Discutindo comigo mesmo

26 de fevereiro de 2014 § 10 Comentários

a1

Eu já me exasperei muito na vida. Hoje procuro conter-me.

Assisti à minha dose de revoluções e vi que o mais que se consegue com elas, em matéria de progresso institucional, é perder tempo. Mas é possível dispensar a revolução num país como este?

Hoje, por exemplo, foi dia. Como não me exasperar vendo aqui na TV o espetáculo revoltante dos quinta-colunas plantados dentro do STF pelo PT com a missão explícita de desmontar essa instituição, invalidar suas decisões mais recentes e importantes e, com isso, matar a função do Poder Judiciário num país que beira o estado de anomia em que o Poder Legislativo há muito que já é um cadáver insepulto afogado em dinheiro?

a1

Tudo isso poucas horas depois de ter comentado na Radio Bandeirantes o fato de um prisioneiro condenado, o sr. Delúbio Soares, ter derrubado dois diretores da prisão em que está enjaulado porque tem costas quentes da Presidência da República para baixo para desafia-los e manter privilégios inaceitáveis. E ainda estomagado por ter tido de tragar ainda ontem a arrogante resposta das mais altas autoridades da republica petista  – “É isso mesmo, e daí?” – à  descoberta de que a horda do MST que, ha alguns dias, marchou sobre Brasilia e tentou invadir o Supremo Tribunal Federal foi financiada por verbas públicas!

Só tendo sangue de barata!

O que eu ia escrever hoje parava no esbarro que dei com a origem de uma citação recorrente de que poucos conhecem a origem.

a1

Eram só os cinco parágrafos que destaco a seguir em itálico:

Nos meados de janeiro, voltando das férias onde andei dando uns mergulhos na História do Brasil, escrevi o artigo “Abaixo a revolução” (aqui) comparando a história das instituições latinas e saxônicas e mostrando que a nossa marca recorrente é a da ruptura e a da revolução enquanto a deles é a da continuidade, tudo isso para concluir que, não por acaso, uma conduziu à democracia e aquela que mais grita e derrama sangue em seu nome não.

Hoje de manhã deparei-me com uma citação de George Santayana, espanhol de origem mas que passou boa parte da vida nos EUA e pensou e escreveu sua obra em inglês, que eu mesmo já repeti centenas de vezes sem nunca ter sabido de onde vinha e, muito menos, qual era o contexto em que se inseria.

a1

Ela resume a essência do que tentei dizer naquele artigo com muito mais precisão e muito menos palavras, pelo que eu humildemente ofereço-a a vocês.

“O progresso não pode ser identificado à mudança; ao contrário ele é fruto da capacidade de reter e acumular experiência. Quando a mudança é radical não fica nada para ser melhorado e, consequentemente, não se pode fixar um direcionamento para fazer com que aquilo que já não existe se torne melhor: e onde a experiência não se fixa e perde-se após cada ato, como acontece entre selvagens, a infância se perpetua. Aqueles que não conseguem se lembrar do passado estão condenados a repeti-lo”.

a1

Ele está indiscutivelmente certo e a História está aí para confirma-lo. Não é uma teoria. O que ele afirma é uma constatação, de modo que não se trata de renegar o que eu disse no artigo citado.

Mas enquanto eu editava essa materícula a televisão, aqui no canto do meu olho, despejava-me no fígado a imoralidade flácida e melíflua desse senhor Barroso que dona Dilma plantou no STF, como disse o ministro Joaquim com palavras mais brandas, porque ele concordou em entregar antes o voto que vendeu e depositou ontem.

Não ha, honestamente, como não entender a exasperação do ministro Joaquim Barbosa diante do cinismo dos quinta colunas com que se tem enfrentado, sobretudo pela tática dessa “polidez” pastosa que empregam, naquela velha tradição ibérica do “hímen complacente” que se deixa penetrar por todos os buracos mas volta sempre, com cara de santo, ao “estado de virgindade“.

a1

O ministro Joaquim tenta fazer valer a lei para todos exatamente como fizeram, ha mais de 400 anos, os juristas que plantaram a pedra fundamental da democracia moderna na Inglaterra seiscentista ao submeter o rei à lei válida para todos, só que por dentro de canais institucionais torcidos exatamente para tornar impossível eliminar o privilégio de “quem pode” de manter-se fora do alcance dela.

Os ingleses conseguiram. Mas naquele exato momento, já lá vão 400 anos, a latinidade deu um “cavalo-de-pau” na pista do progresso institucional e passou a seguir no rumo contrário. Desde então, a continuidade, aqui, consiste em permanecer na iniquidade. E como permanecemos nela desde sempre, é só no refino da iniquidade que temos “retido e acumulado experiência“.

Como inverter novamente o rumo sem uma revolução? E, se fizermos mais uma, como acumular experiência para um progresso real das instituições com a suspensão da vigência das instituições que é o que caracteriza a revolução?

a1

Eis aí inteiro, portanto, o dilema latino. Eis aí o drama em que se tem debatido o Brasil honesto, intensamente vivido por quatro gerações de minha família, em que a esquerda honesta e os liberais honestos, aquela meia dúzia de sempre, vão sendo empurrados pelo desespero da resistência mole do “hímen complacente” dos carcomidos da hora até pescarem alguém das bordas da política, tentando convencer-se de que é um laivo de virtude aquilo que, na verdade, são apenas vícios que ainda não tiveram a chance de se revelar, e contribuir contrafeitos para coloca-los em posição de se mostrar os carcomidos que são, acabando, ao fim de tudo, os dois – liberais e esquerdistas honestos – por seguir juntos para o degredo pela mão do novo monstrinho que seu desespero acabou ajudando a criar.

Foi assim com a República, foi assim com Getúlio Vargas, foi assim com os militares, foi assim com Collor, foi assim com o PT.

a1

Quem sabe, neste país dos avessos, a solução venha agora com uma revoluçãozinha encerrada dentro dos limites das prisões, como esta que os dois diretores demitidos por Delúbio estão dizendo ao país que não poderão conter se as coisas continuarem como vão, para mostrar ao mundo aqui de fora que esse tipo de crime já nem o crime admite?

Ou será que eles vão conseguir esculhambar até mesmo a ancestral e implacável “Lei do cão“?

Sei lá!

Não é atoa que as ruas estão pegando fogo. Vai piorar muito antes de melhorar!

§ 10 Respostas para Discutindo comigo mesmo

  • marito Cobucci disse:

    Fernão, bem disse nosso Joaquinzão. “É voto político e pronto”, do “fora da curva” Barroso em agradecimento a nomeação pelo PT. Ainda tem o Lewandowski e o bi-reprovado Dias Tóffoli e amanha quem sabe o que nos espera. Se esse bando não é uma quadrilha, o Comando vermelho, PCC e outros também não são. Afinal, se esses petralhas e os associados, bandidos unidos com objetivos comuns na compra de votos às votações favoráveis ao governo, o único fato que poderia- ironia minha, descaracterizar o quadrilhismo seria a ausência do chefe Lula no banco dos réus.O negócio é ter sangue de barata…, pra não enlouqueçer.

    Curtir

  • José Luiz disse:

    De fato, vai piorar muito a cubanização. antes de melhorar.

    Curtir

  • marito Cobucci disse:

    O esperado aconteçeu, com o não reconhecimento de formação quadrilha aos quadrilheiros. Fazer o que, quando a mais alta corte vota considerando interêsses políticos do petismo que se instalou no poder. O clamor popular pelo menos pela decência, infelizmente não é reconhecido, exceto em momentos como ocorreu nas manifestações passadas em grande parte esquecidas. O mau exemplo vem do Congresso, a começar com o Senado que só serve pra atender o executivo nas rejeições como da maioridade, sabatinar Ministros ao STF e sei lá mais o que. Da Câmara nada a dizer, onde tem de tudo em matéria de processos e até deputado, livre, leve e solto, procurado pela Interpol em 180 países com ordem de prisão.
    Que exemplo essa gente dará a juventude? Tenho pena dessa geração, porque realmente vai piorar, como deseja a sua sobrevivência a esquerda burra.

    Curtir

  • Elionai santana silva disse:

    Estou com todos que compartilharam este artigo pois revoltante a quadrilha j chegou no Supremo eu acho que o Pres. Joaquim gostaria de falar isso mais como ele no pode eu falo em nome dele e de todos os brasileiros que esto enojados com o que aconteceu.

    Em 26 de fevereiro de 2014 20:47, VESPEIRO

    Curtir

  • marito Cobucci disse:

    Fernão, se vc exasperou-se assim como todos nós que temos um pouco de juízo, mudo de assunto à nova exasperação coletiva, bastando reler e comentar o editorial do Estadão de ontem, sobre os pronunciamentos da Dilma em Bruxelas.Confuso, sem nexo, um verdadeiro monumento a estupidez. É o petismo “além mares”

    Curtir

  • Varlice disse:

    Fernão
    ‘Não há mal que sempre dure nem bem que nunca se acabe’ – repito isso todos os dias como um mantra a cada descalabro lido.
    Você não pode se dar o luxo de se exasperar. Tome suco de maracujá, coma alface às pampas, conte até 100, faça 50 flexões abdominais.
    Não podemos prescindir de seus textos.
    Bj

    Curtir

  • Meu caro Fernão, tenho 52 anos, e estou desistindo, de ver um pais ordeiro e que funcione e devolva em serviços e benefícios a alta carga de impostos que pagamos, estou desistindo de ver quadrilheiros (de todos os partidos) rirem de nossas caras ao tomarem posse de cargos e privilégios que maculam a honestidade e lisura de alguém que quer se manter nos trilhos a todo custo, não e certo mas estou desistindo, sei que não devo, mas o que fazer!

    Curtir

  • James Lúcio disse:

    Exasperar jamais! O Brasil e os Brasileiros somos muito superiores a isto. Ainda este ano teremos a grande oportunidade de manifestar toda nossa indignação com o atual ESQUEMA POLITICO, sustentado há décadas por TODOS os partidos e, até então corroborado pela ignorância do povo, em novo de um tal “voto consciente”. Á partir do mento que algum brasileiro sair de casa no dia 05 de outubro deste ano, dizendo que vai votar em alguém ou em algum partido, estará assinando autorização para que os “meninos” de Brasília continuem nos FUDENDO e rindo da nossa cara, aí não adianta ficar exasperado.

    Curtir

  • James Lúcio disse:

    Exasperar jamais! O Brasil e os Brasileiros somos muito superiores a isto. Ainda este ano teremos a grande oportunidade de manifestar toda nossa indignação com o atual ESQUEMA POLITICO, sustentado há décadas por TODOS os partidos e, até então corroborado pela ignorância do povo, em nome de um tal “voto consciente”.
    Á partir do momento que algum brasileiro sair de casa no dia 05 de outubro deste ano, dizendo que vai votar em alguém ou em algum partido, estará assinando autorização para que os “meninos” de Brasília continuem nos FUDENDO e rindo da nossa cara, aí não adianta ficar exasperado.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Discutindo comigo mesmo no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: