Correspondência “paulística”

22 de maio de 2014 § 2 Comentários

a3

Mencionei no último artigo a “formação sociologicamente diferenciada de São Paulo” em relação ao resto do Brasil.

Na correspondência que reproduzo abaixo trato desse mesmo assunto e indico algumas leituras fundamentais para todos quantos, como a minha missivista, lutam contra o mar de mentiras em que se debate o Brasil.

Além de termos trabalhado lado a lado no início de minha carreira jornalística, Cecília me ajudou em estudos comparativos da formação das instituições dos Estados Unidos/Inglaterra x Brasil/Portugal mais recentemente, o que explica algumas das menções que se lerá abaixo.

***

17 de maio de 2014

Fernão querido – como vai tudo por aí?

Digo pessoalmente – porque recebo sempre o Vespeiro e compartilho o seu desespero para com a Pátria Amada, Deus a Salve Salve.

Recebi o post abaixo do meu amigo e contemporâneo Sebastião Neto, que compartilha a nossa formação, as nossas preferências e desesperanças.

Acho que o interessará.

Quanto a Shostacovitch, meu sogro, maestro Edoardo de Guarnieri, regeu o ciclo completo das suas sinfonias no final dos anos 50, início dos 60 – você teria adorado, tenho certeza.

Beijo afetuoso,

Cecilia

 

a1

15 de maio de 2014

Cecília,

sabedor de seu interesse pelas nuances de origens e significações da Língua Portuguesa, achei que você pudesse gostar desta matéria que aborda uma variante do falar que era utilizado pelos seus ancestrais paulistas no século XVIII.

Veja, abaixo, o link para a Folha de São Paulo, onde encontrei a matéria.”

Raro dicionário da “Língua Geral Paulista” é descoberto

Um beijo,

Sebastião

 ***

18 de maio de 2014

Cecil, querida,

Vamos empurrando como dá!

Sigo com o que tenho que são os miolos, os dois dedos de digitar e a rede pública, fazendo o que sempre fiz.

Tudo vale a pena se a alma não é pequena, não era isso?

Permaneço, pois, fiel ao mesmo paradoxo do bom jornalismo que eu lhe martelava naqueles tempos de “colegas de carteira” no Estadão: “As unicas lutas que valem a pena ser lutadas são as que não se pode vencer…

a2

Interessantíssima essa notícia, ainda que um tanto melancólica também, dada a diluição que se vê hoje. (Acabo de comprar, alias, graças a sua provocação, um outro Vocabulário Português-Nheengatu à venda na Livravia Cultura online).

O Nheengatu é dos fenomenos que ainda serão melhor estudados quando formos um país civilizado (sim, Cecil, no final nós venceremos, restando saber apenas a que distância esse final está!).

O Demétrio Magnoli, que frequentemente é brilhante mas é italiano, diz o contrário hoje na Folha. Mas dessa historia ele non capicci un cazzo

São Paulo foi uma espécie de Inglaterra na sua relação com o Brasil “continental“.

Ficou isolada durante 300 anos ao longo dos quais só se conhece dois registros escritos por visitantes “civilizados“, e isolada principalmente da fonte mãe da corrupção que era a Europa absolutista (a que mais tarde continou como a Europa totalitária e segue hoje como a Europa bandida que vai nascendo pelas mãos do celerado Putin, ex-KGB).

São Paulo, ao contrário do Brasil da praia, ficou fora disso, destilando e apurando uma cultura própria.

Nada como a “insularidade” fertilizada por uma semente forte!

Entre os portugas que Martim Afonso largou aqui (em 1532) havia gente que, la nos 500, ja tinha estado na China e em tudo mais que ha entre ela e Portugal.

Logo depois morreu d. João III (1557) e subiu ao trono Sebastião (ainda menino) que viria a desaparecer em África (em 1578).

a14

E Portugal entrou numa espécie de processo argentino multiplicado: 300 anos de decadência dos quais São Paulo se manteve não só distante mas, mais importante que isso, ignorante, fazendo valer ainda o “ganhar nobreza pelos feitos d’armas” gerações além, numa espécie de quixotismo inconsciente que explica os bandeirantes geográficos e os bandeirantes economico/empreendedores cuja história começou muuuito antes e com muuuito mais peso e importância do que Caio Prado e seus sucessores gostariam, conforme o nosso Cafu (Jorge Caldeira) vem desvendando com tanto brilho e fascínio.

Você o tem lido? Vale a pena! (Fundamentais estas três matérias a esse respeito: 123).

Tudo isso está esquecido? Está…

Mas continua no DNA de SP que continua atraindo DNA’s semelhantes, da gente que acredita que é capaz de fazer por si se lhe tirarem os renan calheiros do cangote, e determinando o que inconscientemente ainda somos e a nossa relação com o resto do Brasil.

Tão claro tudo isso no panorama político partidário de hoje…

Empurra essa desesperança pra la, Cecil! Transforma-a em (paciente) indignação e em (persistente) missão. Somos só os primeiros “protestantes” vagando pela noite do Brasil com uma vela na mão e batendo de porta em porta para indicar ao povo o caminho da libertação.

Nós vamos vencer no final, não importa a distância. O que nos cabe cuidar agora é de sermos nós os que estarão no lado decente de se estar nos livros de história que nossos netos lerão.

Saudades, menina!

bj,

Fernão

a11

 

Marcado:, , , , , , , , , , , , ,

§ 2 Respostas para Correspondência “paulística”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Correspondência “paulística” no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: