A guerra de Putin vista da China

13 de abril de 2022 § 4 Comentários

Em entrevista ao New Statesman esta semana Sergey Karaganov, assessor de confiança dos presidentes Boris Yeltsin e Vladimir Putin, assim como do ministro do Exterior deste último, Sergei Lavrov, repetiu o recado: para a Russia esta é “uma guerra existencial”, de modo que se não tivermos “algum tipo de vitória” vai haver “uma escalada” que, sim, pode ser nuclear.

Claro, países nunca deixam de existir, mas para Vladimir Putin e sua camarilha de ladrões essa guerra é, sim, “existencial”. Por que razão não houve ainda nem mesmo uma escalada na guerra convencional mas, ao contrário, uma “revisão dos objetivos” da “operação especial” desastradamente posta em curso em 24 de fevereiro pelo ex-agente da KGB, deixando de lado a vitória a qualquer custo para adotar este “algum tipo de vitória” que “é preciso alcançar” para salvar a face é coisa que seguramente tem a ver, para além da força da reação militar da Ucrânia, sobretudo com o modo pelo qual a China reagiu ao desatino de Putin.

Foi no longo telefonema havido entre Xi Jinping e ele dias depois de iniciada a coisa que se deu o primeiro “pé no breque” que Putin não tem podido mais aliviar desde então…

Com toda a tecnologia que levou à globalização do que já é globalizável – a fina fatia da humanidade que, em todos os países, saltou da economia de sobrevivência para a economia de consumo e fala algum inglês – o resto do vasto mundo ainda é uma constelação de servidões isoladas que se expressam em línguas e alfabetos mutuamente incompreensíveis, sem nenhuma comunicação direta entre si e que, também graças a isso, só têm, umas das outras, a imagem filtrada a que seus mestres lhes derem acesso.

No país que já está onde Lula e a imprensa da privilegiatura brasileira querem chegar só “A Verdade” tem vez, de modo que tudo que aparece e permanece na internet É a posição oficial do governo. Todo o resto ou já morreu ou permanece em segredo bem guardado na mente de cada indivíduo tentando evitar o tiro na nuca.

Assim, um passeio pela internet chinesa oferece a oportunidade de saber o que a China oficial está pensando e levando a China real a pensar sobre a aventura de Putin. E não raro essas análises mostram mais lucidez que as dos “especialistas” amestrados da nossa “imprensa livre”. 

Na plataforma weixin.qq.com está publicado desde 16 de março, sem nunca mais ter sido apagado pela polícia da internet do Partido Comunista Chinês que é de matar Alexandre de Moraes de inveja, um relato dos acontecimentos que precederam a invasão, em que Putin é acusado de ter “manipulado” Xi Jinping ao levá-lo a assinar um acordo com a Russia que o colocou inadvertidamente “na armadilha de uma posição desconfortabilíssima” (an evil-like and unkind position foi a expressão usada na tradução direta do texto do chinês para o inglês) em relação a uma guerra que “viola as regras básicas da civilização”.

Segundo o artigo Putin abordou Xi na abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno ameaçados de boicote pelos Estados Unidos com um tratado envolvendo 15 acordos de cooperação apoiando todas as bandeiras geopolíticas da China, da nacionalidade de Taiwan à iniciativa conjunta com a Organização Mundial de Saúde para traçar a origem do coronavirus para fora daquele país, passando pelo apoio às advertências contra “a intenção da Nato de voltar à guerra fria”. Xi não tinha porque recusar assina-lo embora o artigo lembre que os 15 acordos não acrescentavam novidade alguma pois todas essas iniciativas eram, desde sempre, apoiadas pela Russia. Mas o fato de te-lo assinado “de modo nenhum significa que a China soubesse com antecedência ou apoiasse a invasão da Ucrânia”.

Um dia antes desse artigo aparecer para o público chinês, o embaixador de Pequim nos Estados Unidos, Qin Gang, publicou outro similar no Washington Post, afirmando que dizer que a China sabia das intenções de Putin “é pura desinformação” e que “a posição da China sobre a Ucrânia é objetiva e imparcial, baseada nas regras da ONU de respeito à integridade territorial e à soberania de todos os países, Ucrânia inclusive, que devem ser estritamente observadas”.

Em 5 de abril passado outro artigo assinado por Yu Jianrong, intelectual muito popular nas redes sociais chinesas, afirmava que quanto mais se estender, mais a guerra de Putin será impopular na China. “Agressão é agressão. É moralmente errada e ponto”.

Também este vinha na sequência de outro publicado no WeChat chinês, que analisava as condições objetivas de Putin levar a cabo o seu projeto:

“A Russia quer brincar de União Soviética mas não tem mais a força econômica que isso requer. A Ucrânia, agora vizinha da Nato e servida por modernas capacidades militares, é uma versão aumentada do Afeganistão enquanto a Russia é uma versão diminuída da União Soviética. Esta guerra abriu um buraco nas artérias econômicas da Russia cuja economia já vinha abalada desde 2012. As ameaças nucleares de Putin nunca chegaram a ser feitas no tempo da União Soviética. São um sinal de fraqueza”. 

“No tempo da Guerra Fria o PIB da União Soviética era de pelo menos 50% do dos Estados Unidos. Hoje, com um PIB de 1,7 trilhão de dólares, a Russia é menor que a economia da província de Guangdong. O orçamento da Federação Russa de 330 bilhões de dólares para 2021 é metade do orçamento de 705 bilhões do Pentágono. Para manter a fidelidade da Bielorussia, com menos de 10 milhões de habitantes, Putin injeta de 10 a 20 bilhões de dólares por ano naquele país. Não tem condições de fazer o mesmo com a Ucrânia e seus 44 milhões de habitantes”.

“A Russia não pode vencer essa guerra. Ela custa 8 bilhões de dólares por mês. Os ucranianos destroem todos os dias tanques e aviões de centenas de milhões de dólares com mísseis individuais que custam apenas algumas dezenas de milhares fornecidos pelo resto do mundo e pela Nato. Não existe mais uma União Soviética nem Ocidente contra o Leste, só existe um jogo econômico global complexo. O tempo não é aliado da Russia. Esse é o poder da globalização e a Russia não tem a opção de resistir-lhe”.

A única saída da sinuca em que se meteu é, portanto, a que Xi Jinping indicou a Putin naquele telefonema depois de constatar a reação, “fechada” como nunca, dos Estados Unido e da Europa: alguma que lhe salve a face sem parecer uma derrota total, antes que o massacre de ucranianos se torne definitivamente imperdoável. 

Esta salvaria o mundo de ver o ex-agente da KGB apertar o botão. Mas dificilmente salvará ele próprio do final melancólico a que se condenou, nem o povo russo do rebaixamento a satélite da economia chinesa, a inversão do quadro “primo rico x primo pobre” dos dois gigantes comunistas de ontem, que vai lhe restar depois dessa sangria desatada.

Marcado:, , , , , ,

§ 4 Respostas para A guerra de Putin vista da China

  • A ser verdadeira a mensagem da China, mostra cabalmente seu pragmatismo milenar e o alívio que se podia esperar de sua posição, mais pragmática que propriamente de princípios, dado o presidente chinês permanecer ali a espera…

    Curtido por 1 pessoa

  • Rubi Germano Rodrigues disse:

    E Xi Jinping vai jogar fora todo o esforço já feito na construção da nova rota da seda e no desbanque dos petrodólares? Ou apenas está evitando eventuais sansões ocidentais? Putin é um louco por não reconhecer o magnifico mundo que está sendo oferecido por Davos? Quem são os reais contentores dessa guerra e o que está em disputa? Resolveremos essas questões consultando a Internet? Consultando a história ou a natureza humana? Tenho para mim que se alguém não ascender a luz continuaremos perdidos.

    Curtido por 1 pessoa

  • whataboy disse:

    Fernão, gostaria de ver sua análise sobre as razões históricas da presente lambança putinesca. Especialmente o papel do lobby da indústria bélica do ocidente depois da derrocada da União Soviética. Para quê expandir a Nato naquela altura? Não teria sido melhor aproximar o ocidente do ex-comunista caído e aplicar trilhões de dólares em coisa diferente de armamentos? Leite derramado décadas atrás não muda o atual enfrentamento da barbárie e a união do lado civilizado do planeta. Mas será que as lições da história estão claras?

    Curtir

  • Sonia Carvalho disse:

    Falta escrever A guerra da OTAN vista vista por Putin, uma reescritura da Guerra dos mísseis russos em Cuba vistos por Kennedy.

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

O que é isso?

Você está lendo no momento A guerra de Putin vista da China no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: