O que será o amanhã

24 de setembro de 2013 § 3 Comentários

cerca5

Cada vez mais abertamente o PT comporta-se como se não houvesse amanhã.

Nenhuma instituição, nenhum equipamento de defesa da sociedade, nenhum segmento da máquina pública, nenhum dos pilares da construção do Brasil da próxima geração é sagrado o bastante para merecer qualquer contemplação diante do objetivo de perenizar-se no poder e esmagar qualquer esboço de oposição, o único que se pode identificar neste governo a partir do exame da coerência das suas ações.

O Congresso Nacional foi a primeira vítima, corroída pelo gás venenoso da corrupção institucionalizada instilado pelos métodos que o Ministério Público descreveu em minúcias na peça acusatória da Ação Penal 470, a do Mensalão.

Desde a revelação da tramoia à Nação procedeu-se à desmontagem do Ministério Público e do Poder Judiciário pela substituição cirúrgica, peça por peça, da maioria sadia dos seus agentes por outros notoriamente infeccionados até que chegássemos ao acachapante suicídio ritual do Supremo Tribunal Federal, entregue o último ato de profanação ao próprio papa daquela igreja para que se abandonasse qualquer esperança de salvação.

cerca3

Para reverter a condenação de meia dúzia de salafrários passou-se jurisprudência que garantirá a impunidade de todo e qualquer salafrário que chegar às barras da Justiça brasileira daqui para sempre.

O esboço de reação da parcela da população que não se vendeu e saiu às ruas em junho animada pela condenação dos mensaleiros foi assassinado ao cabo de três meses a fio de intimidação pela violência física a cargo de hordas de profissionais que em tudo faziam lembrar as que Hitler e Mussolini usaram, quase 100 anos atrás, para a mesma finalidade.

Ministérios ha 40, todos podres. E quanto mais se comprovam podres, mais o governo os confirma nas mãos dos seus indefectíveis “donos”.  Ha focos de corrupção – mais uma vez flagrados, documentados e impunes – dentro do Palácio do Planalto, nas salas vizinhas às da Presidência da República.

O aparelho do Estado está partidarizado de cabo a rabo e quem tem tido qualquer experiência, por menor que seja, de como tem agido e reagido o funcionalismo “público” pelo país afora não precisará de grande esforço de imaginação para antever como ele reagirá se, por algum tipo de acidente imprevisto, um governo que não seja do PT vier a ser posto pelos eleitores na posição de tentar discipliná-lo e dar-lhe ordens.

cerca7

O sistema de defesa da moeda nacional foi desmontado à vista de todos com expedientes grosseiros de falsificação das contas públicas que provocaram a debandada dos investimentos internacionais no momento em que uma economia inteira posta a serviço de tapeações eleitoreiras ameaça parar em função do sucateamento da infraestrutura de transportes e de energia.

Para que a mentira que o capital internacional denuncia tomando distância de ofertas cada vez mais obscenas de remuneração (e por isso mesmo tanto mais insustentáveis e inverossímeis) não chegue às massas subornadas pela ilusão consumista sustentada à custa de um aprofundamento para além de temerário do abismo do endividamento público, rebaixam-se cada dia mais as exigências para parceiros cada vez mais evidentemente desqualificados aos quais, mesmo assim, vão sendo entregues  a montagem e a gestão futura dos equipamentos dos quais dependerão as condições de competir da economia nacional e o emprego das próximas gerações de brasileiros.

cerca12

Nem as mais sagradas joias da coroa do estatismo – a Petrobras e as empresas de geração e transmissão de eletricidade, os dois combustíveis básicos da máquina nacional de produção – foram poupadas. Andam na corda bamba, com contas em frangalhos, às vésperas da desclassificação pelas agências internacionais de risco.

O sistema de defesa e promoção da qualidade da educação pelo mérito esboçado no governo anterior foi destruído e substituído por um sistema de cotas que, a um só tempo, fomentam a corrupção dos candidatos, de quem agora tudo que se exige é uma mentira na cara-de-pau, e o ódio racial.

O aparato legal de proteção à qualidade da medicina praticada no país foi detonado em seus dois pilares de sustentação para permitir a entrada em cena de um pequeno exército de cabos eleitorais e proselitistas da mais antiga ditadura do planeta à qual este governo jura fidelidade cega: o que controla a qualidade das escolas de medicina (os exames do MEC) e o que fiscaliza a atuação dos médicos depois de formados (pelos CRMs) foram ambos desmontados e desautorizados com um só decreto presidencial.

cerca9

As agências setoriais de proteção ao consumidor e fomento à concorrência foram aparelhadas para fazer vistas grossas ao processo vertiginoso de concentração da produção e da renda patrocinado com dinheiro subsidiado de bancos públicos, uma óbvia ante sala da estatização geral da economia com o uso de testas-de-ferro disfarçados de agentes privados.

Os sistemas de proteção ambiental, de fiscalização das contas publicas e de coleta de impostos foram transformados em instrumentos de perseguição seletiva e intimidação econômica a resistentes ao novo dictat.

A política externa foi arrancada das mãos do Itamaraty, o último dos centros de excelência a resistir na Esplanada dos Ministérios, e concentrada nas mãos do Executivo. No front da inserção comercial do país tudo que estava esboçado foi destruído. O Brasil está cada vez mais isolado. Tudo é pretexto para nos afastarmos do mundo democrático onde estão concentradas as turbinas das trocas internacionais sem as quais nenhuma economia pode pleitear um lugar ao sol fora da periferia do mundo. Assim como nenhuma agressão é suficiente – e elas têm sido inúmeras e pesadas com as últimas recebidas da Argentina e da Bolívia – para nos fazer desgrudar dos párias da comunidade internacional.

cerca7

Off the records, corre uma ação frenética de cooptação de governos criminosos e semi-criminosos misturando doses maciças de corrupção envolvendo famigeradas empreiteiras acima de qualquer suspeita de honestidade, o ex-presidente da Republica que se declara seu “agente de vendas” e “obras” no exterior financiadas pelo inefável BNDES, o núcleo duro do projeto de poder nacional e internacional petista, sobre cujo destino final ninguém poderá ter qualquer notícia segura ou confiável.

Usam-se, nessa frente, para comprar aliados e votos favoráveis aos projetos do PT em fóruns internacionais, os mesmos métodos que se usou no Congresso para comprar votos e aliados para seus projetos de poder nacionais.

No mais, tudo gira em torno do expediente de socializar a corrupção. Das populações miseráveis dependentes da Bolsa Família aos grandes empresários que ganham isenções seletivas de impostos e outras benesses; da UNE à Fiesp; da OAB ao Avaaz, ferramenta multinacional  de ativismo e “democracia direta” via internet, tudo está solidamente comprado e dominado, à espera do momento oportuno para o bote final.

Os fatos não dão margem a dúvidas. Só duvida ainda quem está decidido a duvidar. O PT se comporta como se não houvesse amanhã porque não ha amanhã no seu horizonte de alternância no poder.

cerca8

Marcado:

§ 3 Respostas para O que será o amanhã

  • JORGE disse:

    DEUS MEU, estamos então em pleno apocalipse!! Esta é a conclusão ao lermos este post; Calma, eu embora concorde, acho que a POPULAÇÃO CAIRÁ EM SI, cedo ou tarde, melhor cedo, mas nunca será tarde demais, para erradicarmos esse cÂncer chamado PT.

    Curtir

  • CARLOS FERNANDO ALENCASTRO MUNIZ FREIRE disse:

    Vale a leitura !!
    Aliás, nesse artigo falam do que eu já comentei aqui no F B, “Off the records, corre uma ação frenética de cooptação de governos criminosos e semi-criminosos misturando doses maciças de corrupção envolvendo famigeradas empreiteiras acima de qualquer suspeita de honestidade, o ex-presidente da Republica que se declara seu “agente de vendas” e “obras” no exterior financiadas pelo inefável BNDES,…”.
    E, depois nas obras nesses países, com governos sabidamente corruptos, as obras são sempre superfaturadas para depois todos (governos desses países, governo daqui e empreiteiras) dividem o “pote” e o BNDES, por ordem do governa do PT “perdoam” a dívida.
    E danem-se os brasileiros

    Curtir

  • Varlice disse:

    Você descreveu exatamente como o câncer age no corpo humano.
    A doença não tem consciência de que corroendo o corpo acabará por também morrer.
    Não há porque ter amanhã.
    Tão desalentada quanto você.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento O que será o amanhã no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: