E se o brasileiro se acostumar com a paz?

10 de março de 2014 § 2 Comentários

ar6

Hoje no café comentei com minha mulher a estatística que a Globo mostrava no jornal da manhã sobre a relação crime x castigo cuja existência ela passou os últimos 20 anos negando.

Com uma Copa do Mundo e uma Olimpíada na agulha, bilhões de dólares investidos nessa parada e “os ingleses” de olho no fogo cruzado dentro do qual o “brasileiro foda-se” vive, recrudescendo agora que os traficantes estão perdendo o medo das UPPs, algo parece ter mudado lá em Jacarepaguá.

Até enterro de policial tratado como herói com pais e filhos que choram por eles foi mostrado no horário nobre na semana passada, coisa que eu, com seis décadas de acompanhamento cerrado do jornalismo que se pratica neste país, só tinha visto em seriado americano.

A estatística referida mostrava simplesmente que em todos os 38 pontos da “Cidade Maravilhosa” em que a polícia ocupou o território que o “socialismo moreno” de Leonel Brizola tinha entregue há mais de 30 anos ao crime organizado, o número de assassinatos caiu pelo menos à metade.

des1

Geraldo Alkmin fez melhor. Reduziu em 80% a criminalidade em São Paulo, um recorde mundial. Mas os paulistanos e o resto dos brasileiros só ficaram sabendo disso mais de três anos depois de obtida a marca, quando o feito foi comemorado numa sessão solene da ONU perto do final do ano passado. Até então não apenas a Globo como o resto da imprensa brasileira, a paulista inclusive, sonegou sistematicamente essa informação que “inglês ainda não tinha visto” ao eleitorado brasileiro que, nesse meio tempo, foi bombardeado não só com milhares de entrevistas com “especialistas” para dizer que São Paulo é uma espécie de “campo de concentração”, de tanto prisioneiro que tem, e que tirar bandidos das ruas não adianta nada, é coisa de troglodita ideológico.

Entre um e outro desses honestos debates sempre sobrava uma brecha, aliás, para dizer que quem tem razão é a Globo: o certo é deixar os trabalhadores do crime em paz e desarmar a população que obedece à lei pra tornar o meio de vida deles mais seguro. Até na página de editoriais do Estadão eu li esse raciocínio tão límpida e translucidamente torto, capenga e incompatível com os fatos repetido com poucas nuances e disfarces uma meia dúzia de vezes.

ar2

Enfim, nada prova mais indiscutivelmente o trabalho deletério da imprensa brasileira nesse e em outros campos protegidos pelo xamanismo ideológico que ainda domina nossas universidades e redações que o fato de Leonel Brizola ser, até hoje, um fator de emulação de votos insistentemente disputado nas campanhas “gratuitas” que as organizações mafiosas/partidos políticos que ele chefiou no passado nos enfiam goela abaixo em plena cidade que, quase 10 anos após a sua morte, continua imersa no pesadelo de sangue em que ele a mergulhou.

Mas a esperança é sempre a última que morre. Um dia o fogo que eles próprios ateiam chega à bunda dos incendiários e até eles são obrigados a pular da janela. De modo que, pelo menos até todos os patrocínios entrarem no caixa e a “inglesada” ir embora, há esperanças reais da gente ver bandido ser tratado como bandido e mocinho como mocinho até nas Organizações Globo, o que pode contaminar outras redações pavlovianas espalhadas pelo país.

Quem sabe, até, com alguma sorte, dar aos bois os seus verdadeiros nomes por tanto tempo venha a produzir o efeito que isso sempre produz na coragem dos políticos de tratar os problemas com um mínimo de lucidez, levando-os a acabar com a tapeação judiciária que desfaz o trabalho que a polícia faz, o que poderia facilmente redundar no brasileiro se acostumar com a paz e começar a exigir o seu direito de andar na rua em ser trucidado como um nada com a mesma inegociável veemência com que esse direito é exigido no resto do mundo.

ar4

Marcado:, , , , , ,

§ 2 Respostas para E se o brasileiro se acostumar com a paz?

  • Vera Azevedo disse:

    Dizer que não gostei do seu texto é pouco. Eu também assisto aos jornais da Globo e leio o Estado há anos e jamais deixei de estar informada sobre a escalada da falta de segurança em SP e no País.

    Curtir

  • flm disse:

    devo ter me expressado mal, vera,
    o que eu pensei ter dito (e relendo o texto depois do seu comentário continuo entendendo do que li) é que a imprensa sonega as informações sobre os remédios que funcionam contra o crime e não as que dão conta dos crimes de cada dia.
    alkmin demonstrou com 80% de confirmação que prender bandido reduz a criminalidade e ninguém noticiou isso nem fez as devidas matérias para salientar essa relação direta de causa e efeito senão depois que a ONU o fez com tres anos de atraso.
    já a Globo, até a semana passada só noticiava os enterros dos mortos pela policia (coisa que todo jornalista que se preza tem mesmo de fazer) mas nunca o dos policiais mortos pelos bandidos.
    e continua insistindo, apesar das evidencias que nem ela consegue deixar de mostrar mais, que a solução para o crime é desarmar gente que obedece a lei, esmagar ferro velho debaixo de britadeiras e de discursos demagógicos de políticos nada confiáveis e fazer passeatas pra dizer que “é da paz” como se alguém, fora os bandidos, precisasse ir à rua dizer isso pras autoridades perceberem que é ela (a paz) que nós todos queremos, variando apenas o remédio que cada um acredita que possa traze-la.
    e eu continuo crendo que o melhor é tirar bandido das ruas e não fazer tudo pra devolve-los a elas, sejam eles menores ou maiores de idade.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento E se o brasileiro se acostumar com a paz? no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: