Manifesto a favor do escândalo

12 de março de 2014 § 7 Comentários

a4

Ha uma semana que os jornais não falam de outra coisa.

Agora o “blocão” dos “aliados”, chefiado pelo PMDB, “impôs uma derrota ao governo”. A foto do Globo dessa galera em delírio de “júbilo cívico” é impressionante.

E qual o feito épico que comemoravam?

Por se sentirem lesados na divisão daquilo que eles e o PT nos arrancam juntos os “aliados” romperam o pacto de silêncio sobre as falcatruas uns dos outros que eles mantêm contra nós, o povo brasileiro. É isso que eles chamam de “votar todos os projetos com independência”.

Resultado do “voto independente” de ontem?

Vão, finalmente, dar uma olhada na roubalheira que rola dentro da Petrobras, coisa de 140 milhões de dólares de suborno pago por uma empresa que aluga plataformas de petróleo que está sendo investigada ha mais de um ano pelos governos da Holanda, da Inglaterra e dos Estados Unidos, mas não pelo do Brasil, que é o principal interessado.

a3b

Se quiser refazer o acordo”, diz o pessoal do PMDB (isto é, o acordo de sempre pra todos voltarem a  jogar unidos CONTRA NÓS), “o governo vai ter que sentar e conversar” (leia-se vai ter de dar aos aliados uma fatia maior do que está enfiando sozinho no bolso).

Agora, o que mais me assusta é que a imprensa noticia tudo isso pelo ângulo tranquilo e plácido do “debate político”. Segundo os “pundits” de Brasília tudo não passa de uma “crise da base de sustentação” normal para essa época de eleição (que, na verdade, é quando as máfias políticas que estão aí combinam quem vai ficar com quanto daquilo que nos tungam).

Essa perda de sensibilidade da imprensa, o fato dela assumir candidamente a linguagem e o padrão de normalidade ditado pela moral dos bandidos é, com certeza, muito mais grave que essa “afanadinha” que deram na Petrobras que não é nem a pontinha do iceberg do que rola lá dentro daquela caixa preta gigante.

A imprensa é o sistema imunológico da democracia; o agente que dá o alarme para que os anticorpos entrem em ação quando o organismo dela é invadido por alguma doença que pode matá-la.

b7O que nós estamos vendo é que o sistema imunológico da nossa democracia está “deprimido”. Ele também está doente. O vírus entra, deita, rola e arrebenta e ele não dá o alarme;  continua agindo como se tudo estivesse normal.

Com isso o organismo social não reage e deixa que a doença vá matando a sua sensibilidade moral que é o que segura a democracia em pé.

É preciso resgatar o valor do escândalo. Tem escândalo falso e tem escândalo autêntico. E o autêntico, mais que necessário, é o sinal vital da saúde moral da Nação. E SÓ A IMPRENSA PODE FAZE-LA REVIVER.  Dos políticos é que essa ressurreição não virá.

É preciso parar com essa ideia falsa de que ser profissional em jornalismo é tratar como se fosse normal aquilo que não é normal ou como se fosse saudável aquilo que é doente.

Veja-se o exemplo da cidadezinha de Hampton, na Florida, que o Jornal Nacional mostrou ontem. Montaram lá uma indústria de multas de trânsito; os funcionários da prefeitura gastaram 70 mil com cartões corporativos; a cidade deve 300 mil e não paga.

Normal?

No Brasil é coisa de criança. Não ha quem não faça. Mas lá o prefeito já está na cadeia, com o devido uniforme de presidiário e isso é só o começo. Se não aparecer a grana da indústria de multas que sumiu e a cidade não pagar sua dívida, vão acabar com ela como unidade política autônoma e incorporá-la à cidade vizinha.

É assim que se trata essas estripulias. É assim que se trata essa cambada onde a saúde moral da Nação está viva!

Corrupto tem em todo lugar. Não é privilégio de brasileiro. É privilégio da espécie humana. Mas se deixar o corrupto ganhar a parada depois de desmascarado como corrupto vai tudo pra cucuia. Não dá mais nem pra mãe da favela convencer o filho de que é melhor estudar que entrar para o tráfico, nem pra mãe do Leblon convencer o dela que é melhor trabalhar que puxar saco de político pra arrumar uma beira pra roubar a Petrobras. E o país apodrece de cabo a rabo.

Teve outro momento chocante no Jornal Nacional de ontem, aliás, que ligou alarmes em mim que nunca tinham soado antes. Viram aqueles moleques do morro depredando um carro da polícia e dando porrada nos PMs que corriam pra lá e pra cá sem reagir?

O que é que é aquilo, meu deus do céu?!

Segundo a Globo – e eu vi a cena e a repetição desse diagnóstico umas 10 vezes em todo os jornais de todos os canais de notícias de Jacarepaguá que estão sempre ligados aqui no meu posto de observação – trata-se de “uma nova estratégia usada pelo tráfico para desmoralizar as UPPs”!!!

É nada! Quem desmoraliza a polícia é a imprensa com o modo absurdamente desequilibrado como ela cobre um lado e outro dessa guerra. Não precisa “estratégia” nenhuma pra desmoralizar as UPPs. A PM está tomando cascudo e chute na bunda de pivete no centro nacional do crime organizado na véspera da Copa do Mundo porque a polícia já está desmoralizada. E não foi o tráfico que fez isso. O tráfico não tem poder para tanto, como já mostrei no artigo de ontem.

Enfim, meus caros amigos, a imprensa está precisando ir pro divã correndo. Ela é a única esperança que nos resta mas, se não abrir o olho, se não reativar o seu nervo moral adormecido,  se não reassumir a função institucional para a qual está habilitada e legitimada em todo lugar civilizado do mundo, que inclui ser propositiva e não obrigatoriamente passiva diante de fontes viciadas como parece que se exige hoje nas nossas redações, roda já pra onde já rodaram as da Venezuela e da Argentina, e nós todos com ela porque já não sobra mais nada em pé.

b00

Comida de restos – 1

6 de junho de 2013 § 1 comentário

(anotações da semana que não chegaram a virar artigos)

so2

Diz o Fisco que a sonegação ainda é de 23,9% do que deveria ser arrecadado, o equivalente a 8,4% do PIB.

Com os 36% do PIB que já se arrecada, a meta, então, é chegar aos 44,5% do PIB.

Mata o véio!

***

juiz1Luís Roberto Barroso, que julgará o julgamento do Mensalão, manda avisar a quem interessar possa que “ninguém me pauta”.

Isto é, ele é o que ele é e se dona Dilma o escolheu em função do que ele jura ser ele não tem nada com isso.

***

juiz2

Embargo infringente é recurso que cabe quando a condenação é por votação apertada.

É algo equivalente a mandar chutar de novo toda bola que bater na trave.

***

juiz3De São Paulo para baixo a Saude Publica é uma calamidade.

Mas a prioridade do ministerio lá de Brasília é que as putas sejam felizes.

***

OPI-002.eps

Guilherme Afif Domingos é uma evolução sobre Gilberto Kassab.

Kassab não faz oposição a ninguém. Já Afif é o opositor de si mesmo.

***

1

Com novos vetos na reforma dos portos recomeça a gritaria dos “traídos” no Congresso.

Te assusta não. Pro PMDB e Cia. Ltda. virarem o cú pro cocho só mesmo quando houver certeza da derrota do partido no poder. Só então surgirão os “democratas de primeira hora” do costume.

Até lá eles seguirão se empanturrando e haverá no máximo calotes. Ou seja, aqui e ali, quando muito humilhadas e ofendidas, as excelências deixarão, por um tempo, de entregar aquilo que venderam.

***

6Dona Dilma fixou em 2,7%, sua melhor marca colhida em 2011 que já representou uma queda forte em relação ao que vinha antes, a meta para o crescimento do PIB.

Assim, se a atingir de novo, poderá comemorar estrondosamente o próprio fracasso.

Não é engenhoso?

***

12

Tortura em prisão só dá chamada de primeira página na imprensa brasileira se for nos Estados Unidos.

No Brasil só é notícia – até hoje e aparentemente para todo o sempre – a tortura de 40 anos atrás que foi a última vez em que filhinho de papai entrou no pau-de-arara.

Normal.

Notícia é o extraordinário. Por isso a tortura de todo dia, assim como assassinato de pobre por aqui não dá nem notinha de rodapé. De rico e “de classe média alta” que é como a imprensa os discrimina, ainda dá não porque se assassine pouco rico proporcionalmente a população de ricos, mas porque ha mesmo muito poucos ricos neste país “sem pobreza”.

Estatisticamente eles são uma raridade.

***

11

A chamada “pacificação dos morros” do Rio de Janeiro é quase oficialmente “pra inglês ver”.

O Globo sempre informa pacificamente que a obra “foi completada” porque já tem UPPs “em todos os morros no trajeto entre o Galeão e o Maracanã e deste aos bairros da Zona Sul onde estão os hotéis dos turistas que vêm para a Copa e a Olimpíada”.

Agora com essa mania de papa de visitar a favela como ela é e escolher uma fora do circuito Copa/Olimpíada, vai ser preciso dar uma segunda demão. Por isso estão asfaltando, iluminando e maquiando o entorno só dos 300 metros de ruas da Favela da Varginha que Sua Santidade vai percorrer.

O Rio “pra argentino ver” sai mais barato…

***

13

Haddad propôs e Alkmin topou levantar um muro de 40 km para proteger a Cantareira de invasões agora que o Rodoanel passa no meio dela.

Cautela e caldo de galinha nunca são demais…

Vai que alguém invade!

Em questão de minutos a coisa vira “questão social“.

E aí é o Jardim Botânico; é a Fazenda Buriti. Nunca mais…

Se bobear perde-se a cidade de São Paulo.

***

14A turma lá de cima acaba de aumentar o seu território privativo de caça.

Está liberada pelo Congresso a criação de novos municípios. Serão de R$ 8 bi por ano as novas despesas “por dentro” só pra colocar a nova leva de atiradores nas suas devidas tocaias.

Quanta caça eles vão derrubar “por fora” pelos secula seculorum a partir desses novos “vantage points” ninguém sabe calcular..

***

15

Ha quanto tempo você começou a ouvir falar de bilhão de dólar? E de trilhão, o novo personagem que entrou no palco pela porta das arrecadações nacionais de impostos?

Desde quando ser milionário passou a comprar só a condição do remediado de ontem, embora o numero dos que podem mesmo esse tanto pouco seja cada dia menor?

E, no entanto, a imprensa “progressista” e seus articulistas prêmios Nobel continuam impávidos clamando pelo “fim da austeridade” enquanto Ben Bernanke e Mario Draghi seguem emitindo dinheiro falso em ritmo de rotativa…

***

16

Dos 13 acusados da Operação Porto Seguro só Rosemary Noronha perdeu o emprego (mas não o poder).

Dos outros 12, cinco já tiveram até aumento de salário.

***

17
A 10 anos e cinco meses de distância na semana passada, dona Dilma no Rio Grande do Norte ainda acusava do palanque “o governo anterior” (aos do PT) pela falta de investimentos contra a sêca no Nordeste.

***

18

Depois de ser condenado pela inglesa, Paulo Salim Maluf fez comovidos elogios à Justiça brasileira.

***

Porque não haverá rebelião da “base” nem que a vaca tussa

19 de agosto de 2011 § 1 comentário

Bastou um encontro a portas fechadas com Lula e as algemas da Polícia Federal se tornaram uma ameaça mais preocupante para o futuro da democracia brasileira que os telefonemas grampeados dos algemados que a TV exibia naquele mesmo momento pedindo “capricho na fachada” das arapucas com que assaltam os miseráveis deste país.

Mil desculpas, excelências! Vamos nos encontrar uma vez por mês, daqui por diante, e todos os partidos aliados estão convidados. Não haverá mais abusos…

Na sequência uma reunião solene para afagar os 80 deputados e 20 senadores do partido do vice-presidente da Republica, seguida da liberação de R$ 1 bilhão em emendas parlamentares que, de qualquer modo, já estão na coluna de gastos desde 2009, e mais a re-confirmação da promessa de que será ao PMDB que o PT entregará a presidência da Câmara em 2013, se um dia 2013 chegar.

Na despedida, a presidente até aquiesceu que tem sido “sectarista” a cobertura dos escândalos pela imprensa…

E só isso já bastou para alguns jornalistas considerarem que, de uma vez por todas, Dilma “aderiu ao pragmatismo lulista”.

Pode ser…

Mas eu ainda resisto a me entregar a essa ansiedade de ver o país voltar à sua “normalidade” anormal. E invoco como prova da precipitação de tal conclusão o fato de que enquanto Dilma fazia todo esse rapapé o chefão da Agricultura, posto lá por Michel Temer em pessoa, despencava para a lixeira.

Mais um. E bitelão!

Dilma, é claro, esta vendo que o mar não está pra peixe – falo do mundo e não da nossa particular lagoa de piranhas – e sabe que vai precisar de votos para aprovar medidas que ajudem a poupar o país do contagio pelo segundo mergulho da crise financeira mundial.

É bom dar um tempo para tomar fôlego, portanto.

Mas antes de chegar a conclusões definitivas é preciso por na balança também o pragmatismo inflexível dos nossos xiitas do adesismo. Se ha alguma coisa de absolutamente sólido e estavel neste país é a firme aderência desse tipo especial de ser humano que consegue passar pelo rigoroso filtro da nossa política para dentro do “sistema” a todo e qualquer governo que se elege.

Alguém comentava ontem na televisão o “comedimento” de Michel Temer durante todo esse tiroteio, atribuindo tudo isso a uma suposta característica pessoal dele de autocontrole.

De fato. Michel Temer é um profissional que sabe fazer cálculos. Senão não estava bilionário como está.

É claro para ele como é claro para qualquer pessoa razoavelmente lucida que, a menos que o mundo afunde de vez, enquanto a China continuar faminta por commodities o Brasil seguirá se aguentando pra lá de bem, mesmo com toda a roubalheira; mesmo com toda a gastança; mesmo com toda a incompetência gerencial de que se tem dado provas por aí.

E como isso de eleições “It’s the economy, your stupid“, enquanto a economia não estiver descendo pelo ralo o poder continuará nas mãos do PT.

E aí (a História é minha testemunha) enquanto o PT tiver o governo os xiitas do adesismo continuarão aliados ao PT, mesmo porque nunca fizeram e nem sabem fazer outra coisa senão “estar aliados a governos”. Não governando, que isso dá muito trabalho, mas “estando aliados a governos”, que é uma delícia, sobretudo depois do “liberou geral” do Lula.

Se antes a corrupção requeria um empresário privado na outra ponta, dividindo o que fosse roubado, os partidos “da base” de hoje não precisam mais dessa bobagem. Criam eles próprios as empresas com quem os ministérios com que são contemplados vão fazer negócios. Não é preciso dividir com ninguém.

Agora eles mesmos cobram os escanteios e correm pra área pra cabecear pro gol.

E perder uma mina dessas!? Nem pen – sar!

Veja-se o PR. Lá da “lixeira” da Dilma o presidente Alfredo Nascimento anunciou a “decisão do partido de se retirar da coalizão”. Se não tivesse calado a boca daí por diante para livrar a cara, sua próxima frase teria de ser a clássica “Fomos traídos!”, já que não deu zebra: todo mundo se fez de bobo e continuou exatamente onde estava. Alguns balbuciaram que oposição, oposição mesmo, é exagero, mas que doravante passariam a “votar segundo sua consciência”. Mas isso é só uma confissão, para os anais, de que até então vinham votando exclusivamente com o bolso. Folclore…

PMDB et caterva não querem governar. E fazer oposição, ou é para quem quer ser o próximo governo, ou é coisa pra herói que realmente só pensa no interesse publico.

Não tem ninguém assim na “coalizão”.

De modo que a Dilma não precisa violentar a sua natureza porque não haverá rebelião nem que a vaca tussa.

Ta certo: é preciso andar com cuidado, esperar o horizonte desanuviar um pouco, trabalhar pela blindagem da economia contra a crise.

A Dilma esta sozinha nisso. O Lula pressiona porque ele é o mais bandalho entre os bandalhos e está se lambuzando que só ele, pra cima e pra baixo nos jatões da Odebrecht. Mas a Dilma é que é a presidente, e presidente ainda tem muita força no Brasil.

Se a imprensa não recuar, como é do seu dever; se der a ela, de fora, o apoio que lhe é negado de dentro, ela terá a cobertura que precisa para, a tempo e a hora, retomar a “faxina” sem poder ser desafiada de frente porque isso queimaria mais o desafiante do que ela.

Ate no Brasil ainda pega mal “fechar” com os assaltantes contra os assaltados em cima do flagrante. Mesmo pro Lula. E depois, limpar um pouco da miséria moral que assola o país é condição essencial para acabar com a outra.


Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com rebelião da base em VESPEIRO.

%d blogueiros gostam disto: