas do restante do mundo, com prejuízo do contato com o contraditório. Como amadurecer como pessoa nesse mundo artificial?

    Curtir

  • Varlice disse:

    Como sempre após a leitura de seu blog, recebo vídeo pertinente:

    Tribos diferentes, somos todos um, e a tolerância é a via de harmonização.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Dispensados da diversidade no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: