Democracia ao vivo

14 de junho de 2021 § 25 Comentários

Terça-feira passada, dia 8, esgotou-se o prazo para que os signatários do recall do governador democrata da Califórnia, Gavin Newsom, eleito em 2018 com 61,9% dos votos, convocado pela cidadã Orrin Heatlie, moradora do condado de Folson, se arrependessem e retirassem sua adesão ao processo.

O direito de recall do governador, dos deputados, de qualquer funcionário eleito e também dos juízes das cortes estaduais é garantido pelo artigo 2º da Constituição da Califórnia desde 1911 quando a Proposition 8, apresentada por iniciativa do povo daquele estado, foi aprovada em votação direta. Funcionários do Poder Executivo podem ser desafiados para recall com a apresentação de uma petição iniciada por qualquer cidadão com endosso de mais 64 eleitores e assinada pelo equivalente a 12% dos votos recebidos pelo funcionário visado na sua última eleição. Para deputados e juízes são requeridas assinaturas correspondentes e 20% dos votos recebidos (naquele estado os juízes também são diretamente eleitos e passam por eleições de re-confirmação a cada quatro anos).

A campanha contra Newsom tinha de conseguir 1.495.709 assinaturas e levantou 2.161.349. Dessas, 441.406 foram impugnadas e 1.719.943 foram validadas pelo Secretário de Estado, o funcionário encarregado de organizar todas as eleições, as do calendário ou as “especiais” como são as de recall convocadas a qualquer momento pelo povo ou as de reposição de representantes eleitos mortos ou demissionários antes do fim de seus mandatos, entre outras. 

A legitimidade da REPRESENTAÇÃO é a chave mestra da democracia. E sendo assim, qualquer alteração no quadro de representantes eleitos, na americana, só pode ser feita diretamente pelo povo e dentro do sistema de voto distrital puro, o único que permite saber exatamente quem representa quem no sistema. Cada representante só pode se candidatar pelos votos de um único distrito. Uma vez eleito representante daquela parcela do eleitorado (municipal, estadual ou federal), os eleitores daquele distrito permanecem donos do mandato temporariamente concedido a ele e podem retomá-lo a qualquer momento.

No caso de Newsom o Secretário de Estado tem até dia 22 de junho próximo para confirmar que as assinaturas restantes são suficientes e, a partir dessa data, 180 dias para marcar a votação, o que a coloca em outubro ou novembro próximos. Na cédula haverá duas perguntas: 1) Gavin Newson continua ou não no cargo? para a qual é requerida uma resposta majoritária (50% +1); 2) Quem deve sucedê-lo?, para cuja eleição não ha quorum, vence o candidato mais votado na lista que já aparecerá na mesma cédula. Até o início deste mês, 51 candidatos já tinham iniciado campanhas pela sucessão de Newsom.

Não é exigida nenhuma razão especial para um recall. Basta que os eleitores não se sintam bem representados. O texto da petição protocolada junto ao Secretário de Estado mas dirigido aos eleitores menciona a ausência das políticas de encaminhamento do problema agudo dos sem-teto no estado, tema da campanha eleitoral, e as politicas de racionamento de água e oferecimento de santuário a imigrantes ilegais adotadas pelo governador, entre outros. Mas foi o “tratamento autoritário” que ele deu à pandemia, que começou depois de protocolada a petição, que influiu decisivamente no desenvolvimento da coleta de assinaturas. A suspensão das aulas, que criou um enorme problema para as mães que trabalham fora de casa, os lockdowns e “deslizes” cometidos pelo governador como um flagrante num restaurante sem máscara depois de ter proibido a falta delas, entre outros, têm sido mencionados como fatores que aumentaram a animosidade contra ele.

Do lado dos opositores do recall a acusação é de que tudo não passa de uma tentativa reacionária dos partidários “do negacionismo” de Donald Trump. A tentativa é de “nacionalizar” a contenda e estigmatizar os oponentes. Já para os patrocinadores esse tipo de argumento é “cortina de fumaça”, o mero exercício do direito de recall, que Newsom subestimou, e a quantidade de assinaturas obtidas “já fizeram o governador abrandar seu tom autoritário e passar a dar aos californianos, com muito mais humildade, as satisfações que eles merecem”.

As ferramentas de democracia direta (recall, referendo, iniciativa, confirmação de juiz) são o que restou incólume da democracia americana depois que a Primeira Emenda deixou de valer para as redes sociais. Estou juntando, no pé do artigo, um link para um debate do recall de Newsom. Infelizmente não ha tradução mas vale para quem tem domínio do inglês e quiser assistir um pouco de democracia ao vivo. Ali se verá que a humanidade e suas paixões são as mesmas em toda a parte. Os argumentos, as falhas de caráter e as mentiras e quase verdades dos dois lados são idênticas às que você já conhece, ainda que proferidas em tom bem mais civilizado que as que se ouve na patética CPI da pandemia da qual o eleitorado brasileiro é mero espectador impotente.

A diferença entre a civilização e a barbárie, a humilhação ou a dignidade cívicas, a abundância ou a miséria econômica, está em quem tem o poder de decidir a parada.

Lá, por mais que a questão nacional esteja subjacente e o alvo visado tenha sido eleito ha apenas dois anos e meio por ampla maioria, isso não é da conta, nem dos partidos, nem dos representantes eleitos no Congresso Nacional, nem muito menos da Suprema Corte. E, claro, quem vive numa, não precisa gastar saliva arvorando-se em dono da democracia. Basta praticá-la. O mandato de Newsom não pertence a ele, é emprestado e, portanto, este é um assunto a ser resolvido entre o governador e os californianos, os que votaram e os que não votar nele na última eleição.

Qualquer que seja a decisão, ela será indiscutivelmente LEGÍTIMA, tanto quanto a que se tomar aqui, seja qual for, será indiscutivelmente ILEGÍTIMA.

Lá isto encerrará a discussão até que surja a próxima e, até lá, a paz será restabelecida. Aqui, engolir-se-á em seco e continuarão o chororô e o ranger de dentes, por todas aquelas razões que o ministro Barroso e os nossos “políticos” jejunos de democracia continuarão fazendo questão de não entender enquanto o povo não tiver o poder de demiti-los, e mais todas as outras que decorrem inevitavelmente dessa falsificação grosseira que é este sistema de força bruta e privilégios institucionalizados que faz o favelão nacional e a pilha de cadáveres da guerra em que ele vive mergulhado crescerem mais um pouco a cada dia, e que os brasileiros mais mal intencionados insistem em chamar de “estado democrático de direito”.

ASSISTA O DEBATE

Marcado:, , ,

§ 25 Respostas para Democracia ao vivo

  • Marcos Andrade Moraes disse:

    Muito bonitinho, mas não se consegue isso com milicianos, generais sem honra e jornalista invejoso…

    MAM.

    Curtir

  • Marcos Andrade Moraes disse:

    CPI patética? Patético é vc que votou nessa gente que arrasa a nação e aplaude ou vaia miliciano assassinado, conforme seus interesses no garimpo.

    MAM

    Curtir

  • BBacega disse:

    CPI patética, mas não só! Criminosa também, pois se vale do seu poder discricionário para esconder fatos, modificar versões oprimir depoentes. Com isto, faz valer a razia contra a Democracia, na tentativa de esconder os crimes dos seus próprios dirigentes. Então, PATÉTICA e CRIMINOSA

    Curtir

  • Extraordinária e eficaz representatividade!
    No Brasil, antes dessas possíveis ações democráticas, é necessário que seja restabelecida a Justiça.
    Bandidos presos e que não sejam soltos por outros bandidos.

    Curtir

  • rubirodrigues disse:

    Lindo de se ver. A democracia, por incrível que pareça, pode funcionar. Imaginem o que estaria acontecendo hoje em São Paulo com recall.

    Curtir

  • Francisco G Nóbrega disse:

    Fernão, a distorção da democracia nos EUA reside essencialmente no topo, onde as decisões no âmbito federal são pesadamente influenciadas pelo poder das mega corporações potenciadas pela crescente incapacidade de diálogo entre republicanos e democratas.

    Curtir

    • Flm disse:

      Foi o grande erro dos “fundadores”. Estavam inventando um sistema novo que temiam que pudesse resultar em uma ditadura da maioria. Por isso as ferramentas de DD não foram incluídas na constituição, embora esse debate tenha surgido na época e a DD viesse sendo praticada em muitas das cidades mais antigas da colônia desde o século 17. Um erro crasso, já que DD + voto distrital puro é a melhor garantia que existe para proteger minorias.
      Por conta disso não se consegue, até hoje, levar esse recurso para o campo federal, como acontece na Suíça. E esse é o ponto de apoio para transformar certos cortes da política lá em elites, alienadas em relação à “antenagem” a que as estaduais e municipais estão obrigadas, porque excessivamente protegidas da vontade do eleitor…

      Curtir

      • Difícil ver a homogeneidade suíça nos EUA ou num país como o Brasil.
        Nesses casos uma DD no nível federal não seria o melhor justamente por este motivo.
        A chamada ditadura da maioria deve ser evitada através da eleição de governos formados pelos mais preparados endossados por referendos.

        Curtir

  • Jackson Blecker disse:

    Recall Doria

    Curtir

  • rubirodrigues disse:

    O que é ditadura da maioria? Eu conheço democracia, na qual a maioria decide o que é melhor para todos. Ou não?

    Curtir

  • Flm disse:

    Sim, mas os direitos das minorias têm sempre de ser respeitados. A maioria não pode tudo…

    Curtir

    • JJNATALIN disse:

      QUEM TUDO PODE HOJE NAS TERRAS ESQUERDISTAS SÃO AS MINORIAS. E A MAIORIA TEM QUE ACEITAR QUE CALADA. É O QUE QUEREM. MAS NUNCA ME CALAREI.

      Curtir

      • Paulo Murano disse:

        Apenas imbecís, usurpradores autoritários atrasando educação e possibilidade de acesso a informações corretas, esteio ao desenvolvimento do país.

        Curtir

  • Marcelino Medeiros disse:

    a DEMOCRACIA dos Estados Unidos me deixa emocionado, de verdade! é muito lindo de assistir! Muito obrigado por nos lembrar COMO é uma DEMOCRACIA…

    Curtir

  • Herbert Sílvio Augusto Pinho Halbsgut disse:

    Fernão, a última fase de seu texto acima define bem o que é o Brasil.

    O voto distrital puro tem que ser conquistado o quanto antes.
    Quanto ao recall… acima está escrito que nebhuma razão especial para o recall. Basta que os eleitores não se sintam bem representados”. E por aqui nem representados somos… Com relação ao voto por escrito, basta que os eleitores não entendam o que acontece con seu voto
    Quanto ao recall… “nenhuma razão especiail para recall”.
    Para o voto p´or escrito, basta que os eleitores não se sintam seguros com o que vai na urna eletrônica, longe dos olhos e de sua compreensão. Voro em urna eletrônica somado ao comprovante por escrito para ser auditado manualmente, só assusta quem tem medinho da cerdade. o custo benefício é imennso e evita manipulações contra o eleitorado. Sabe-se lá o que vai do lado escuro da Lua…Um sistema confrontando o outro, porque não? Será que o eleitorado alemão é tolo e por issop não é usada a urna eletr^^onica na Alemanha? Não me importa o que pensa o Bolsonaro acerca dese assunto, que somente agora o incomoda tanto. A mim importa o que pensa,m os eleitores brasileiros e sua desconfiança quanto a eventual possibilidade de manipulação eletrõnica dos resultados. ser

    Curtir

    • Herbert Sílvio Augusto Pinho Halbsgut disse:

      P.S. Não estou conseguindo expandir o quadro reservado para dar opinião e muito menos corrigir os erros de digitação .Sou obrigado a escrever em uma linha após a outra sem a vidão total do texro. Sofri recentemente ataque de vírus em meu computador com a presença de dois do tipo TROYAN 1 e 2. Alô vespeiro, troquem suas senhas .

      Curtir

  • Valdir Pepe disse:

    Patética, não, não o é visto que inexiste!
    A Republica nasceu, e cresceu, firmou-se o Sistema de poder atual.
    Este amalgama singular, denominado atualmente de Democracia, nada mais é que a Colonia Cartorial cultivada por séculos reina soberana, e diuturnamente, sem um segundo sequer de desaceleração alimenta-se da ignorância do povo.
    Nada mais do que: Ópera Bufa Nacional repaginada e universalizada pela comunicação digital..

    Curtir

  • Paulo Murano disse:

    Eu, leitor esporádico, registro derradeiro comentário observando que nos cantos de cá do globo não parece haver estofo para vingar árvores da ética — após germinação devido a esforços de mentes e almas bem intencionadas morrem.

    Cá nesta terra tudo dá da terra. Miolos é outro assunto!

    Curtir

  • Gato disse:

    Paú Brasil, Paú Brasil, maravilhas mil…..

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Democracia ao vivo no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: