O ministro está morto. Viva o ministro!

30 de janeiro de 2017 § 16 Comentários

teo3
Artigo para O Estado de S. Paulo de 30/1/2017

Se a morte de Teori Zavaski e o peso crescente do STF põem mais uma vez em evidência a fragilidade da nossa (des)ordem institucional, a conversa de surdos em “looping”, tão igual a si mesma que não faz senão aborrecer e alienar, em que se transformou a discussão pública do dramalhão nacional mata qualquer esperança de melhora.

Ao fim de três anos encalhado o país colhe as provas de que o destino do processo que pode mudar o seu destino não está referido a leis e procedimentos certos e sabidos nem a respeito de delitos tão elementares quanto o assalto recorrente aos bens públicos por agentes do estado e empresários por eles cooptados. Tudo está pendente exclusivamente da maneira como houve por bem tratá-los desta vez, e somente desta vez, o ministro morto em cujas mãos a impertinência de um juiz dissonante da 1a Instância jogou a sorte dos políticos denunciados na Operação Lava Jato. E, sendo assim, tornar a sua sucessão neutra e tranquila como deveria ser se fossemos regidos por instituições e não por pessoas é uma missão impossível, senão por todas as outras razões, porque na verdade ninguém sabe exatamente se e como Teori Zavascki se teria decidido a agir em relação aos seus quase réus. Tudo a esse respeito é “segredo de justiça”, expressão que, já de si, é uma contradição em termos. Havia só vagas indicações sobre o que ele “estaria pensando” em fazer.

teo1

Tudo, portanto, pode mudar se mudar o relator, ainda que não mudem os fatos que ele relata. Sendo o objeto do processo a nata dos brasileiros “especiais”, aqueles que vivem do e para o estado e estão acima da lei, a única “providência” possível, mesmo para as nossas autoridades mais altas e mais bem intencionadas, é procurar alguém que “seja parecido” ao ministro morto em matéria de “pensamento jurídico”, seja o que for que tal expressão queira dizer, o que garante que não existe o menor risco de que nada do que é realmente importante mude para melhor no final dessa história. A hipótese menos ruim é que, com a ajuda da sorte, este incidente não chegue a fazer tudo piorar muito como tantas vezes já aconteceu em episódios semelhantes da História do Brasil.

Nada a estranhar. É essa mesmo a lógica do “sistema corporativista”. Transferir intacta, de sua majestade para os três poderes do novo sistema, a prerrogativa de distribuir a quem lhe interessar pudesse, não mais títulos explícitos de “nobreza”, mas sim “direitos adquiridos” eternos e frequentemente até hereditários, e encarregar o Poder Judiciário de “republicanamente” faze-los valer nos seus tribunais em vez de simplesmente no cadafalso como ocorria antes. Foi esse o artifício com que a elite em torno do imperador exorcizou a revolução democrática que varreu o absolutismo da Europa e castrou a Republica que tentou se insinuar ao Brasil.

teo2

A “Nova Republica”, a partir de 1988, apenas deu a última forma à velha aberração. Desde então a “privilegiatura” saiu do armário e a própria “Constituição da Republica” passou a ser oficialmente o repositório dos seus “direitos adquiridos”, dos mecanismos que automatizam a sua continua expansão e das “pétreas” garantias da sua intocabilidade.

Assim como sua congênere norte-americana, o modelo de onde tiramos a nossa, a suprema corte tem por função avaliar a consonância de todos os atos dos outros dois poderes e mais os das instâncias inferiores do próprio Judiciário com a constituição. O problema é que a constituição americana, com 230 anos, tem sete artigos e 27 emendas, todos definindo exclusivamente quais são os direitos de todos ficando tudo o mais fora da lei, e a brasileira, com 29 anos, tem 250 artigos e 93 emendas, quase todos definindo aquilo que é apenas de alguns em aberta contradição com os Princípios Fundamentais que enuncia no primeiro dos seus nove capítulos, o único que guarda algum parentesco com ideais democráticos autênticos. É um falso problema, portanto, o tão criticado “protagonismo” do STF que um poder Legislativo desmoralizado invoca na sua disputa de poder com o Judiciário e em torno do qual a imprensa e seus “especialistas” de plantão, ingênua e infindavelmente “batem caixa”. Assim como é uma completa perda de tempo qualquer tentativa de cerceá-lo sem tocar na sua causa estrutural pois o “protagonismo” não é da corte, é da constituição, e tudo acabará sempre obrigatoriamente no Supremo se tudo e mais alguma coisa continuar podendo ser enfiado na constituição.

t

Tudo, no drama brasileiro, está referido a essa mutilação essencial que fez da nossa tão propalada “democracia” um falso brilhante. Passados 118 anos de distribuição desenfreada desses privilégios cá está o Brasil, como era típico de todo o sistema feudal e pelas mesmíssimas razões, estertorando na miséria enquanto a corte onde tudo o mais anda sempre tão devagar passa lei atrás de lei a favor de si mesma como se vivesse em outro planeta. Em pleno século 21 e com a democracia moderna que foi inventada justamente para acabar com isso comemorando o seu 241º aniversário, não conseguimos superar sequer as angústias e incertezas vividas pelos súditos das monarquias desaparecidas desde o século 19 nas quais a morte do rei impunha a todos o que a sorte decidisse sobre a personalidade do herdeiro do trono, com a diferença de que hoje não temos rei, temos reis.

Não adianta sonhar com a redução da corrupção sem tocar na indemissibildade do servidor público e no condicionamento da duração dos mandatos dos representantes eleitos estritamente à satisfação dos seus representados. Não adianta tentar impedir a manifestação dos efeitos sem tratar de remover as suas causas. Enquanto não nos decidirmos a banir da constituição e da nossa ordem legal como um todo tudo que nelas está em contradição com o principio da igualdade de todos, em direitos e em deveres, perante a lei que define a democracia, continuará sendo ilegal tornar sustentável a economia e inconstitucional fazer justiça ou dar os passos necessários para extinguir a miséria no Brasil.

a6

Marcado:, , , , , , , , , , ,

§ 16 Respostas para O ministro está morto. Viva o ministro!

  • Renato Pires da Silva Filho disse:

    O Sistema Predador gera “segurança jurídica” para as suas corporações titulares, e insegurança total para o resto infeliz da Nação, que, estagnada há séculos, cresce vegetativa, rodando em torno de si própria, e padecendo dos males que o Sistema lhes despeja em série

    Curtido por 1 pessoa

  • Paulo Andrade disse:

    Sua lucidez me assombra, Fernão. Mas eu não enxergo qualquer modo de acabar com as capitanias hereditárias. Aliás, faz quantos anos que o Estadão foi proibido de tocar em assunto dum sinhozinho mesmo? Onde isso anda? Será que a internet tem toda essa força mesmo de unir a patuleia pelo voto “consciente” pra tirar a corja? A reprogramação das urnas não será capaz de neutralizar essa tentativa quixotesca e pueril?

    Quando mataram o embrião de uma assembleia constituinte legítima, nos anos 80, que deveria ser constituido de delegados populares (distritais) e colocaram no lugar o (argh!!!) Congresso Nacional, ou seja, raposa ditando regra pro galinheiro, desacreditei, ou como dizia uma amiga sergipana, dasacorçoei…

    Nunca vi um lampejo de democracia nessa terra de ninguém, e penso que não verei.

    De todo modo, te admiro como, guardadas as devidas proporções, admiro João Batista por clamar no deserto, doutrinando camelos e escorpiões.

    E agradeço, pois essa pregação não é inútil, pois me dá a sensação de não estar sozinho.

    Curtido por 1 pessoa

  • Paulo Andrade disse:

    Em tempo: o verdadeiro significado de cláusulas pétreas: são aquelas que se coloca uma pedra em cima e não se fala mais nisso, nem na sua implementação, nem no seu cumprimento. Nada.

    Curtido por 1 pessoa

  • Carmen Leibovici disse:

    Quando se faz um contrato particular,já ouvi várias vezes,se deve escrever pouco e o essencial.

    No Brasil vigora a enrolação como princípio.Basta ouvir um político falando:fala,fala,por horas,mas não diz nada;depois que o ouvinte já adormeceu na enrolação,o político então continua em sua objetividade-ai sim ele é objetivo-em direção aos objetivos próprios e corporativos.

    A mesma enrolação está na Constituição.

    Seria interessante que algum jurista ,empenhado na cura deste país,extraísse da Constituição vigente o seu essencial e a transcrevesse em poucos artigos e emendas.
    Com um “documento”assim em mãos, se divulgaria essa ideia,via redes sociais e midia em geral.
    Seria como um exemplo em mãos,pois coisas exemplificadas na prática ficam mais claras.

    Curtido por 1 pessoa

  • Saulo Mundim Lenza disse:

    Considerando a lucidez do seu artigo, e, a impossibilidade atual de acabar com as “pétreas”, os indemissíveis e os políticos eternamente reeleitos conforme interesses pessoais, além dos cargos vitalícios, fica a pergunta: como será o futuro da Nação e do nosso povo?

    Curtir

  • Carmen Leibovici disse:

    O Jurista conhecedor da Constituição faria esse documento sintetizado ,evidentemente,baseando-se no enunciado do primeiro dos nove capítulos dos Princípios Fundamentais, o único que guarda algum parentesco com ideais democráticos autênticos,retirando todas as contradições hoje existentes nessa Carta em relação a esse princípio fundamental.
    Seria simplesmente uma faxina na Constituição e um ajustamento de coerência.
    É simples.

    Curtir

    • Fernão disse:

      não é difícil limpar a constituição desde que se parta de um principio: tudo nela que não vale para todo mundo tem de ser eliminado. é simples assim

      Curtir

      • Carmen Leibovici disse:

        Concordo,afinal ,somos todos iguais perante a lei,mas precisa de um constitucionalista(não jurista) para elaborar melhor a coisa.
        Ou,quem sabe,qualquer um de nós ,ao lê-la ,poderia ir observando esses pontos.
        Mas um trabalho focado ,feito de forma integral ,ajudaria bem.

        Curtir

  • Carmen Leibovici disse:

    Porque se um documento assim não for preparado de antemão,quando chegar a hora de uma constituinte-que acabará chegando-ficaremos como crianças despreparadas nos debatendo com as raposas que terão elaborado outra constituição igualmente enrolada,como é sua especialidade,para enfiar goela abaixo dos brasileiros por mais 30 anos.
    É preciso saber o que se quer, e se preparar com antecedência para tanto,para vencer.

    Curtido por 1 pessoa

  • Participo de um grupo de pensadores que se reúne em Brasília toda semana (Segundas Filosóficas) que planejou dedicar 2017 a pensar um projeto para o Brasil. Gostaria de entrar em contato com Fernão por e-mail. Também pensamos que nova constituição seja indispensável.

    Curtido por 1 pessoa

    • Paulo Andrade disse:

      Nós nunca tivemos uma constituição legítima, sempre alguma coisa imposta pelo governo de plantão. Aliás, desde o Dão Pedro, ” toma pra ti, gajo, antes que algum abentureiro o faça” (referindo-se aos brasileiros descontentes, que já eram muitos, por isso tantos movimentos de inconfidência etc etc etc. A de 46? Poupem-me! a Cidadã????? Essa cheia de artigos dependentes de normatização (mais de 200!!!!)??? Democracia? Qual?

      Curtir

  • jeanmorgado disse:

    A casta politica/judiciaria que se instalou no pais após o regime militar e com base na imoral Constituiçao Federal de 88, produzida por eles mesmos para se perpetuarem no poder, está cada vez mais distante do povo, auto-blindada e com poderes absolutamente ditatoriais, com o reforço do 4. Poder= o crime organizado. Seria necessario juntar um grupo grande de todos os segmentos da sociedade para denunciar (apesar da midia 99% controlada pela Orcrim chamada governo) e propor uma nova CF, onde funcionario publico não tivesse privilégio algum alem de todos passarem por concurso e sem ficha criminal.
    Mas isso só será possivel trocando 100% dos congressistas, magistrados e demitindo 90% dos funcionarios publicos, um cancer que tornou o Brasil ingovernalvel.

    Curtir

  • jcmrizzo disse:

    Como sempre, meu caro Fernão, seu artigo é perfeito! Impecável! Temos que combater o câncer que está nos matando a todos, inclusive as próprias células cancerígenas (todos os servidores públicos).

    Curtir

    • Paulo Andrade disse:

      Não pode generalizar! Os pés-de-chinelo (barnabés) ganham pouco e sofrem! Professores primários, lixeiros, garis, carteiros, pessoal da saúde. Mas pelo menos alguns deles terão que aprender a sorrir quando nos receberem nos SUS da vida, quando a estabilidade for estirpada EM TODOS OS NÍVEIS. Enquanto isso, seria de bom alvitre instituir cartão de ponto pra quem não usa e foge da repartição depois do almoço, deixando o paletó trabalhando no seu lugar. É tradiçaõ de séculos mas, em tempos de tornozeleiras, de facílima implantação. E nada de polegares de silicone, hein, seus danadinhos?!!!!!

      Curtir

  • José Silverio Vasconcelos Miranda disse:

    Sempre um primor de coerência . Aliás, coerente com um dos seus últimos artigos ” O Brasil precisa ser consertado por inteiro “. A “Cidadã ”
    é uma falácia . Uma aberração. Um “camelo” construído por um grupo que resolveu consertar um cavalo. Deu nisso !!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento O ministro está morto. Viva o ministro! no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: