51% escravos

23 de dezembro de 2013 § 10 Comentários

a4

As pessoas fingem que não sabem disso, mas é só fingimento. Trata-se de uma lei da natureza. Diz o seguinte: todo dinheiro sob a guarda do Estado será objeto de roubalheira. A roubalheira será tanto maior quanto maior for a conta estatal.

A Previdência é a maior conta sob controle do Estado. Logo é na Previdência que se dá a maior roubalheira do Brasil.

Pode parecer curioso que o maior número de pessoas que finge duvidar dessa lei esteja entre as mais ilustradas. Nas hostes do povão não ha rigorosamente ninguém que alimente ilusões sobre mais esse “fato da vida“. Mas isso é perfeitamente natural. É que a esmagadora maioria dos ladrões do dinheiro que o Estado confisca está entre as pessoas ilustradas enquanto o povão, especialmente o lá de baixo, é que é sempre o mais roubado. Uns têm, portanto, “razões objetivas” para negar o óbvio enquanto os outros as têm de sobra para fazer o contrário.

a5

A Academia, originalmente sustentada pelo Estado, é quem cuida de elaborar e difundir aquela complicada argumentação que “justifica” esse tipo de esbulho. É um arranjo multicentenário, tratado desde os tempos em que se estabeleceu o consenso geral de que pelo menos o esbulho que se admitia como tal e era feito pela força bruta, a ponta de espada e em troca da vida, tinha de cessar. Passou a ser necessária uma justificativa mais elaborada para essa forma de parasitismo.

Durante algum tempo até a gente de boa fé acreditou nas novas justificativas elaboradas pela Academia. Mas os fatos se encarregaram de revelar a verdade em toda a sua nudez.

Assim, os poucos que se organizaram para tanto tomaram as providências possíveis. O resto segue enredado em armadilhas “legais” embora saiba que é disso que se trata. Construiu-se, até, um aparato multibilionário para vender, no mundo todo, a fuga dessas armadilhas. Mas só uns poucos podem pagar para usá-lo.

a5

O resto divide-se em duas categorias: há os que engolem a sua indignação em seco, na zona intermediária, e ha os que não reagem ao esbulho porque as migalhas do butim mantêm o seu nariz um dedo acima da linha do afogamento na miséria e, portanto, não se podem dar o luxo de fazer marolas.

Mas ninguém está seguro. Não haverá nunca remédio que cure definitivamente a doença. O homem tende para a exploração do homem com a mesma insidiosa persistência com que a água penetra nas frestas para vazar do que quer que tente contê-la.

Havendo uma teta ela será mamada”. É a inexorável lei da natureza. Só se controla essa praga, portanto, restringindo-lhe o habitat, ou seja, suprimindo-se as tetas.  É por isso que as democracias dignas dessa qualificação são aquelas que limitam ao máximo a quantidade de dinheiro sob a guarda do Estado e atribuem a quem suou para ganhá-lo a tarefa de cuidar de investir o seu próprio para o futuro e que as sociedades vivendo nessas democracias são as únicas que conquistaram a superação da miséria.

O resto são variações do mesmo tema…

a5

Esta semana O Globo levantou a pontinha do tapete debaixo do qual esconde-se a mãe de todas as roubalheiras do Brasil. Falou-se em R$ 78 bilhões de prejuízo apenas nas contas relativas às aposentadorias do funcionalismo estadual e municipal, mas a realidade é, certamente, muito maior que isso.

Os caminhos são os de costume neste país do sexo explícito onde Sherlock Holmes ficaria desempregado já que tudo é feito à vista de todos e não ha nada por descobrir; o que ha é só insuficiência de jornalistas para relatar as falcatruas todas.

O segmento examinado pelo repórter do Globo constitui-se de umas duas mil “entidades” que “administram” a poupança para a aposentadoria de cerca de 10 milhões de funcionários estaduais e municipais. E é o escracho de sempre: uns poucos bilhões são desviados para tapar os rombos nas contas desses governos e prefeituras (possivelmente abertos por outras formas de roubalheira), mas o grosso é diretamente embolsado pelos encarregados da guarda desse dinheiro mediante a “aplicação” do balúrdio em “fundos” e “bancos” fajutos, alguns enquanto sob intervenção do Banco Central, conhecidos dos políticos, do Ministério Público, da polícia e até do Supremo Tribunal Federal.

a5

No caso em questão apurou-se que os criminosos – “empresas” e indivíduos – são os mesmos que intermediaram o Mensalão.

A mesma quadrilha cujo “chefinho”, excepcionalmente preso na Papuda, teve o contrato social da sua empresa – a JD (de José Dirceu) Assessoria, que vende “acesso” aos cofres federais sob a guarda do “chefão” – alterado cinco vezes ultimamente, aí incluídos os registros que ela fez na mesma lavanderia internacional de dinheiro do crime organizado de Ciudad del Panamá em que estava registrado o hotel que tentou “contratá-lo” por R$ 20 mil por mês para que ele fizesse jus ao regime semi aberto de prisão e que, a partir dessas revelações, suspeita-se que possa pertencer a ele próprio, conforme revelou a edição de ontem do Estadão.

Mas – descontados esses chutes no estômago da Suprema Corte diante da Nação inerte que anunciam que o pior ainda está por vir, e logo! – as últimas revelações desses dois jornais ainda não passam de migalhas.

a5

Uma das provas mais contundentes da lassidão dos esfíncteres do brasileiro médio, acostumado ao estupro sistemático desde que nasce a ponto de não mais se aperceber das violências sofridas, é essa estatização não só da Previdência do funcionalismo mas de toda a poupança nacional, sem exceções.

No mundo inteiro o dinheiro que financia o desenvolvimento é o dinheiro que as pessoas poupam para se sustentar na velhice. Essa poupança de longo prazo busca naturalmente a segurança de rendimento que se espera dos grandes equipamentos infra estruturais de toda economia, base de sustentação de toda riqueza produzida.

Aqui, todo esse dinheiro é automática e diretamente confiscado pelo Estado. Aqueles que o produzem nunca chegam a por as mãos nele em momento algum de suas vidas. E, como estamos testemunhando neste preciso momento, nem um tostão dele se transforma em infraestrutura. Quando é necessário reformá-la para que não morra a galinha dos ovos de ouro, é mediante a contratação de dívidas que temos de faze-lo.

a5

Você já leu um milhão de matérias escritas para provar que o brasileiro é um perdulário que gasta tudo que produz e “não poupa nada” e que esta é a principal explicação para a nossa pobreza crônica. Mas isso é muito mais que meia mentira.

A verdade inteira é que este é o único país do mundo onde mais da metade do salário de cada trabalhador é diretamente apropriado pelo Estado, sem nunca passar pelas mãos de quem suou para ganhá-lo, com exceção da Cuba dos Castro e quejandos onde o regime é o que dona Dilma endossou recentemente quando “contratou” os “médicos” da Ilha pagando aos legítimos donos desses súditos mais de 80% do salário que lhes foi nominalmente atribuído.

Cada salário pago no Brasil custa outros 102% (na média) a quem o paga. Quem trabalhou por ele recebe apenas 49% da riqueza que produziu, portanto. O Estado brasileiro é, consequentemente, o sócio majoritário da mais valia de todo trabalhador deste país.

a5

Ainda que se desconte desse todo o que é desviado para tornar as aposentadorias públicas 36 vezes, em média, maiores que as privadas, o que volta dessas contribuições de toda uma vida ao seu legítimo proprietário é de monta a acarretar ao “administrador” de tal bolada mil anos de prisão até mesmo sob a esgarçada legislação brasileira, se fosse exigida dele a performance mínima que a lei exige de qualquer seguradora privada.

Trata-se de cotidiano assalto a mão armada que ocorre por cima dos outros assaltos a mão armada que se sofre nas ruas quase todos os dias. O maior de todos.

E, no entanto, ninguém já sequer o menciona neste “país sem pobreza”.

Os historiadores do futuro se lembrarão desse confisco como o prolongamento da escravidão de que fomos o último país do Ocidente a nos livrar. Ou melhor, a pensar que nos livramos pois continuamos 51% nas mãos dos mesmos feitores de sempre.

a5

Marcado:, , , , , , , , , , ,

§ 10 Respostas para 51% escravos

  • maritocobucci@uol.com.br disse:

    Fernão, há tempos não te vejo mas em compensação te leio e aprecio. Aliás, escola não lhe faltou!!. Cadastrei-me não só aos recebimentos, mas tbm a comentar seus lúcidos artigos, só não sabendo como fazê-lo, uma vez que não tenho “blog” e tudo mais eletrônicamente similar, exceto e mail, e olhe lá que já me é suficiente. Grato pelo cadastro, abs Marito Cobucci PS. Abraços no Ruyizito.

    Curtir

  • flm disse:

    ola, marito. obrigado pelo interesse. é preciso ao menos deixar registrado para a história que nem todos éramos imbecis ou cúmplices quando o Brasil estava debaixo do tacão dessa máfia.

    Curtir

  • Fernão belíssimo texto, eu sou funcionário público à dez anos, e já tinha outros 20 de contribuição previdenciária, eis que neste ano mudaram (aqui na minha cidade) para a tal previdência pública, não sei nem ao certo quando vou (se vou) me aposentar, de uma tacada já aumentaram mais dez anos de contribuição (faltava cinco segundo simulação no site do INSS), aqui no meu caso, foi aprovado por unanimidade pelos 17 “edis” dos quais não ajudei a escolher nenhum, sem explicações de como funcionaria a tal previdência, por parte do governo municipal.É assim que funciona no Brasil, muda-se as regras do jogo, jogando. Em tempo até que gostaria de poupar uma parte de meu salário para futuro seguro ou imprevistos, mas mal dá para passar o mês com o que ganho, se aperfeiçoar estudando nem pensar, lazer só gratuito, e assim vamos levando!

    Curtir

    • flm disse:

      pois é, honório. e no entanto se v tivesse posto esses 30 anos de contribuiçōes – o governo te tomou mais que um salario por mes ao longo de cada um deles – na poupança, que paga pouco, a sua velhice ia ser tranquila e folgada…
      nós nos deixamos roubar mansamente demais. honório. e tudo que é preciso pra que isso pare é que a gente queira, decididamente, que pare.
      desejo-lhe um feliz natal e um 2014 cheio de atitude!

      Curtir

  • sergiobiju disse:

    Bom Natal e prospero ano novo grande abraço Honorio Sergio

    Curtir

  • brazil “PAÍS SURREAL E UTÓPICO”

    Curtir

  • brasil : “PAÍS SURREAL E UTÓPICO”

    Curtir

  • brasil : “PAÍS SURREAL E UTÓPICO”

    Curtir

  • Recentemente uma caravana de ex-presidentes dirigiu-se ao funeral de Mandela alardeando sua vitória contra o apartheid social na África do Sul. Mas os jornais esqueceram de mencionar que nenhum dos nossos ‘ex’ se empenhou em acabar com o maior apartheid social que temos no país: o das diferenças nos direitos de aposentadoria entre o setor público e o privado. Eles fazem um discurso para a sociedade, mas governam para o estado. E quando contestados em seus ‘neorracismos’ simplesmente desaparecem no silêncio.

    Curtir

  • flm disse:

    bingo!
    disse tudo carlos!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento 51% escravos no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: