Em busca da vaca anaerofágica, ou, Eu não disse que eles não eram sérios?

5 de junho de 2012 § 4 Comentários

De uma olhada na postagem anterior.

Foi só eu falar e a prova veio a cavalo.

Não, não é uma alusão ao cavalinho do símbolo de O Estado de S. Paulo que publicou esta pérola. Com pouquíssimas exceções condenadas aos guetos, a imprensa inteira se põe de quatro e passa a ruminar assim que alguém pronuncia as palavras mágicas “aquecimento global”. E não é só no Brasil.

Eu sei de fonte segura que aqui e ali, dentro das redações que hoje só contratam corredores de revezamento, ainda há um ou outro sujeito que raciocina. Mas, em geral, estão disfarçados. Não têm fome de capim mas se atiram ao assoalho sobre os dianteiros e imitam os demais por medo de perder o emprego porque, com esse negócio de religião, sempre foi um perigo mexer.

O fato é que ha uma má consciência geral e a humanidade em peso acha secretamente que está merecendo o fogo do inferno. E havendo demanda…

Os cientistas e os funcionários desse tipo de banco dispensado de fazer dinheiro, como este senhor Walter Vergara, chefe da Divisão de Mudanças Climáticas e Sustentabilidade do Banco Mundial (BID) que falou ao Estado, pelo menos são pagos para apresentar o seu numero.

Os jornalistas nem isso. Stulticia gratia stulticia. Menos mal…

A brincadeira que proponho é assim: em azul, sublinho frases do jornal e de seu entrevistado; (em vermelho) faço os meus comentários ao trecho. E você decide se eu tenho ou não tenho razão.

Segue então a integra das perguntas e respostas publicadas pelo Estado, escoimadas do “nariz de cera” que esse jornal ainda insiste em querer nos fazer engolir, repetindo nos primeiros quatro ou cinco parágrafos de qualquer entrevista que publica tudo que o entrevistado em pessoa vai dizer nos quatro ou cinco parágrafos seguintes. (Eles ainda hão de conseguir se curar dessa gagueira…)

Cabe registrar, antes de começar, que a Comissão Econômica da América Latina e do CaribeCepal, e o World Wildlife FundWWF, também endossaram o relatório aqui comentado que será apresentado nesta terça-feira, 5, em Washington e no dia 20 na Rio+20, no Rio de Janeiro.

Mas, mesmo assim, o pulso (do meu cérebro) ainda pulsa.

Vamos lá?

Custo do aquecimento global na

América Latina é de US$ 100 bi ao ano, diz BID

Fernanda Bassette – O Estado de S. Paulo

1 – O relatório aponta as perdas de US$ 100 bilhões por ano. De que forma chegaram a essa conclusão?

O relatório fez uma avaliação da literatura científica que identificou os diferentes impactos físicos. E conseguimos também na literatura fazer uma relação entre os impactos físicos e custos associados.. Para alguns impactos conseguimos as informações na literatura, para outros nós fizemos os cálculos. A novidade do estudo consiste em que pela primeira vez temos feito um cálculo de muitos impactos físicos, utilizando uma metodologia similar e colocando os custos financeiros em uma moeda que possa ser comparativo. Os custos foram calculados para dólares. Em resumo, fizemos uma avaliação de todo impacto físico com base na literatura e colocamos tudo em uma forma que fosse compatível para toda região.

2 – Quanto tempo demorou o levantamento?

Não demorou muito. O relatório começou a ser feito em dezembro de 2011 e conseguimos finalizá-lo agora, no início de junho.

(Repararam no detalhe? O tal “estudo” do banco consistiu em compilar a lista de ameaças constante “na literatura existente” sobre aquilo que continua sendo apenas uma hiper controvertida hipótese a ser confirmada daqui a 100 anos, e calcular todos os valores aventados nessa “literatura” em dólares pra que todo mundo possa fazer a sua própria conversão.

Agora, pense um minuto: que banco, senão um que não tenha de se preocupar em sobreviver num mercado competitivo, poderia se dar o luxo de manter, desde já, uma divisão inteira “de Mudanças Climáticas e Sustentabilidade” que talvez, e apenas talvez, venham a ocorrer daqui a 100 anos? E como justificar tal emprego e mais os dos autores da tal “literatura” senão, como este chefe de divisão que O Estado entrevista, fazendo acreditar a qualquer custo que tal hipótese de fato se realizará?)



3 – Os dados serão apresentados na Rio+20?

Sim, será apresentado no dia 20 de junho na Rio+20, num evento especial no Hotel Barra Windsor, às 9h.

4 – O relatório aponta que os investimentos em adaptação significariam 10% dos prejuízos de US$ 100 bilhões ao ano. Que tipo de ações seriam necessárias para reduzir os impactos ambientais?

Depende dos impactos. Por exemplo: o derretimento dos glaciares, nos Andes, trazem um prejuízo financeiro muito alto para as populações locais. Mas o derretimento pode ser compensado com algumas ações de adaptação para conservar a retenção da água no solo, nas montanhas, e também a construção de reservatórios de altura para aumentar a capacidade de armazenamento dessa água. No Brasil, temos um problema muito grave que é a perda de capacidade dos reservatórios hidroelétricos.

(Mas apesar da pertinente ressalva, o sr. Vergara já sabe que, sejam quais forem os impactos de daqui a 100 anos, as “adaptações” para preveni-los desde já importarão em apenas 10% do total dos prejuízos que haveria se a hipótese se confirmasse um dia…)


5 – O estudo inclui uma avaliação dessa perda, e haverá uma perda da capacidade de geração de eletricidade. O que pode ser feito?

Se você não faz adaptação, os impactos físicos vão repercutir num prejuízo de disponibilidade de energia elétrica no Brasil. Nesse caso, uma medida de adaptação muito simples é trabalhar em bacias altas, acima dos reservatórios, fazer reflorestamento, conservar os bosques nessas áreas para que eles consigam reter a água e diminuir o impacto físico da perda de energia firme. Se você consegue conservar os bosques e reflorestar nas partes altas, você consegue diminuir a velocidade de escoamento das águas. Quando chove muito forte a água vai transbordar, não vai ter capacidade de armazenamento adequada, e com a conservação dos bosques você consegue diminuir o escoamento e armazenar no solo. Isso aumenta a capacidade dos reservatórios de manter a água para geração de eletricidade. Com a mudança climática, tem chuvas muito intensas. Essa água escorre e chega no mar rapidamente.

(Não vamos nos deter nos pormenores porque apenas os absurdos e contradições contidas nesta resposta dariam para encher toda a memória que me resta no WordPress. Fiquemos só com essa “adaptação muito simples” que requer, além, é claro, do principal de que nunca se fala que é prescindir de alguns pares de bilhões de seres humanos que disputam esse espaço para plantar sua ração, substituir-se à natureza e “plantar e manter bosques” nas áreas onde eles mais fazem falta como, por exemplo, o semi-árido nordestino, que já levava esse nome, não por acaso, alguns séculos antes do BID ou da primeira industria no Brasil existirem…)

6 – Esse tipo de ação é suficiente para diminuir o impacto do aquecimento?

O aquecimento vai acontecer. O que você precisa é se adaptar com medidas de ação para diminuir o impacto físico. Tem outras medidas de adaptação que talvez sejam mais fáceis de discutir. O aumento do nível do mar, por exemplo, vai ter um impacto em toda a costa do Brasil e da América Latina porque vai atingir cidades costeiras e estradas que ficam ao lado do mar. Muitas áreas poderão ser inundadas. O que fazer? São duas opções: você pode planejar a longo prazo e fazer novas obras de infraestrutura terra adentro, mais longe do mar. É uma medida de adaptação que vai prevenir prejuízos futuros.

Mas você pode dizer que não pode mudar uma cidade, nem mudar o local de uma rodovia. Outra medida seria construir uma defesa física para que essas cidades ou essas rodovias não sejam afetadas pelo aumento do nível do mar.

(“O aquecimento vai acontecer” ou o departamento que chefio no banco teria de desaparecer, deveria ter completado o sr. Vergara. E faltou lembrar  também que, na feliz hipótese disso tudo vir a acontecer, “vai acontecer” num montante de 2 graus a mais na média da temperatura do planeta e daqui a 100 anos. As providências “simples” que ele recomenda, contudo, devem começar a ser tomadas já…)

7 – Que tipo de defesa física, por exemplo?

Bom, a rodovia poderia ser levantada. Ficar mais alta. A cidade é muito mais complexo e vai precisar de defesas físicas como está acontecendo na Holanda, por exemplo, onde temos barreiras de contenção para impedir a entrada do mar na cidade. Isso possivelmente vai ser necessário por aqui.

(A Holanda, não custa lembrar, passou a existir com o tamanho que tem hoje porque roubou certas baias ao mar que sempre esteve onde está hoje, muito antes de haver qualquer “emissão de carbono” a custa de queima de petróleo ou qualquer outro “culpado” pelo aquecimento futuro definido “na literatura” em cuja infalibilidade o sr. Vergara acredita tão literalmente quanto um carismático acredita na Bíblia ou um fundamentalista islâmico acredita no Corão.)

8 – Se a América Latina e o Caribe contribuem só com 11% das emissões, por que são regiões tão vulneráveis?

Porque o aquecimento é um fenômeno global. Se um país produz muitas emissões, essas emissões vão afetar todo o planeta, não importa se estamos no Brasil ou no Vietnã.

9 – Quais são os principais prejuízos para esses países?

Um bom exemplo é a produção agrícola na América Tropical, Brasil, Bolívia, norte da Argentina. Todos eles vão sofrer com o aquecimento porque por um lado as condições climáticas mudam e a lavoura agrícola terá de se adaptar. Naquela área onde era possível plantar soja, por exemplo, terá de mudar e encontrar sementes que consigam se acomodar às mudanças de temperatura e umidade que vão ser resultado das novas condições climáticas.

(Nas respostas às perguntas 8 e 9 subjaz o ponto enfatizado na postagem anterior: a culpa não é nossa, é dos ricos que “emitem” muito mais. Nós somos só as vítimas que vamos pagar com a fome pela ganância deles. Um “eles” dentro do qual, diga-se de passagem, incluem-se também e principalmente os plantadores de soja e quejandos do pérfido “agronegócio”…)  

Os prejuízos são muitos e o relatório aponta essa queda de produção agrícola, queda da produção de energia elétrica, inundação das áreas costeiras, branqueamento dos corais, o derretimento dos glaciais. Muitos impactos físicos.

(E embora o desastre ainda esteja por acontecer, na melhor hipótese ao fim de 100 anos como diz a primeira frase da resposta à pergunta 6, os prejuízos já estão todos presentíssimos…

Felizmente para todos nós e especialmente para o sr. Vergara, o BID está aí vigilante, com todo o seu departamento gastando preventivamente no presente para garantir que pareça sempre iminente o possível desastre futuro.)

10 – Em quanto tempo acredita-se que haverá esse aumento do nível do mar?

A literatura científica conclui que nesse século o nível do mar pode aumentar mais de um metro, quase dois metros. Essa é a literatura mais recente. Então, quando vai acontecer ninguém sabe, mas nós esperamos o aumento de um metro ainda neste século.

(Assim como a Terra já esteve no centro do Universo e O Profeta reencarnará, e morte a quem discordar…)

11 – Em quanto tempo o senhor acha que esse investimento deveria ser feito para reduzir os danos?

A minha sugestão é que esses investimentos em adaptação tem de ser feitos o mais cedo possível porque o processo de adaptação toma muito tempo. Imagine um país como a Guiana, em que a capital está um pouco abaixo do nível do mar. Imagine que o nível do mar vai aumentar e se as pessoas que moram na área costeira desse país não se prepararem com antecipação, vão sofrer muito com as consequências. Os países têm de iniciar os processos de adaptação agora mesmo. Já. Ontem. Precisam planejar com muito tempo e identificar quais são as ações mais efetivas para reduzir os danos da mudança climática.

(É nada menos que comovente a pressa do sr. Vergara em salvar as nossas almas…)

12 – Mas esses países são mais pobres, estão em desenvolvimento. Como adequar esse tipo de investimento à realidade de cada país?

Os países da América do Sul e da América Latina em geral são países que têm muitas prioridades de investimento em saúde, educação, habitação, todas as coisas essenciais para o desenvolvimento. Esses países tem muitas necessidades nessas áreas. Os prejuízos da mudança climática serão uma demanda adicional para os poucos recursos financeiros que esses países têm hoje. Por isso esse é um desafio muito importante para o desenvolvimento futuro. Como colocar o dinheiro que tem muitos usos básicos nessas ações, o que podemos fazer? Eu não sei a resposta para essa questão, mas o que eu posso dizer é que sem o processo de adaptação os prejuízos serão ainda maiores.

Uma coisa muito importante para evitar prejuízos ainda maiores ao planeta como um todo é reduzir as emissões rapidamente. O relatório faz um cálculo dos custos financeiros associados à diminuição rápida de emissões na América Latina. E a gente calcula que será necessário investir outros US$ 110 bilhões por ano para reduzir as emissões da América Latina do estágio de hoje para 2 toneladas per capita para o ano 2050. O cálculo que a gente fez é a única forma para ter uma chance de manter a temperatura para não mais de 2º para cima da temperatura normal. Para que o planeta não se esquente (sic) mais do que 2º neste século. Para fazer esse esforço, para reduzir as emissões, a gente fez o cálculo e os países da América Latina teriam de investir US$ 110 bilhões ao ano – coincidentemente a mesma figura do prejuízo estimado, de ao redor de US$ 100 bilhões ao ano.

(Sentiram firmeza na precisão? Pois é…

É caro mas, fazêuquê?

E, claro, nem uma palavra sobre a causa de tudo, que é a superpopulação e sua consequência mais direta, mais triste e mais ameaçadora que é a redução da diversidade biológica. Muito menos criar no BID um Departamento de Educação para o Planejamento Familiar ou coisa parecida. Isso desconcentra o investimento e dificulta as mordidas nesse bolo. De modo que façam filhos que depois a gente vê…

Pra ficarmos só no folclore, enfim, o resumo é o seguinte: vamos continuar enchendo o mundo de vacas pra essa gente toda poder comer, mas vamos tratar de impedi-las de peidar.)

Marcado:, , , , , , , , , , , , , , , , , ,

§ 4 Respostas para Em busca da vaca anaerofágica, ou, Eu não disse que eles não eram sérios?

  • alberto mattos de faria disse:

    Ótimo, isso tudo me parece uma jogada comercial de muita $$$ !!! ” se existem as florestas é porque chove, se não chovece, não existiriam as florestas ” !!! Óbvio não !!!

    Curtir

  • Ronaldo disse:

    Pensei muito, começou a cheirar mal o ambiente, mas tenho a solução: transformar o Luftal em Genérico e exigir que os criadores de gado, porcos e galinhas o utilizem continuamente. O controle fica por conta do Ministério da Agricultura, assim como na febre aftosa. O BID abriria uma linha de crédito subsidiada pelos países mais ricos e mais culpados neste processo. O Serra, como especialista em Genéricos, assumiria uma cadeira no Bid para tocar este processo, melhorando a imagem do Brasil na comunidade internacional.

    Curtir

    • flm disse:

      perfeito, ronaldo!
      voce ja poderia se candidatar a chefiar o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas.
      em prol dessa candidatura estou até alterando o título do artigo.

      Curtir

  • jose carlos mello disse:

    devem considerar nos cálculos as terras ferteis e pastagens que poderão surgir no canada, finlandia,groelandia… quando os noticiários anunciam alguma catastrofe ambiental lembram que última vez que isso ocorreu foi há 100,200 anos ou mais. afinal, o fenômeno é novo ou velho.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Em busca da vaca anaerofágica, ou, Eu não disse que eles não eram sérios? no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: