Mr. Hyde, dr. Jeckyl e o seu voto

30 de setembro de 2016 § 6 Comentários

a4

Artigo para O Estado de S. Paulo de 30/9/2016

O médico e o monstro”, na versão que se poderia dar da fábula nesta agonia das mumificadas instituições brasileiras, deveria se chamar “O monstro e o médico”. Fomos tão longe nas distorções e tão fundo no “Eu sou, mas quem não é?” que tantas vezes salvou a pele do líder do petismo e do Foro de São Paulo desde as primeiras revelações do que se acreditava ter sido apenas o “mensalão”, que hoje “mr. Hyde” é que é a “matriz” que se apresenta aberta e cotidianamente pelos palcos enquanto o bom “dr. Jeckyl”, sempre meio envergonhado da “caretice” dos seus pruridos “moralistas”, luta por emergir da normalidade da anormalidade a que nos acostumamos.

É realmente impressionante, para quem não viveu isso como o longo e meticuloso processo de engenharia do vício que foi desde a primeira flor do mal plantada por Getulio Vargas, que num sistema que ainda é chancelado em última instância pelo voto apenas e tão somente um numero contado de personagens que chegam a ser quixotescos de tão desviados do padrão num bastião isolado da 1a Instância do Judiciário em Curitiba e dentro do Ministério Público e da Polícia Federal afirmem-se sem nenhuma reserva ou restrição como defensores intransigentes da ética na política e no trato dos dinheiros públicos.

a2

Com um sistema político que obriga ao trânsito pelo lado escuro da lua pela maior parte dos caminhos que levam ao poder, das instâncias mais baixas de representação da sociedade em diante, não ha nem poderia haver um só partido político entre os que percorreram uma parte dessa estrada que se possa dar o luxo de “fechar questão” em torno dessa causa, nem que seja apenas “pro forma”. Ha, quando muito, “bandas saudáveis” dentro de partidos que exibem mais ou menos despudoradamente a sua insalubridade. Iniciativas individuais de membros do Legislativo tangidos para o voto contra as conspirações de lesa-pátria se e quando a imprensa detecta a tempo e denuncia com suficiente estridência as manobras para anistiar crimes cometidos, legalizar ações ilegais, devolver a impunidade aos culpados, permitir o desfrute de dinheiros roubados e por aí afora.

Não estamos sozinhos nisso mas chocamos pela crueza, pela explicitude e pela ausência de resistência com que o crime transita no meio de nós. Todas as instituições da Republica – e não apenas as do Estado – dividem-se hoje em “bandas” mais e menos contaminadas. O governo que substituiu o que caiu de podre é, ele próprio, dividido assim. Vive num permanente embate de nuances. No STF a banda podre é quase oficial, sendo a saudável fluida o bastante para nunca ser possivel antecipar o que sairá de lá mesmo quando o que está em causa é a literalidade do texto constitucional. O voto sobre prisões a partir da condenação pela 2a Instância, marcado para a quarta-feira, 5, será um marco histórico a definir com que velocidade “dr. Jeckyl” poderá vir a sobrepor-se ao “mr. Hyde” que se tornou padrão. À frente da arguição de “inconstitucionalidade” da inauguração da prestação de justiça num prazo discernível em pleno 3º Milênio, representando toda a “banda podre” do Poder Judiciário que tem vivido de torturar a idéia de justiça com os ferros-em-brasa do formalismo cínico, está ninguém menos que a OAB advogando em causa própria pela eternização da eternização dos litígios.

a2

Quase todas as outras representações da sociedade civil – sindicatos de trabalhadores e patronais, partidos políticos, ONGs, “movimentos sociais”, artistas, intelectuais e outras subcelebridades do vasto planeta da parasitação do dinheiro público – dividem-se igualmente em bandas muito podres e bandas menos podres.

É penoso o parto de um Brasil novo a partir desse criado pela socialização da corrupção, também dita “corporativismo”, onde tudo pode ser “regulamentado” e “regulamentado” de novo por uma legião de ungidos blindados contra qualquer represália de quem lhes deu um mandato, do que resulta que cada individuo tem ao menos uma tetazinha para chamar de sua e nenhum está totalmente a cavaleiro para apontar o dedo aos demais sem ser retrucado.

A boa notícia é que as manobras conspiratórias para dar sobrevida ao mal que, por abuso, condenou à morte o organismo de que se sustenta também já são quase sempre “órfãs”. Elas emergem das sombras envergonhadas e sem reivindicação de direito autoral. Não ha mais fabricantes de “narrativas”, nem manipuladores de regimentos internos, nem “velhas raposas” até ha pouco festejadas como “matreiras” e “habilidosas” que assumam a paternidade de “jabutis”, de inversões da lógica da justiça com base em formalidades e outros “passa-moleques” do gênero. Não ha mais quem se levante para defender de cara limpa as falcatruas tentadas.

a2

Tudo está mapeado e medido. Os efeitos são indesligáveis das suas causas. A conspiração que resta é a do silêncio, também ela uma confissão de dolo. Mas o privilégio anda com o rabo entre as pernas, consciente da miséria que custa, sabendo-se insustentavel e em litígio com a matemática, pendurado por um fio e pedindo tiro. Basta que seja encarado de frente para que finalmente se esboroe.

Tudo considerado até que vamos indo bem. O interesse geral, ainda que de forma difusa, tem prevalecido mesmo porque a alternativa é incontemplavel. O próximo degrau escada abaixo não tem volta. Depois da partida “dos ingleses”, o Rio de Janeiro real em que os representantes eleitos do povo já começam a pagar ao crime organizado antes da eleição, pela mera licença para se apresentar como candidatos nos seus territórios privativos de caça, é a “avant première” do Brasil de pesadelo que, ninguém se engane, é a única alternativa ao Brasil de sonho que só a lei imperando, igual para todos, pode repor em pé.

Uma parte do remédio é a matemática quem vai impor. Mas a eleição de domingo definirá as condições em que partiremos – ou não – para as reformas mais profundas que se farão necessárias adiante para por o Brasil de sonho novamente no horizonte.

a2

Marcado:, , , , ,

§ 6 Respostas para Mr. Hyde, dr. Jeckyl e o seu voto

  • Rey Cintra disse:

    Quem são os candidatos que estão pagando ao crime organizado para “subir o morro”? Tem que se dar online aos bois e investigar também a origem deste dinheiro pago em espécie, já que traficante não passa recibo escrito. (É só ver que candidatos conseguiram permissão para fazer campanha nas favelas).

    Curtir

  • Domingo poderá ser uma boa amostragem, independentemente de ser municipal. A sociedade mostrará da responsabilidade- assim espero, , pra não reclamar depois. Lembrando: a decisão de quem governar e legislar é nossa.
    Mr Hyde e Dr Jeckyl ? Meu temor são os constantes vampiros que não nos abandonam porque são alimentados pela própria sociedade que, não raro, depois os criticam e querem mudar não mudando o próprio comportamento.
    Vamos esperar pra ver. Aleluia!

    Curtir

  • Seria bom incluir nessa análise a Lei de Repatriação brasileira e o FATCA Foreign Account Tax Compliance Act dos Estados Unidos que entra em ação efetiva dia 01/10/2016. A tranquilidade da canalhada está com os dias contados. Além do mais parece prudente perguntar se a violência contra candidatos nesta eleição, não indica tendência…

    Curtir

  • Marcos Jefferson da Silva disse:

    O monstro sempre existiu.
    Muito bem observado “que foi desde a primeira flor do mal plantada por Getúlio Vargas”.
    Só que nesses últimos 13 anos (número cabalístico, hein?) “mr. Hyde” foi alimentado de uma tal forma pela “flor do mal” que se agigantou, esmagando tudo ao seu redor que rememorasse “dr. Jeckyl”.
    A patologia da dupla personalidade foi “curada” da pior forma possível: o monstro aniquilou o médico.
    Os três poderes são a personificação de “mr. Hyde” (cérebro, braços e pernas, boca) e entidades da sociedade civil, como a OAB, se beneficiam da criatura buscando e defendendo os interesses mais mesquinhos que se possa imaginar.
    “Mr. Hyde” precisa ser contido. O Golias observa e gargalha do Davis que existem por aí e virá e mexe tenta confrontá-lo. Aquele levou um susto recentemente quando milhares de Davis metendo a mão aos alforjes, tirando diversa pedras dali lhas atiraram.
    Infelizmente, nenhuma lhe cravou a testa.
    Pedra certeira: voto distrital com recall. Atire essa pedra.

    Curtir

  • JOAQUIM PINHÃO disse:

    Caro Fernão,
    Fico um tanto mais do que preocupado com a situação que voce descreve tão bem. E, um tanto mais desiludido com o futuro que nos espera….Que Deus nos ajude!

    Curtir

  • Eduardo Britto disse:

    Antes do Brasil do sonho aprofundaremos o Brasil do pesadelo? Talvez tenha que ser assim mesmo… Devagar, de pouco em pouco, se o planeta resistir, veremos melhoras sim… Quanto às eleições de amanhã, uma vez eleitos os próximos alcaides, deverão ser devidamente escaneados o tempo todo, a começar pela montagem de suas equipes. Vamos ver com quem se juntam, para dizer aonde poderão ir…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Mr. Hyde, dr. Jeckyl e o seu voto no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: