Como a China é governada

23 de março de 2012 § Deixe um comentário

A harmonia no Comitê Central durou até começar a corrida pela sucessão

Tradução do original The threat to the post-Mao consensus, de David Pilling, escrito para o Financial Times

O último imperador da China foi Mao Tsetung. Uma das maiores conquistas de Deng Xiaoping depois da morte de Mao foi conseguir livrar o sistema da figura de um chefe todo poderoso, da figura carismática em torno da qual tudo girava. O Mandato Divino morreu em 1976 e esta é uma das principais razões pelas quais os sistemas políticos pré e pós maoísta não tem quase nada em comum a não ser o fato de ambos se dizerem comunistas.

Deng, o arquiteto das reformas e da abertura chinesas, era poderoso, sem duvida, mas de um modo menos quixotesco que Mao. E ele era tão cioso dos perigos do culto à personalidade que nunca admitiu que fossem exibidos retratos ou bustos com a sua efígie.

Jiang Zemin, que emergiu como sucessor de Deng no início dos anos 90, tinha menos poder que ele. E o atual líder, o robótico Hu Jintao, é mais fraco que os dois. O expurgo do carisma como elemento constitutivo do poder na China estava consumado.

Até que Bo Xilai aparecesse em cena…

A China pós-Mao é governada por um coletivo para o qual ingressa-se pelo mérito, e que decide tudo por consenso. Esse consenso é negociado entre os titulares do Comitê de nove membros que é a mais alta instância de poder e paira acima do Politburo de 25 membros do qual Bo Xilai ainda faz parte. Por baixo dessa estrutura estão o Partido, o Exército de Libertação Popular e vários outros braços da burocracia comunista.

Até a opinião pública tem o seu lugar nessa estrutura de poder. A  cúpula do Partido Comunista é muito sensível às críticas que, hoje em dia, são veiculadas principalmente no ciberespaço, sejam elas relativas à corrupção, à poluição, à incompetência ou à desigualdade. Às vezes o partido esmaga as dissidências, especialmente quando tendem a desafiar a sua própria legitimidade. Mas outras vezes – como na revolta contra a instalação de uma indústria petroquímica em Dalian ou no episódio do desastre de trem em Wenzhou – ele pode ser surpreendentemente reativo à indignação popular.

A estrutura do moderno Estado chinês é bem parecida com a burocracia do antigo sistema imperial que era regulada por um sistema meritocrático de exames periódicos. Na versão atual, os quadros do partido lutam anos, quando não décadas, para chegar às posições mais altas, tendo de passar pelas mais desafiadoras funções administrativas e políticas.

Wang Yang (rival de Bo Xilai na disputa por um lugar no Comitê Central), que começou sua carreira numa fábrica de processamento de alimentos, conseguiu entrar para a Juventude Comunista, passou depois para o bureau de esportes da província de Anhui e foi subindo na estrutura local do partido. Hoje, depois de várias posições e experiências diferentes, tornou-se secretário da seção de Guangdong do PCC e está apto a concorrer por uma cadeira do Comitê Central.

Um sistema desse rigor é capaz de produzir líderes de grande competência, do tipo destes que, apesar de todos os seus erros, conseguiram levar a economia chinesa a um crescimento espetacular ao longo de 30 anos. Mas esse sistema tecnocrático de consenso está agora sob pressão. E as ameaças partem tanto de fora quanto de dentro do partido.

Bo Xilai, que até a semana passada era secretário do partido em Chongqing, é o melhor exemplo das ameaças que vêm de dentro do partido. E foi por isso que ele teve de sair. Bo também veio das camadas mais baixas da hierarquia comunista, apesar do fato dele ser um dos “príncipes”, filho de um dos oito “imortais” da geração revolucionária de Mao. Ele foi conquistando posições sucessivas em Dalian, Liaoning e Chongqing, de onde planejava saltar para o Comitê Central.

Seu maior crime, postas de lado as acusações de brutalidade e corrupção, é que boa parte do seu poder deriva da sua própria popularidade e não da força do partido. Com seus hinos ao comunismo e slogans populistas ele começou a ficar parecido demais com o estilo carismático de Mao.

Esse estilo veio cheio dos ecos da “tragédia histórica da Revolução Cultural“, segundo as palavras do discurso do premier Wen Jiaobao que selou a sorte de Bo. Foi o caso de Bo que obrigou o partido a levantar aquilo que Joe Huntsman, ex-embaixador dos EUA em Pequim, chama de “Cortina de Veludo” por trás da qual se trava a luta que o partido quer esconder sob a fachada das suas “decisões por unanimidade”.

Existem outros desafios ao consenso dentro do aparato do partido que é grande e complexo demais para falar com uma só voz.  Em 2010, por exemplo, alguns elementos poderosos dentro do sistema, incluindo ex-generais, resolveram jogar com mão pesada no Mar da China. E, com isso, anos de uma “diplomacia de sorrisos” desenhada para convencer os vizinhos asiáticos de que o crescimento da China não era uma ameaça foram perdidos. O partido trabalhou o ano passado inteiro tentando reparar os danos.

E ha ainda as pressões externas. Conforme a classe média urbana vai se estabelecendo e se acostumando com o conforto começam a se multiplicar as suas críticas e exigências que vão desde o fechamento de usinas nucleares até as campanhas contra funcionários específicos. Até mesmo nas cidades pequenas, especialmente nas províncias de Wukan e Guangdong, o povo tem desafiado a corrupção do partido.

São apenas alguns dos desafios que o partido tem pela frente no momento em que trata de negociar uma sucessão que só acontece de 10 em 10 anos e empreender uma mudança de rumo nunca antes tentada de uma economia baseada nos investimentos estatais para uma economia baseada no consumo interno. O crime de Bo Xilai foi expor o caráter ilusório da união perfeita que o partido sempre tenta mostrar, exatamente nesse momento tão delicado.

Um artigo recente de Xi Jinping, o candidato com mais chance de substituir Hu Jintao como presidente, reafirma a necessidade de que o partido reine absoluto sobre o sistema. Sem mencionar Bo Xilai, Xi exorta os membros da cúpula do partido a “não jogar para a plateia” nem “procurar fama e fortuna“. Em vez disso, frisava, “as políticas devem ser decididas em consonância com a sabedoria coletiva e seguindo todos os rituais apropriados“.

Fora daí, é o caos“.

Marcado:, , , , , , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Como a China é governada no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: