A Dilma “não se representa”

7 de novembro de 2014 § 37 Comentários

a4Ouvir o que diz dona Dilma re-presidenta é uma perda de tempo tão grande quanto ouvir o que dizia dona Dilma candidata à reeleição. Nos dois casos não ha nenhuma relação entre as palavras e a realidade ou compromisso de que daqui a meia hora ela não vá fazer o contrário do que disse e dizer o contrário do que fez.

Entretanto sempre se aprende alguma coisa quando se analisa o discurso petista como fenômeno fechado em si mesmo e não como algo que tenha relação com a realidade.

O Brasil já conhece o método petista de mentir sobre o passado. O partido se apropria à vontade da autoria dos fatos e das políticas que o tempo venha a consagrar como positivas e atribui a terceiros as de sua autoria que venham a ter a trajetória contrária de forma soberanamente independente ao registro histórico dos fatos.

a9

A entrevista coletiva dada aos quatro maiores jornais do país ontem sugere que agora o método passa a estender-se também para o presente e para o futuro. Pois dona Dilma anuncia a quem interessar possa, para começar, que ela “não representa o PT” e nem tem nada a ver com “as opiniões” que ele emite. Ainda que seja a Executiva Nacional, instância máxima do partido, que as tenha emitido na forma de uma “Resolução Política” oficial, não se trata de uma posição “do partido“, mas só de “opiniões” de um grupo dentro dele. A menos, é claro, que tenha sido positiva a repercussão dessa opinião, caso em que ela decerto se transformará em mais uma política oficial desde sempre defendida pelo partido.

Essa deliciosa afirmação veio em resposta às perguntas que lhe foram dirigidas com respeito ao roteiro do que o partido pretende fazer daqui por diante – e com o recurso a quais métodos – divulgado na “Resolução Política” de 3 de novembro último da sua Comissão Executiva Nacional (aqui). Nela o partido reitera a promessa de impor pela via do plebiscito uma “hegemonia popular democrática”, o “controle da mídia“, a entrega de parte das prerrogativas legislativas exclusivas do Congresso Nacional eleito por todos nós aos “movimentos sociais” eleitos pela Secretaria Geral da Presidência da Republica e o mais que a gente sabe.

a9

Como toda essa sinceridade “pegou mal” e vem ajudando a consolidar a união das oposições democráticas num Congresso Nacional em que o PT perdeu substância, a presidenta houve por bem dizer que não tem nada a ver com essas “opiniões do PT” e até que, radicalmente democrática como é, acha que “mesmo a opinião de quem defende o golpe deve ser respeitada“.

Não ficou claro, a essa altura da entrevista, quem é que a presidenta acha que defende o golpe, se é quem tem essa “opinião” dentro do PT ou não. Em caso positivo, o fato dela própria ter assinado um decreto que impunha exatamente essa mesma receita ao país sem pedir a opinião de ninguém enquanto presidenta cinco meses antes da reeleição teria sido, também, uma tentativa de golpe? E agora, depois de abertas as urnas, teria ela deixado subitamente de ter a “opinião” coincidente que tinha antes com esta do PT de que, presidenta de novo, ela passou a discordar?

a9

O esclarecimento dessas emocionantes questões foi coisa com que preferiram não perder tempo nenhum dos muitos jornalistas presentes…

A decorrência, entretanto, é clara: fica de qualquer maneira estabelecida a dualidade que já valia para o passado também para o presente e eventualmente para o futuro.

Por enquanto registre-se que ha um PT que trabalha para acabar com a democracia brasileira mas a presidenta dos petistas não tem nada a ver com isso. Para o momento ela está a favor da democracia contra a qual “opina” e promete agir o seu partido. Mas se eventualmente o PT com que a presidenta “não tem nada a ver” vier a prevalecer e a implantar o que o decreto dela já tinha tentado implantar, ainda que, a julgar pelo que ela afirma agora, à sua revelia, então valerá a norma do passado e a presidenta apropriará como sua desde criancinha, no futuro, a tese que se mostrar vencedora.

Deu pra entender? Não é fácil mesmo…

a9

Com relação à Venezuela dá-se a mesma coisa. Não importa que a ditadura bolivariana estabelecida na Venezuela tenha dado o golpe via plebiscito e armado os seus “movimentos sociais participativos” com fuzis para garantir a “hegemonia” que pedem os “palpiteiros” da Executiva Nacional do PT. Não importa que tudo isso tenha seguido estritamente a cartilha escrita e recomendada por Lula a todos os partidos políticos e movimentos guerrilheiros da América do Sul e do Caribe reunidos no Foro de São Paulo, aquela instituição criada e dirigida por ele. O decreto e o plebiscito da Dilma (infere-se posto que os jornalistas de novo não perderam tempo em esclarecer essa questão de somenos) nada têm a ver com os seus exatos similares aplicada pelos demais sócios do Foro e nem visam os mesmos fins, ainda que todos usem as mesmas palavras alinhadas na mesma ordem.

Assim também o fato do Ministro do Poder Popular, das Comunas e do Desenvolvimento Social da Venezuela, Elias Jaua, justamente o homem que comanda as tais milícias armadas que nos ultimos meses prenderam e mantêm presos pelo menos 13 mil manifestantes contra o regime que foram submetidos a estupros e outras formas de tortura denunciadas ontem pela ONU; o fato de justamente esse homem ter estado no Brasil enquanto transcorriam as nossas eleições assinando acordos de treinamento de possíveis futuros milicianos do MST, um dos “movimentos sociais” mais umbilicalmente ligados ao PT, candidato a escrever nossas leis e garantir a hegemonia do “poder popular” se tivesse prevalecido o decreto assinado pela presidenta em pessoa, tudo isso não passa de outra mera concidência que nada tem a ver com suas preferências pessoais e nem sequer com as dos eventuais defensores de golpes de dentro do PT ou, menos ainda, com expectativa que alimentavam de ganhar a eleição “de lavada“.

a9

Não, nada estava sendo tramado nem tampouco preparado. Foi tudo coincidência. Para comprová-lo dona Dilma mandou que o seu ministro de Relações Exteriores interpelasse oficialmente o encarregado de negócios da Venezuela no Brasil (releve-se o desnível de patentes) para que explique essa “ingerência nos assuntos brasileiros”.

Dona Dilma jurou de pés juntos que nem sabia da presença de um ministro de Estado da Venezueal no Brasil nem, muito menos, que fosse de dar aulas de revolução ao MST que ele estava tratando. Ocorre que enquanto ele ministrava seus ensinamentos em Guararema, foi presa no aeroporto de Guarulhos com um 38 carregado dentro da bolsa uma assessora dele  que declarou à Polícia Federal pertencer a arma ao ministro que lhe tinha ordenado que a trouxesse para ele junto com o “material escolar” especialmente preparado para os alunos do MST que ela também carregava. O jornal O Estado de São Paulo fez uma detalhada matéria a respeito desse incidente que, porém, sua direção de redação houve por bem não publicar antes da eleição, sabe-se la em função de qual critério jornalístico. Continua sem publicá-la até hoje, aliás, pelas mesmas misteriosas razões.

Mas se o resto do Brasil não sabe dona Dilma, e mais especialmente o seu ministro de Relações Exteriores que certamente foi chamado a dirimir esse “incidente diplomático”, posto que a meliante armada acabou sendo solta com intervenção do Itamaraty, certamente sabiam da presença dessa boa gente entre nós.

a9

Não obstante tudo isso, fica dona Dilma, para todos os efeitos e até segunda ordem,  posicionada “contra golpes bolivarianos”, apesar do decreto que ela assinou embaixo e do plebiscito no qual continua insistindo coincidirem exatamente, seja com a receita que nos prescreve a Executiva Nacional do PT que ela “renega“, seja com o seu próprio decreto revogado sob protestos pelo Congresso Nacional,  enquanto o ministro da ditadura vizinha, que festejou sua reeleição como a mais importante vitória da revolução bolivariana na América Latina, retorna com uma advertência para casa onde poderá seguir estuprando e torturando soberanamente quem ouse desafiar sua hegemonia.

Esclarecidas as coisas com este grau de clareza, ergue-se em riste o dedo da presidenta para cobrir de opróbrio e “vergonha” quem quer que tenha tido a má fé de apontar as exatas semelhanças entre o decreto que ela assinou embaixo e as resoluções políticas oficiais do seu partido e os expedientes que deram a Elias Jaua as condições de dispor hoje de uma milícia armada para garantir a “hegemonia” das suas “opiniões“.

O resto das contradições da entrevista foram menos divertidas embora as tenha havido para todos os gostos.

a9

Por exemplo; dona Dilma continua no “doa a quem doer” a respeito da roubalheira na Petrobras mas os ministros do STF nomeados pelo PT reconfirmaram ontem que tudo que consta das delações premiadas do doleiro Youssef e do diretor da Petrobras de Dilma presidente do Conselho, Paulo Roberto Costa, “é sigiloso” e nem o Congresso Nacional que nos representa a todos terá acesso a eles. Se, portanto, os “vazamentos seletivos” até agora havidos (expressão que se tornou obrigatória em todas as menções ao caso, seja do PT que representa, seja do PT que não representa as opiniões da presidenta) levarem à anulação de todas as provas reunidas por eles de modo que tudo acabe não doendo a ninguém a culpa não será de dona Dilma, que simplesmente alegará discordar de mais essa “opinião” do PT e seus agregados.

Aumentos de tarifas no dia seguinte da eleição? Não, “não é estelionato eleitoral”. É só mais uma coincidência. “Estelionato mesmo seria um choque de gestão”, essa violência de condicionar o salário do servidor público à prestação de serviço público.

a9

Pode-se, eventualmente, ainda, especular sobre que nome dar ao prejuízo de US$ 60 bilhões que a Petrobras teve enquanto o preço da gasolina permaneceu congelado — releve-se como troco o esmagamento e a desnacionalização do setor canavieiro que isso custou — já que o aumento no dia seguinte da eleição é outra mera coincidência.

Um desavisado como eu – ou estarei na categoria dos golpistas? – pode, por fim, considerar que a politica oficial do PT contra o automóvel no âmbito dos seus governos municipais como o de São Paulo mostra o que o partido pensa da questão pelo ângulo do interesse público, enquanto a política de subsidiar a venda de automóveis e a gasolina exatamente até o dia do fechamento das urnas reflete o que o partido e a presidenta pensam da questão pelo ângulo do interesse eleitoreiro.

Mas eu sou apenas um cara lógico que avalia os fatos políticos pelo ângulo do interesse público, que humildemente reconhece que há muito mais coisas entre os atos e as políticas do PT e a lógica do interesse público do que sonha a minha vã filosofia.

a9

Importar médicos? Vá lá. Mas…

4 de junho de 2013 § 2 Comentários

As pesquisas deram o alarme de que a qualidade da saúde vai ser uma das grandes pedreiras a serem escaladas para a reeleição de Dilma.

Nem precisava. O problema é eterno nestes Tristes Trópicos.

Mas, vá lá. É assim que a democracia funciona. O sinal é de que é preciso agir.

Entretanto, cuidado! Muito cuidado!

Filme sugerido por Salvador Mazzetto

O truque do mau político, seja ele o traficante de poder que explora engodos ideológicos ou o comerciante de falsos remédios fabricados pela demagogia, é colocar a verdade a serviço da mentira.

É assim que ambos enganam; é assim que um e o outro vendem o seu gato por lebre.

Faltam médicos no Brasil?

É verdade. E esperar que o nosso sistema educacional capenga atenda essa carência é condenar gente demais a morrer sem assistência.

Não ha tempo para nos darmos esse luxo.

Importá-los de Cuba como querem os traficantes de poder, ou da(s) Bolivia(s) como querem os falsificadores de remédios, no entanto, é trair o povo doente. Um crime contra a vida qualificado por toda a coleção de agravantes do Código Penal: é praticado de forma vil (a exploração da urgência e do desespero de um doente), por motivo torpe e sem dar à vítima oportunidade de defesa.

Filme sugerido por Carlo V.V. Gancia

É preciso importar médicos?

OK. Mas exame neles! Pelo menos tão rigoroso – senão mais – quanto o aplicado aos médicos brasileiros. E a cargo da mesma abalizada instituição a quem se confia essa tarefa aqui hoje e não de mais um órgão público venal e aparelhado ou, muito menos, de alguma ONG chapa branca engolidora de verbas públicas.

Deixar essa escolha nas mãos dos MSTs da vida ou do politiquinho cavador de votos ou dos empregados e militantes dos partidos no poder é de uma má fé criminosa pois não ha uma criança já em condições de andar sobre os próprios pés que alimente a menor ilusão de que o que eles esperam dos agentes cujo fervor premiam, só depois do beneplácito do governo cubano, para ir “aprender” no miserável fazendão dos Castro ou ao tecer loas à alta qualificação das escolas de medicina da zona cocaleira boliviana e outros grotões do mundo, seja, de fato, que seus protegidos curem os doentes do Brasil.

Ao contrário o que querem é fabricar muito mais desses desesperados para, seja com a moeda da revolta e do ódio, seja com a do tradicional “ajutório” entregue em mãos em véspera de eleição, seguir comprando votos bem baratinho.

an3

Sabe com quem você está falando?

9 de abril de 2013 § 5 Comentários

A notícia abaixo foi tirada da Revista Época.

Os vídeos em volta dela, que explicam aos seus filhos “a verdade” sobre o caráter “historicamente democrático” do PC do B, e sua veiculação em redes nacionais de rádio e televisão, foi você quem pagou.

O PCdoB divulgou em seu site oficial uma carta em apoio à Coreia do Norte. Segundo o partido, o documento foi assinado ainda por PT, PSB e 16 movimentos sociais e meios de comunicação de esquerda. O texto responsabiliza os Estados Unidos e a Coreia do Sul por uma “campanha de guerra nuclear” contra a vizinha do norte. O PT e o PSB, porém, negaram apoio ao manifesto.

Em nota divulgada nesta manhã pela assessoria de imprensa, o presidente do Partido dos Trabalhadores, Rui Falcão, negou que o PT tenha assinado qualquer documento sobre o assunto. O mesmo foi feito pelo vice-presidente do PSB, Roberto Amaral, no fim da tarde de hoje.

Diante da negativa oficial petista hoje cedo, o PCdoB não se manifestou sobre a divergência: apenas acrescentou na mesma página do comunicado original que o PT havia negado a assinatura nesta segunda-feira.

O texto foi enviado à embaixada norte-coreana, em Brasília, na semana passada, com uma “declaração de solidariedade” à nação de Kim Jong-un.

A mensagem de solidariedade do PCdoB garante à Coreia do Norte “apoio total, irrestrito e absoluto” contra o que chamam de “imperialismo belicista”.

Segundo o PCdoB, a carta também é assinada por grupos como MST, UNE, CUT, entre outros.

Confira o comunicado na íntegra:

“Senhor Embaixador da República Popular e Democrática da Coreia;

A campanha de uma guerra nuclear desenvolvida pelos Estados Unidos contra a República Democrática Popular da Coreia passou dos limites e chegou à perigosa fase de combate real.

Apesar de repetidos avisos da RDP da Coréia, os Estados Unidos tem enviado para a Coréia do Sul os bombardeios nucleares estratégicos B-52 e, em seguida, outros meios sofisticados como aeronaves Stealth B-2, dentre outras armas.

Os exercícios com esses bombardeios contra a RDP da Coréia são ações que servem para desafiar e provocar uma reação nunca antes vista e torna a situação intolerável.

As atuais situações criadas na península coreana e as maquinações de guerra nuclear dos EUA e sua fantoche aliada Coréia do Sul além de seus parceiros que ameaçam a paz no mundo e da região, nos levam a afirmar:

1. Nosso total, irrestrito e absoluto apoio e solidariedade à luta do povo coreano para defender a soberania e a dignidade nacional do país;

2. Lutaremos para que o mundo se mobilize para que os Estados Unidos e Coréia do Sul devem cessar imediatamente os exercícios de guerra nuclear contra a RDP da Coréia;

3. Incentivaremos a humanidade e os povos progressistas de todo o mundo e que se opõem a guerra, que se manifestem com o objetivo de manter a Paz contra a coerção e as arbitrariedades do terrorismo dos EUA.

Conscientes de estarmos contribuindo e promovendo um ato de fé revolucionária pela paz mundial, as entidades abaixo manifestam esse apoio e solidariedade.

Brasília, 02 de abril de 2013.

São só formigas no açucareiro

3 de dezembro de 2011 § 3 Comentários

O editorial do Estado deste sábado sobre o melancólico outono da “reforma agrária” brasileira, que começou numa novela da Globo (“O Rei do Gado“) e avançou enquanto governos sucessivos se acovardavam diante dessa empulhação coonestada por uma mídia irresponsável, hesita em chamar as coisas pelo nome que lhe pedem os próprios dados que o comentário apresenta.

Havia 300 mil acampados em 2003 quando o PT subiu ao poder reafirmando que, neste país, “em se invadindo leva-se”. Depois que Dilma Roussef, que vem lá do Rio Grande do Sul onde ele nasceu e conhece bem a verdadeira natureza de mais este “movimento social espontâneo”, se elegeu disposta a não contribuir mais para esta farsa, a débacle foi vertiginosa. 120 mil acampados em 2010; metade disso em 2011…

A queda é tão livre que 31 fãs do comunismo asiático vintage ainda cultivado nas nossas universidades públicas, 28 deles gauchos como João Pedro Stédile, o grande mestre sala desse picadeiro, acabam de publicar um dolorido chororô para se queixar de lhes terem tirado, de uma só vez, o brinquedo preferido e o meio de vida fácil.

De 789 mil famílias ” assentadas” nestes anos todos, registra ainda O Estado, mais de 100 mil venderam e abandonaram seus lotes. Esse “abandonaram” – eu assisti ao vivo o processo por décadas seguidas na Amazônia – significa mais exatamente, deixaram para trás terra arrasada depois de arrancar dela tudo que era possível colher sem ter plantado, até o último caco de carvão vegetal. Os assentados do Incra – inúmeras medições já o demonstraram – têm sido os maiores devastadores da Amazônia nas ultimas décadas.

Finalmente, observa o editorial, a debandada só não foi maior porque o Incra, para que essa pseudo revolução não se esboroasse com todo o fragor correspondente ao tamanho da farsa que é, parou de titular os lotes distribuídos o que torna impossível vende-los legalmente.

Se conheço bem o meu país, está nascendo aí mais um daqueles esqueletos que vai ficar por aí nos assombrando por décadas. Um outro Pontal do Paranapanema aos pedacinhos onde o “apagão” dos tituladores oficiais pode até criar um outro MST futuro.

Para economizar palavras, enfim, o que todos esses dados indicam é o que, desde o primeiro minuto, toda pessoa lúcida já era capaz de ver: a “reforma agrária” peto-emessetista e a milagrosa multiplicação dos “agricultores sem terra” pelo país afora foi a avant premiére do fenômeno da proliferação das ONGs que assistimos agora.

Para comprar votos, o governo põe um pote de ouro na praça e manda avisar a quem interessar possa que a maneira de pegar o seu quinhão é se fantasiar de sem-terra, na versão inicial, ou de “ongueiro”, na versão atual.

É como colocar um açucareiro no meio do jardim. Em minutos ele estará coberto de formigas. A diferença é que, retirado o pitéu as formigas desaparecem e o fenômeno se extingue completamente enquanto nesses esquemas da honrada esquerda brasileira, cria-se uma máfia que ganha o direito exclusivo de controlar a distribuição do açúcar e chama-se a isso “fazer a revolução”. Esse rótulo provoca automaticamente intensa slivação na claque da imprensa “engajada” o que acaba na criação de mais um “partido político” e na eleição de mais um lote de mafiosos que, a partir de então, fica por aí mamando a teta vitalícia e hereditária adrede criada por gerações a fio.

Construindo um novo Brasil

11 de dezembro de 2009 § Deixe um comentário

Vícios publicos, desgraças privadas

13 de setembro de 2009 § Deixe um comentário

mst-invasao-carajas-3g

Duas patologias que, nos extremos, se tocam, “infernizam” especialmente este momento do Brasil: ha uma tentativa de politização da criminalidade – nos Comandos Vermelhos da vida — e ha uma espécie de criminalização da política – no MST; nos “achaques a mão armada” descritos pela família Daniel em São Caetano; possivelmente, tambem nisto que começa a ser ensaiado com esses “novos índios” com barrigão, camionetes e … garimpos de diamantes “expropriados” a tiros e porretadas.

pcc

Num momento de fragilização da autoridade, como este em que os governantes de plantão, marcados pelo “entulho da clandestinidade” que os acostumou a pensar que a lei e a ética são só para “os outros” e que toda e qualquer forma de afronta à ordem faz parte da “normalidade democrática”, isso pode ser realmente perigoso. Não pelas mesmas razões do passado. Nem mesmo os próprios líderes desses movimentos, acreditam no potencial “revolucionário” dessas acões. Mas é indiscutível o efeito deletério que a duração artificialmente prolongada das confusões conceituais de outras eras adquirem nestes tristes trópicos, onde todo engano do passado, instrumentalizado no presente, passa a sustentar uma “industria” e a atravancar o caminho para o futuro.

Temos de nos livrar disso ou este país não desencalha nunca!

No Brasil não podemos, sequer, curtir a emoção de uma duvida honesta. Vivemos desde sempre às voltas com charadas já decifradas; combatendo fantasmas do passado, exorcizados de velho no resto do planeta. É um vício antigo. O século que levamos, de mumunha em mumunha, de meia medida em meia medida, para não decretarmos, afinal, a única e simples lei necessária para livrar o país da mancha da escravidão é o exemplo mais notório e que mais fundas marcas deixou na psicologia nacional. Fomos os últimos a nos livrar dela, e mesmo assim porque isto quase nos foi imposto de fora. Nesse meio tempo, uma industria de tráfico e contrabando de seres humanos se tornou central num momento seminal de nossa formação institucional e econômica e corrompeu fundo, moral e materialmente, a Nação.

escrav debret

Não é o único exemplo.

Nabuco gastou a vida pregando exatamente a mesma reforma judicial que debatemos hoje. E nos 150 anos que gastamos adiando-a, a infecção que ela deixou de desinfetar se transformou em gangrena e minou perigosamente a fé do povo brasileiro na Justiça.

O labirinto legislativo em que andamos perdidos; a desordem tributária que nos empobrece e escraviza, são outros exemplos da nossa perseverança no erro, indesculpáveis diante do que está exposto e ao alcance de quem quiser usar nas prateleiras da moderna tecnologia institucional. E, no entanto, só conseguimos mover “nossos representantes” a discutir alternativas quando a comunidade internacional nos obriga a tanto, sob pena de não nos aceitar mais como parceiros econômicos.  Encena-se, então, a farsa do “debate publico” entre os detentores de “direitos adquiridos” e os que sustentam esses direitos, que sistematicamente gira em torno dos “impedimentos júridicos” para se fazer o que é obviamente necessário que se faça.

nabuco1

Tudo isso parece provar, de geração em geração, que aqui de nada adianta argumentar e mesmo provar o que está errado porque não se erra porque se erra mas porque se insiste deliberadamente em errar e porque isso engendra privilégios. E isso arrebenta a fibra moral da Nação tornando-a, a cada volta do parafuso, mais e mais vulnerável à corrupção e à violência.

A suposta “questão” que envolve as duas faces da criminalidade mencionadas no início deste artigo é mais um exemplo típico da surrada técnica de ressuscitar velhos cadáveres conceituais ha muito tempo enterrados, para impingi-los de volta, como ainda vivos, a uma população a quem se nega uma educação básica decente. Ela se prende ao falso dilema entre as idéias de livre arbítrio e determinismo, pelo qual o século XX – que terminou em 1989 – pagou tão caro. A noção de livre arbítrio, conceito consagrado pelo menos desde o tempo dos estóicos (meados dos anos 300 antes de Cristo), corresponde à constatação de que “os homens são livres para escolher entre diferentes cursos de ação”. Na “oposição” a essa idéia, está a noção de causalidade – “sim, posso escolher entre duas ações; mas essa escolha é resultado de causas físicas, psíquicas, sociais e individuais que, por sua vez, são efeitos de outras causas” — o que leva ao determinismo – “todo ato de vontade ou escolha é determinado por seus respectivos antecedentes”

Ora, se o determinismo é válido e as escolhas são causadas, então nenhum homem merece reprovação ou indignação, seja qual for a abominação que pratique. Descartada a responsabilidade, não se aplicam os conceitos de mérito ou valor. E tampouco o de Justiça. Sendo, qualquer ato humano, isento de valor moral, elogio ou crítica, (crime ou castigo), se tornam meros utensílios que se aplicam às situações apenas na medida em que se quer reforçá-las ou desincentivá-las em relação a um objetivo qualquer. “Os fins é que justificam os meios”. E daí nascem os filhotes que ensanguentaram o século passado e ainda estertoram por aí – o determinismo sociológico e a “engenharia social” dos totalitarismos de esquerda moribundos e o fatalismo que conduz diretamente ao terrorismo.

cv1

E o verdadeiro herói brasileiro – aquela esmagadora maioria da população das favelas e periferias, abandonada ao jugo dos traficantes mas que, mesmo assim, insiste em argumentar com seus filhos para que escolham a escola de preferência aos fuzis e à cocaína – como é que fica, enquanto os nossos profissionais da mentira, em geral cercados de seguranças privados, brincam com essa proposta de suicídio da sociedade?

Fica, literalmente, no meio do fogo cruzado…

Da mentira de tudo isso, o mundo está farto. Já navega em outros erros, é verdade. Mas ao menos são erros que ninguem sabe, ainda, como consertar.

Nós não.

Nós insistimos nas charadas já decifradas, mesmo ao custo monstruoso que esta tem tido. A verdade translúcida é que o crime prospera no Brasil porque compensa e porque o risco de quem o pratica ser verdadeiramente punido é ínfimo (menos para quem tem culpas e posses pequenas). Se fosse claro para todos que ao crime segue-se castigo pesado e inescapável, sobrariam, praticando-o, só os malucos de fato. Eles e mais essa crescente horda de oportunistas e de simples covardes que só estão do “lado de lá” matando, invadindo, violando, barbarizando ou “infernizando” porque isto lhes traz lucros fáceis e riscos mínimos, é demais pra gente aguentar.

Publicado originalmente em O Estado de S. Paulo em 5/5/2005

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com MST em VESPEIRO.

%d blogueiros gostam disto: