2022 é o duelo final

11 de junho de 2021 § 10 Comentários

Esta semana João Pereira Coutinho, o português que escreve na Folha nas terças-feiras e é das poucas coisas que ainda vale a pena ler na imprensa tradicional, brindou o público com “O Silêncio dos inocentes”, sobre a condição terminal da liberdade de expressão no Brasil e neste mundo da experiência histórica raleada pelo tsunami das redes sociais, onde lembra como “a intolerância perante a intolerância cavou a sua própria sepultura e fez com que os nazistas se tornassem célebres e chegassem finalmente ao poder”.

A Republica de Weimar proibia o discurso de ódio, para usar a expressão da moda, e vários nazistas famosos como Joseph Goebbels foram processados por proclamações anti-semitas (…) o jornal nazista Der Stürmer foi repetidamente confiscado e seu editor, Julius Streicher, foi duas vezes preso. Resultado? O Partido Nazista, um grupelho desprezível em inícios da década de 1920, foi ficando cada vez mais célebre por causa desses processos que (faziam com que seus membros) parecessem vitimas da perseguição política … e mártires da liberdade de expressão”.

Aos que acreditam que pela punição já do discurso livre será possível defender os direitos das minorias”, seguia Pereira Coutinho citando Free speech and why it maters, de Andrew Doyle, “basta lembrar a questão fatal: será que os direitos das minorias, hoje, são mais bem defendidos em países que restringem a liberdade de expressão? É melhor ser transexual nos Estados Unidos, onde existe a Primeira Emenda, ou no Irã e na Arábia Saudita?

Historicamente falando, foi a liberdade de expressão que deu visibilidade e legitimidade à luta pelos direitos das minorias”, lembrava. “O que não é possível nem legítimo é atribuir ao Estado a capacidade de suprimir certas ideias ou opiniões simplesmente porque alguém, algures, as considera repugnantes (…) Conferir a um governo uma espécie de política de gosto sobre o que pode ser dito ou escrito na arena pública parte sempre do pressuposto otimista de que as causas do momento serão eternas (…) Em 1936 o Partido Trabalhista britânico aprovou legislação para proibir as marchas fascistas de Oswald Mosley. Na década de 80, Margareth Tatcher usou a mesma legislação para prender os mineiros em greve”.

Fosse brasileiro ele poderia lembrar, como exemplo do percurso inverso, a Lei de Segurança Nacional criada pelos militares na década de 70 para prender comunistas e hoje usada pelos filo-comunistas brasileiros para prender anti-comunistas.

Moral da história? Defender a liberdade de expressão é, antes de tudo, impedir que as melhores intenções abram a porta aos piores intencionados”.

O horizonte de Joao Pereira Coutinho, preservado por um oceano de distância da doença brasileira é, como vimos, a História. Mas para os “piores intencionados” brasileiros é a “tomada do poder” amanhã ou nunca mais, e é isto que faz com que a primeira sensação de lufada de ar puro que tive da leitura de “O silêncio dos inocentes” fosse aos poucos convertendo-se em mero deleite com um devaneio poético.

Foi a alta classe média meritocrática que foi às ruas em 2013 e derrubou o PT do poder em ação extrema de legítima defesa. Com atraso como em tudo, foi essa a “Primavera Brasileira”, aparentada à “Primavera Árabe”: uma criatura da internet e da euforia que aquela rede do passado, ainda sem censura, provocou na primeira parcela da população que se integrou completamente nela, escapou ao ambiente político controlado pela privilegiatura e sua imprensa e tomou consciência da força que tem.

Passados 7 anos, com a alta desmobilizada pelo desemprego e pela desilusão, aí está a baixa classe média meritocrática, a dos donos de botequins, cabeleireiras e manicures, a das costureiras e fazedoras de bolos, a dos donos de restaurantes e de lojinhas, a dos pequenos sitiantes; aí está o Brasil do pequeno empreendedor que conseguiu o feito épico de alçar o pescoço acima do lúmpen num país tão avesso ao merecimento, enfim, afrontado pelo “fique em casa” em que insiste mariantonietamente a privilegiatura sem patrão em sua olímpica alienação. É esse “Que comam bolos!”, cada vez mais gritado e truculento do Basil Fake que esbofeteia a cara dos sem-casa do favelão nacional e os joga no colo de Jair Bolsonaro, que é o que ele tem para hoje.

O Brasil Real só prevalecerá, no entanto, sobre o da privilegiatura e sua imprensa na justa proporção de sua importância numérica se e quando se auto-identificar como tal e, assim, passar a ter, no seu imaginário coletivo, para quem reivindicar o justo lugar na ordem institucional. Hoje, afogado na miséria e na luta para sobreviver até amanhã, esse Brasil disperso e inarticulado, não tem, nem o tempo, nem a ilustração, que lhe é deliberadamente negada na escola e na mídia, que se requer para apurar uma consciência unificada de si mesmo. E como também ele descobriu a rede, é de censurar a rede que se trata agora.

O Brasil Fake sabe que tem as horas contadas. Os “piores intencionados” já sentiram suficientemente que insuflar ódios de raça e de gênero e outros luxos importados não vai levá-los muito mais longe do que já foram no pais mais miscigenado, mais libertino e mais carente de liberdades básicas do planeta. E essa truculência da CPI da pandemia e do STF dos “inquéritos” sobre o nada e das anulações monocráticas de tudo cada vez mais fora do armário; essa pancadaria vai se deter antes ou só depois de declarar “inconstitucional” votar em quem quer que não seja eles próprios?

Não duvido nada que acabe mal porque a alternativa, eles bem sabem, é entrar, finalmente, no século 19 de que o Brasil foi excluído, e entregar os dedos junto com os anéis para por um fim final à longa noite dos privilégios hereditários. E esta eles simplesmente não admitem.

O álibi de Bolsonaro

8 de junho de 2021 § 23 Comentários

Mayra Pinheiro, como Pazuello também já tinha feito, deu baile nos senadores. Luana Araujo não precisou: as “excelências” é que tiraram-na para dançar. Não comungam daquela máxima de que democrata é quem continua a acreditar em democracia mesmo quando ouve o que não gosta. Conforme o interlocutor voltam a ser só os jagunços de sempre, brandindo seus chicotes e seus facões, apesar dos cabelos e das unhas “feitos” e dos ternos Armani…

Com Manaus dada como caso encerrado posto que está claro que foi sufocada pela ladroagem local dos íntimos da “chefia”, a compra da Coronavac pelo governo federal esgotada, a da Pfizer tendo dado o que tinha que dar e a bula por decreto que não houve definitivamente não tendo havido, tudo que sobrou para ela foi o imorrível “cloroquina ou não cloroquina”…

Mas isso não tira a pertinência do que Luana Araujo disse à CPI. Ela, que só conhecia Marcelo Queiroga por reputação, soube logo que ele virou ministro que queria criar uma secretaria de combate à pandemia mas foi tomada de surpresa ao ser sondada para o cargo. “Não teve padrinhos”. Acha que ele chegou ao seu nome examinando listas de brasileiros prestando consultorias a organismos internacionais de saude, “ou sei lá“. Teve, então, uma ou duas entrevistas com o ministro, “de profissional para profissional”, em que este logo lhe disse que seu nome não seria aprovado na instância política e seguiu adiante.

A pergunta que decorre de tão singelo relato, para qualquer pessoa normal, é: E DAÍ? Quem foi nomeada, afinal, entre tantos outros nomes eventualmente plotados e sondados – a dra. Mayra Pinheiro que depusera dias antes – é de alguma forma inferior a Luana em formação, titularidade e referências? Essa diferença é suficiente para “criminalizar” a não confirmação da opção Luana, segundo ela própria, contemplada por razões meramente fortuitas? O desempenho de Mayra no cargo gerou algum tipo de desastre? 

Sobre autonomia dos médicos disse Luana que, conquanto imprescindível, posto que o que salva um paciente pode matar o outro, ela “não é um cheque em branco”; dá-se considerada a “construção do conhecimento” que, no caso da cloroquina, era um no início e outro no presente momento da pandemia. Por tudo quanto consigo destrinchar do som e da fúria do histérico “noticiário” tupi sobre a pandemia, tendo a concordar que já ha razões bastantes, hoje, para se “abandonar a esperança nos benefícios da cloroquina” (uso as palavras dela). Mas mesmo que não houvesse mais nenhuma controvérsia a respeito, em que momento exato deste ano e meio de pandemia o “conhecimento construído” chegou a um volume que justificasse passar a chamar de “crime de lesa humanidade” qualquer menção da possibilidade dessa droga servir para alguma coisa em relação à covid?

É muito barulho por nada”, repetiu várias vezes a Luana que, para certo publico, tornou-se a musa do único “reality show” comparado pela mídia engajada ao BBB da Globo, ao qual tudo que restou … é fazer barulho em torno desse nada.

Se esse show teve algum benefício foi mostrar que o que a elite do funcionalismo representada por ela, por Mayra Pinheiro e até por Eduardo Pazuello têm em comum é que, como comprovaram seus depoimentos, todos põem o Brasil e o enfrentamento da pandemia acima até da bazófia do “patrão” Bolsonaro, ao contrário do que fazem a imprensa, o STF e a nata da CPI encarnada pela dupla Renan e Omar, síntese da ignorância covarde e cafajeste que distinguiu quase todos os “nobres senadores” dos seus interrogados até aqui. E isto porque o foco declarado dessa histeria não é, nem o Brasil Real, nem a doença que o aflige, é apenas e tão somente retomar o poder para a esquerda da privilegiatura.

Como convém aos dois “lados”, ficou mais uma vez de fora o único debate que interessa ao Brasil: o que foi, afinal, que bloqueou o “fique em casa”, a falsa confiança na cloroquina sibilinamente instilada nos ouvidos de um povo naturalmente propenso ao suicídio por um Jair Bolsonaro cheio de “intenções assassinas”, como dirá o relatório final da CPI pronto desde antes dela começar, ou o apertamento insalubre do favelão nacional e a insegurança econômica extrema em que vivem seus habitantes, ambas criaturas diretas do comportamento que levou os juizes desta CPI e tantos de seus comparsas nos mesmos crimes até a porta da cadeia antes que os monocratas do STF, empanturrados de lagostas, as trancassem definitivamente com todos os ladrões da republica para fora.

É pelo sucesso em censurar mais uma vez esse debate que o presidente-sindicalista de fardados, que só nos rouba com a lei, poderá apresentar-se ao eleitorado em 2022 com o álibi que, para não se trair, a esquerda lhe garante: o de candidato que tem de pior contra si apenas acreditar na cloroquina por oposição à alternativa, o presidente-sindicalista de paisanos, “o maior assaltante de todos os tempos” na definição do Banco Mundial, que nos rouba também contra a lei.

Só que não roubar contra a lei, neste país sem polícia, é uma opção de cunho moral ou religioso, quando não apenas uma tática eleitoral. Nada tem a ver com democracia. O PT também vendia o “monopólio da ética na política” até instalar-se solidamente no poder, primeiro com o “Lulinha Paz e Amor” pra não doer muito…

Assim, tudo bem que você eleja um para livrar-se do outro como quimioterapia. Mas nenhum dos dois altera o contrato leonino povo x governo vigente no Brasil. Ambos são nascidos e criados no Brasil Fake, da privilegiatura, que vive de explorar o Brasil Real, e se você perder a consciência disso estará a entregar-se ao inimigo feito um otário e a servir à conspiração para levar mais uma rodada do jogo mantendo fora do radar da massa dos eleitores aquilo que condena o Brasil a essa miséria medieval. A saber: o assalto sistemático, diuturno e continuado à mão armada de leis que automatizam a roubalheira dos muitos pelos poucos, que ambos os “lados” da privilegiatura trabalham unidos para que não seja interrompido jamais.

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com CPI da pandemia em VESPEIRO.

%d blogueiros gostam disto: