Tijolos para Babel

5 de dezembro de 2015 § 43 Comentários

alk1

Não comprar a “roubada” dessa guerra, entende-se. Seria inteligente negar-lhes o que eles mais querem desde que ficasse claro que era disso que se tratava. Mas Geraldo Alkmin, o candidato-custe-o-que-custar que não conduz, é conduzido, fez muito mais que isso: atirou pedras no deus da educação pública que os fariseus arrastavam pelo calvário; renegou um plano de indiscutível melhoria da qualidade da educação e da gestão do dinheiro público para ajoelhar-se diante do me-engana-que-eu-gosto dos estudantes de araque do soviete da Apeoesp; reconfirmou a idéia de que neste país quem mete o pé na lei vence ao enche-los de rapapés e salamaleques…

alk4

Herman Voorwald, diante desse ato oficial que veio estabelecer que não só o interesse público como também a educação deixaram de fazer parte do escopo da Secretaria de Educação, pediu, digno, as contas, educador e servidor sem aspas que é. Seja quem for o cabo eleitoral que sua excelência encontre para por no lugar dele é certo que não lhe renderá os votos pela adulação dos quais está humilhando São Paulo. Aquela turminha de gatos pingados que foi animada a cuspir nos direitos dos 12 milhões de paulistanos nas últimas semanas ficou desolada com a perspectiva do fim da farra e promete continuá-la indefinidamente para que fique mais uma vez bem claro que nada disso tem qualquer coisa a ver com educação, com reorganização escolar ou, muito menos ainda, com “diálogo“, é só mais um ensaio do que vem por aí quando o Brasil pedir que o estado petista dê um passinho atras para que a economia nacional consiga por o nariz um dedo acima do mar de lama.

alk4

Já aquela imprensa aliada dos opressores dos seus leitores que “turbina” cada ato do “Movimento dos Sem Crise” para vender traque por furacão e intimidar quem venha querer tocar nos seus privilégios, esta colocou mais um tijolo no tumulo no qual se vai emparedando. E os “publishers” desnorteados, incapazes de desviar o olho de qualquer coisa mais que o próprio bolso na sua incúria omissa, descem mais um degrau em direção ao Nono Círculo do Inferno, aquele mais baixo de todos que Dante reserva aos traidores da pátria aos quais nega até o fogo; condena ao gelo do opróbio eterno.

alk4

RECORDE OS DADOS DO PROBLEMA

  • SP tem 5.108 escolas, 1.443 de ciclo unico, 3.186 de dois ciclos, 479 de tres.
  • É estrutura bastante para 6 milhões de alunos mas hoje só ha 4 milhões matriculados (ha cada vez menos crianças nascendo e, portanto, jovens em idade escolar).
  • Das 119.546 classes que estudam nessas escolas o equivalente a 2.956 (2,5%) estão ociosas e poderiam ser redistribuídas.
  • A reorganização proposta queria instituir ciclo único em todas as escolas: Fundamental I, Fundamental II ou Ensino Médio, com os alunos, todos na mesma faixa de idade em cada escola, podendo escolher, fora das obrigatórias, as matérias que preferem estudar como é do melhor receituário curricular moderno. Luxo de país rico!
  • A redistribuição dos alunos seria feita num raio de no máximo 1,5 km e as escolas desocupadas virariam creches que é o que mais falta no estado.
  • A resposta foi a depredação do Palácio dos Bandeirantes de sempre, a cargo dos insignes “educadores” indemissíveis filiados à Apeoesp que dão aulas de ódio ao mérito à juventude brasileira que terá de competir na arena universal.

Marcado:, ,

§ 43 Respostas para Tijolos para Babel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Tijolos para Babel no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: