Se…

2 de abril de 2020 § 12 Comentários

 

 

Se és capaz de manter tua calma, quando,
todo mundo ao redor já a perdeu e te culpa.
De crer em ti quando estão todos duvidando,
e para esses no entanto achar uma desculpa.

Se és capaz de esperar sem te desesperares,
ou, enganado, não mentir ao mentiroso,
Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,
e não parecer bom demais, nem pretensioso.

Se és capaz de pensar – sem que a isso só te atires,
de sonhar – sem fazer dos sonhos teus senhores.
Se, encontrando a Desgraça e o Triunfo, conseguires,
tratar da mesma forma a esses dois impostores.

Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas,
em armadilhas as verdades que disseste
E as coisas, por que deste a vida estraçalhadas,
e refazê-las com o bem pouco que te reste.

Se és capaz de arriscar numa única parada,
tudo quanto ganhaste em toda a tua vida.
E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada,
resignado, tornar ao ponto de partida.

De forçar coração, nervos, músculos, tudo,
a dar seja o que for que neles ainda existe.
E a persistir assim quando, exausto, contudo,
resta a vontade em ti, que ainda te ordena: Persiste!

Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes,
e, entre Reis, não perder a naturalidade.
E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes,
se a todos podes ser de alguma utilidade.

Se és capaz de dar, segundo por segundo,
ao minuto fatal todo valor e brilho.
Tua é a Terra com tudo o que existe no mundo,
e – o que ainda é muito mais – és um Homem, meu filho!

Rudyard Kipling 1895

(trad. Guilherme de Almeida)

§ 12 Respostas para Se…

  • marina alves dos santos disse:

    Mudar em armadilhas as verdades ditas,é a especialidade e a prioridade da mídia progressista que grassa e predomina nesse país. Mídia burra desse país.

    Curtir

  • Alberto Pereira lopes disse:

    Nunca pensei que poesia tão linda existisse.Sou profundamente grato pela sua grande contribuição; num lugar em que a soberba e a extravagância próspera.

    Curtir

  • Antonio Olavo Giatti Jr disse:

    Muito bom Fernão! Belíssima poesia, inspiradora!

    Curtir

  • rubirodrigues disse:

    Por anos a fio tento me comunicar escrevendo séria e cientificamente, sem sucesso. Já me ocorreu que talvez, poesia, humor e música sejam recursos mais efetivos.

    Curtir

  • Mário Rubial Monteiro disse:

    Perfeito o texto do Kipling.. Nunca o Brasil precisou de tanta serenidade.Desarmem-se, por favor!

    Curtir

  • terezasayeg disse:

    Que beleza! Alguns poetas são sublimes!

    Curtir

  • Varlice1 disse:

    Bom momento para relembrar Kipling e a bela tradução de Guilherme de Almeida!
    Palavras que dão alento e nos ajudam a perseverar.
    Obrigada, Fernão.

    Curtir

  • Nelson Secaf Junior disse:

    Se me permite, Fernão, vou encaminhar para o nosso Presidente.
    Obrigado.

    Curtir

  • A. disse:

    Não quero estragar este momento de magia fazendo um comentário idiota e desnecessário. Mas sinto que já o fiz…

    Curtir

  • Cirval disse:

    Bravo! a quem salva o futuro
    Fecundando a multidão!…
    Num poema amortalhada
    Nunca morre uma nação.
    Como Goethe moribundo
    Brada “Luz” o Novo Mundo
    Num brado de Briaréu…
    Luz! pois, no vale e na serra…
    Que, se a luz rola na terra,
    Deus colhe gênios no céu!…
    (Antônio de CASTRO ALVES)

    Curtir

  • Christina Valle disse:

    Fiquei emocionada ao reler esta poesia. Meu pai a tinha como uma Estrela-Guia para nossas vidas. E na parede da copa, onde fazíamos nossas refeições, lá estava ela, emoldurada. Muito obrigada Fernão por nos brindar com esta lembrança e força tão necessária neste momento que todos nós estamos experimentando. Deus lhe abençoe.

    Curtir

  • Herbert Sílvio Augusto Pinho Halbsgut disse:

    Muito oportuna a sua lembrança em nos ofertar a leitura de “If”. Que bela herança de Kipling para seu filho e extensivamente para toda a humanidade, numa tradução de Guilherme de Almeida, conhecido como o “Príncipe dos Poetas Brasileiros”. Sobre Guilherme de Almeida lembro que viveu aqui em Rio Claro-SP quando criança, trazido de Campinas-SP para cá pois seus pais temiam uma epidemia que ocorria por lá. Morava o “Principe” num casarão localizado na Rua 2 esquina com a Avenida 2, todo revestido na sua parte externa de azulejos. Infelizmente o casarão foi demolido por desinteresse da administração pública da época, o que causou grande revolta de grupos locais que quase conseguiram impedir a demolição. Um competente historiador de Rio Claro chamado Anselmo Selingardi, perito judicial, escreveu sobre este lamentável fato histórico registrando-o em jornal local e nos anais do Arquivo Público e Histórico aqui na “Cidade Azul”. Perdemos irrecuperável memória material, mas a imaterial permanece.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Se… no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: