É bife ou não é?

21 de abril de 2018 § 9 Comentários

O Impossible Burger,  primeiro produto do gênero a ser vendido em grande escala numa grande rede de fast food americana, a White Castle que começou a oferece-los nas suas 140 lojas de Nova York, New Jersey e Chicago esta semana, não contém carne mas tem o gosto, cheira e sangra como a coisa verdadeira.

Qual é o ingrediente secreto?

Neurociência.

Nada a ver com os hamburgueres vegetarianos que andam por aí ha tempos. Essa mistura de trigo, óleo de coco, batata e um composto vegetal que contém muito ferro nunca chegaria ao que chegou não fosse o intrincado processo de alta tecnologia que permitiu à Impossible Burguer “enganar o cérebro humano”, por assim dizer, para fazer tudo nessa massa “soar” como carne para cada um dos nossos sentidos (veja como no video).

Mas essa ainda não é a grande revolução.

O que vai mudar o mundo mais uma vez – e com todas as alegrias e tristezas que mudanças desse calibre trazem – são as carnes cultivadas em bioreatores a partir de células-tronco de fibras musculares e de gordura mergulhadas em caldos de nutrientes. Os hambúrgueres que “crescem” assim já existem. O gosto ainda é um problema porque não é fácil reproduzir tudo que um organismo vivo consome e processa para produzir as carnes que conhecemos, mas Sillicon Valley jura que acabará chegando lá (startups israelenses e européias também disputam a ponta nessa corrida).

Em 2013 desenvolver 1 quilo dessa carne custava 2,5 milhões de dólares. Desde então esse custo caiu 99% mas ainda é muito mais alto que o da carne animal. O gargalo é um ingrediente essencial: o soro fetal bovino extraído dos fetos ainda dentro das vacas prenhes. É isso que desencadeia a reprodução out ou in vitro das células. Controlar a mistura certa de carne e gordura ao longo desse processo também não é simples, mas a “carne limpa” definitivamente vem aí e é pra já.

2020 é o ano de consenso para ela ultrapassar a faixa da viabilidade comercial. Será também o ano que marcará o início do fim final da cultura boiadeira/cauboy, com todos os dramas implicados, e o início da devolução de vastas porções de terra roubadas à natureza para a criação de gado e do grande tsunami econômico que tudo isso vai provocar.

Então, para além da alegria de vermos os 2ésleys quebrarem a cara e a lavanderia gigante do PT minguar, teremos de amargar a culpa por termos destruído florestas que tecnologia nenhuma será capaz de replicar que vieram da eternidade até aqui incólumes, às vésperas disso se confirmar como um desperdício ainda mais insano e sem sentido do que já parece hoje.

Matéria condensada da Quartz 

 

 

§ 9 Respostas para É bife ou não é?

  • eva wongtschowski disse:

    Mas ainda assim lá está o boi!!!! O soro fetal bovino. Mas o interessante é que o tema da nossa política está cansando um bocado. Vamos falar de outra coisa enquanto a política, essa que esta aí, seja dizimda. Que cresçam as árvores e definhem os políticos desavisados da chegada da nova ordem. Amém

    Curtir

  • Saulo Mundim Lenza disse:

    Ótimo texto Fernão. Fica a esperança de que, nem tudo está perdido.
    Recuperar pelo menos parte do que foi devastado para se formar pastagens, já é um grande avanço. Quanto aos políticos que se deixam corromper, a Lava Jato já “cuidando” deles.

    Curtir

  • Thereza Muniz disse:

    Que tristeza

    Enviado do Yahoo Mail no Android

    Curtir

  • Arlete Itagyba Garzon disse:

    Excelente matéria. Como todas feitas por vc Fernão

    Curtir

  • Marcos Andrade Moraes disse:

    LEU AS FALHAS DA DEMOCRACIA NO ALIÁS do dia 15? Achei assustador…MAM

    Curtir

  • Ronaldo Sheldon disse:

    Muito bom. A tecnologia está mudando o mundo. Enquanto uma indústria entra em declínio outra a substitui, mais limpa, com menor impacto ambiental. Ainda bem que este setor não é dos que mais emprega. Já no caso do petróleo a coisa é diferente, mas a mudança também é saudável para o meio ambiente. O difícil é nos adaptarmos a tantas evoluções em curto espaço de tempo. Entramos num impasse, sem saber que direção seguir. Perdemos as referências que, até aqui, nos deram segurança.

    Curtir

  • “2020 é o ano do consenso…”. O filme no Brasil foi lançado como “No mundo de 2020” ou “Soylent Green” no original. E acho que passaremos por esse tempo antes do futuro que tu desenhastes no texto: Nós iremos comer o “impossible”, ou seja, o Soylent Red, enquanto o campo ainda estará produzindo picanhas, alcatras e filés para a casta superior de que tanto tu falas aqui no blog. Creio que esse futuro ainda está bastante longe, até porque grande parte vastas extensões de terra são para a produção de soja, matéria prima essencial para a produção de ração para os mais diversos animais, bovinos, suínos, aves, peixes, entre outros…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento É bife ou não é? no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: