Uma no cravo outra na ferradura

18 de julho de 2014 § 1 comentário

a2

O governo de dona Dilma quase me deu uma alegria outro dia.

Sem mais nem menos vejo um dos jornais da Globo anunciar que a agência nacional de aviação (ANAC) estava mudando as regras para a operação do aeroporto de Congonhas, o mais movimentado do país e principal “redistribuidor” de voos para o resto dos aeroportos do Brasil, apesar do seu “tamainho”.

Posto na boca do PT, o espírito todo do objetivo atribuído à mudança tinha um cheirinho de iconoclastia: era tudo para reduzir a força das duas companhias quase monopolísticas – a TAM e a Gol – passando a condicionar a permanência nas mãos delas da quantidade de “slots” (horários para pousos e decolagens) que hoje detêm em Congonhas ao cumprimento dos horários de vôo. Quem atrasar ou cancelar vôos terá de repassar seus “slots” para quem cumprir horários e vôos programados, aí incuídas as novas companhias hoje quase excluídas de Congonhas como a Azul e outras.

A medida não é apenas justa. Ela vai inibir, também, em favor dos usuários, a prática hoje comum das duas grandonas de simplesmente cancelar vôos com poucos passageiros na última hora para esperar que o vôo seguinte decole mais cheio.

a2

O novo esquema, além disso, tira das mãos de algum amigão de alguém que detém hoje o poder de distribuir “slots” arbitrariamente (o que sempre resulta em corrupção) e passa a apoiar o sistema num critério objetivo, impessoal e mensurável e que – santa heresia! – baseia-se num conceito de mérito!

Quando eu, ainda incrédulo, me preparava para comemorar, entrei na segunda parte da notícia. Na mesma portaria a ANAC estava determinando que, no que tange a aviões executivos, Congonhas passaria a “dar preferência”, na distribuição de “slots”, para jatinhos fabricados pela Embraer.

Um empurrão na Embraer na direção contrária e pela razão avessa da medida anterior: algo que, com o tempo, fará com que a Embraer deixe de vender aviões por serem melhores, mais eficientes, mais econômicos e mais seguros que os dos seus concorrentes, como acontece hoje, porque poderá passar a vendê-los apenas porque eles terão o monopólio da garagem mais próxima dos usuários.

Isso pode fazer pelos aviões da Embraer o mesmo que fez pelos automóveis nacionais: transformá-los em carroças voadoras que ninguém que tenha alternativa quererá comprar.

Moral da história: quando a gente pensa que o governo do PT finalmente entendeu o espírito da coisa é porque a gente esta começando a não entender o espírito do PT.

a2

 

 

Marcado:, , , , , , , , ,

§ Uma Resposta para Uma no cravo outra na ferradura

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Uma no cravo outra na ferradura no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: