China x EUA: a guerra que veio para ficar

13 de outubro de 2020 § 12 Comentários

“Especialistas” da imprensa brasileira tratam o confronto China x EUA como se tudo não passasse de uma tentativa americana espúria de impedir que firmas de tecnologia chinesas ampliem suas operações internacionais porque esta seria a chave do domínio econômico no século 21.

É muito mais que isso.

O roubo sistemático de pesquisa, desenvolvimento e design está concretamente na base do “milagre chinês”, junto com o trabalho semi-escravo que moeu dois séculos de lutas dos trabalhadores do Ocidente e resultou no achinezamento geral dos salários e num grau sem precedentes de redução da competição e concentração de riqueza pelas fusões e aquisições de empresas para enfrentar os monopólios chineses que está abalando a democracia do lado de cá do mundo, inclusive e principalmente a americana. 

Os dispositivos de espionagem subrepticiamente embutidos no hardware chinês confirmam-se todos os dias como uma política de estado. Até a Amazon, o Facebook e o Google, com todo o seu gigantesco aparato tecnológico, estão entre as vitimas roubadas por esses expedientes. A “equidistância” que tantos fariseus recomendam ao Brasil nessa parada em artigos na imprensa é, portanto, mentirosa. A China exporta seu modelo político sem consultar seus “fregueses” e é óbvio que não faz isso movida por boas intenções nem por interesse apenas comercial. E a chegada do 5G, que vai requerer a reforma geral de toda a infraestrutura tecnológica global é uma ocasião única de ocupação de novos “espaços tecno-políticos”.

O aparato de espionagem e controle sistemático dos seus nacionais – junto com o esmagamento implacável de qualquer dissidência – é, oficialmente, o esteio do domínio totalitário do Partido Comunista Chinês, o único legalmente admitido no país embora dispense qualquer tipo de adesão espontânea. E um país que oprime a sua própria população dificilmente para por aí.

Taiwan diz que as manobras militares de setembro de 2020 dentro de sua zona de defessa aérea foram o desafio mais direto enfrentado pelo país desde o lançamento de mísseis chineses em suas águas territoriais em 1996. A marinha chinesa construiu mais navios de guerra que a americana certamente para usá-los e o país vive exibindo, em desfiles militares sempre apoteóticos, uma variedade formidável de mísseis. Dispõe também de satélites capazes de bloquear as comunicações militares dos Estados Unidos. A diferença militar entre eles diminuiu muito, portanto. Já a diferença econômica é, hoje, de apenas ⅔.

A China, entretanto, não tem aliados. É um império de facto que tenta comportar-se como estado nação. A ascensão de Xi Jinping veio carregada de presságios. Reforço do autoritarismo  interno, construção de bases no Mar do Sul da China, mudança constitucional para o poder eterno, repressão em Hongkong, prisões em massa dos Uigur em Xinjiang, repressão no Tibet, confronto com mortes na fronteira hindu…

São tão ostensivas as intenções chinesas que Michele Flournoy, possível Secretaria de Defesa num eventual governo Biden, escreveu na revista Foreing Affairs que os EUA deveriam reestruturar a sua capacidade militar e endossou, lá no tom dos democratas, todos os raciocínios por trás das diatribes de Trump contra a China.

Entre os vizinhos dela, Japão, Coreia, Taiwan e Australia são aliados formais dos EUA. E a India, se ainda não é tende a ser já que vem sendo agredida pelos chineses. Uma eventual traição dos EUA a Taiwan no caso da ilha ser atacada pela China, no entanto, pode alterar radicalmente esse quadro de alianças.

O dado positivo é que a liberdade é um impulso inato na nossa espécie e, na Era da Informação, o povo chinês parece-se mais com o americano do que o povo russo da Guerra Fria jamais pôde ser. A própria filha de Xi estudou em Harvard. Mas isso, num país totalitário, pode aumentar o risco de uma explosão repressora.

Seja como for, se há um tema lançado por Donald Trump que tende a permanecer na agenda qualquer que seja o resultado da eleição, é este da volta da Guerra Fria com a China. Um mundo dividido em dois blocos tecnológicos pode parecer implausível na realidade das cadeias globais de produção mas já está meio configurado. O Reino Unido e a Alemanha já entenderam e escolheram seu lado. A Europa Latina é, como sempre, o “Centrão” em seu oportunismo e antiamericanismo rasteiros. E o resto do mundo, o Brasil inclusive, ainda não se decidiu entre a civilização e a barbárie política. Sensíveis à corrupção como são, pesa para estes o fato da China ser o maior parceiro comercial de mais de 100 países e os EUA só de 57.

 

Discutindo a eleição americana

14 de fevereiro de 2020 § 6 Comentários

EUA apontam dedo acusador para a China. Finalmente!

21 de novembro de 2011 § 2 Comentários

Matéria assinada por Robert Kuttner para o Huffington Post de hoje põe, finalmente, o dedo na ferida onde se origina toda a crise em que se debate o Ocidente, como tantas vezes tem sido lembrado aqui no Vespeiro.

O autor avalia o relatório anual da Comissão de Avaliação de Segurança e Relações Econômicas China-Estados Unidos do Congresso americano, uma comissão bi-partidária de 12 membros, seis de cada partido, que faz “um dos poucos diagnósticos do problema nacional em que (pelo menos os membros) republicanos e democratas (desta comissão) concordam totalmente“.

Embora a administração Obama não esteja fazendo nada de sério para enfrentar a crescente ameaça que a China representa para os fundamentos da economia americana, essa ameaça foi, pela primeira vez, descrita sem meias palavras num documento oficial do governo que deveria ser leitura obrigatória para todos os cidadãos americanos“.

São estas as principais conclusões do relatório:

  • a China é um estado mercantilista e autoritário que está determinado a se apropriar não apenas dos empregos mas também da mais avançada tecnologia norte-americana pelo uso dos expedientes de suprimir direitos dos trabalhadores e promover acordos com empresas dos Estados Unidos que incluem chamarizes para o lucro fácil (salários reduzidos e subsídios do Estado) e imposições ilegais (a obrigação de se compor com sócios locais e transferir-lhes tecnologias para fazer negócios dentro da China), acrescentados da obrigação de produzir principalmente para reexportar para o mercado norte-americano e não para vender dentro da China;
  • a maioria das empresas americanas se compraz em fazer esses acordos o que as transforma em aliadas do lobby chinês dentro dos Estados Unidos. Enquanto o governo faz queixas tímidas com relação à desvalorização artificial da moeda chinesa, as corporações que exportam trabalho para a China adoram essa situação porque ela aumenta seus lucros no território nacional com produtos reexportados de lá;
  • a Câmara Americana de Comércio que combate as políticas industriais domésticas faz um lobby pesado contra qualquer pressão mais forte de Washington contra a ação mercantilista de Pequim; a administração Obama ensaia tímidos gestos militares (junto aos países no raio de influência geográfica da China) e assina tratados de livre comércio com países menores, mas não ousa contestar as barganhas entre as grandes corporações americanas e a China nem as práticas ilegais daquele país;
  • o déficit nas trocas entre a China e os Estados Unidos continua a aumentar especialmente nos setores de alta tecnologia. A China vendeu aos Estados Unidos US$ 81 bilhões em produtos de alta tecnologia nos 12 meses encerrados em agosto e comprou apenas US$ 13,4 . O déficit comercial total com a China chegou ao numero recorde de US$ 273 bilhões, mais da metade do déficit comercial total dos Estados Unidos. Em meados de 2011 o superávit comercial total da China, que chega a US$ 3.2 trilhões já tinha crescido US$ 800 bilhões em um único ano;
  • embora o governo chinês tivesse concordado em suprimir a exigência explícita de transferência de tecnologia por toda companhia estrangeira querendo operar em seu território, continua recorrendo a diversos expedientes para mantê-la de fato;
  • além disso, ela segue desrespeitando os direitos de propriedade para manter a sua própria “política de inovação”;
  • todos esses expedientes violam frontalmente as regras da organização Mundial do Comércio;
  • a China está se tornando uma ameaça crescente para a segurança nacional não só por se tornar um player cada vez mais importante na cadeia de suprimentos de diversos itens que deixaram de ser fabricados nos Estados Unidos como também pela sua crescente agressividade e sofisticação na chamada guerra cibernética;
  • o governo dos Estados Unidos, governos estrangeiros, fornecedores de equipamentos de defesa, entidades comerciais e várias organizações não governamentais têm reportado tentativas de invasão de seus bancos de dados a partir da China; a China, por sua vez, define como parte de sua estratégia explorar a vulnerabilidade dos sistemas de comunicação em que se apoia o sistema nacional de defesa;
  • apesar do comportamento ameaçador do governo da Coreia do Norte o Partido Comunista Chinês age como se tivesse concluído que é melhor sustentar aquele regime do que trabalhar pela sua remoção; ela também age abertamente para impedir as medidas internacionais de controle da fabricação de armas de destruição em massa pelo Irã;
  • o regime chinês continua sendo uma ditadura de partido único brutalmente repressiva; apesar da crescente produtividade ela deprime o consumo interno de modo a poder continuar pagando salários muito baixos para fortalecer a sua máquina de produção e subornar a indústria norte-americana para que favoreça internamente os seus interesses;
  • apesar da sub valorização forçada da moeda chinesa estar amplamente comprovada e documentada, o secretário Geithner, do Tesouro, tem se recusado a classificar a China oficialmente como uma manipuladora da moeda, o que implicaria em sanções legais obrigatórias por parte dos Estados Unidos;
  • enquanto o Ocidente oscila na beira de uma segunda onda de recessão, a China, graças a tudo isso, continua incólume, e quando os líderes europeus bateram na sua porta de chapéu na mão, foram avisados claramente de que qualquer ajuda da China só virá em troca da classificação do país como uma “economia de mercado”;
  • este é o 10mo ano em que a China faz parte da Organização Mundial de Comércio como “membro provisório”;
  • embora a indústria nacional se queixe ocasionalmente de roubo de propriedade intelectual pelos chineses, a maior parte de nossas grandes corporações está satisfeita com os acordos individuais que lhes garantem uma mão de obra dócil e barata e amplos subsídios do tesouro chinês. E isto está custando algo entre 600 mil e 2.400 mil empregos aos norte-americanos.

Conclusão: conforme previsto por Lênin, os capitalistas estão fabricando a corda com que estão sendo lentamente estrangulados. E já passou da hora dos que pagam esse mico – os trabalhadores e as classes médias do Ocidente – se darem conta disso, pararem de chutar as canelas uns dos outros em meio ao pânico que essa situação provoca, e se voltarem contra o verdadeiro inimigo que está lá do outro lado do mundo e contra os “traíras” nacionais que venderam suas almas a ele.

E tudo isso sem esquecer que o trabalhador/consumidor que compra o produto “baratinho” made in China nos Estados Unidos e pelo mundo afora está dando de troco o seu próprio emprego. É ele quem torna tudo isso possível.

 

O irmão que faltava

10 de outubro de 2011 § Deixe um comentário

A democracia americana nasceu para colocar as duas grandes forças que até hoje oprimem a maior parte do resto do planeta – “big government” e “big business” – sob o controle do povo.

A primeira parte da tarefa foi endereçada ao longo do debate publico travado através de três jornais de Nova York entre 27 de outubro de 1787 e 4 de abril de 1788 contra e a favor da criação de um governo central a ser aprovado pelas convenções dos 13 estados chamados a apreciar o projeto de Constituição Federal enviado ao Congresso.

Alexander Hamilton, John Jay e James Madison foram os autores dos 85 artigos mais tarde reunidos no que até hoje é considerado um dos maiores clássicos da teoria democrática, The Federalist Papers (compre O Federalista traduzido para o português aqui), defendendo a necessidade de um governo central e estabelecendo limites precisos para a sua atuação.

A segunda parte da tarefa começou a ser executada um século mais tarde quando as técnicas de gestão empresarial se aperfeiçoaram o bastante para proporcionar um crescimento explosivo das empresas daquele país que, fundindo-se umas as outras em busca de ganhos de escala, criaram monopólios com enorme poder de corrupção, contaminaram a política e quase puseram a perder a democracia americana.

Ao longo dos quase 30 anos seguintes, – as reformas da Progressive Era trataram de devolver o poder de fato aos eleitores.

O primeiro passo foi a Lei Antitruste – o Sherman Act aprovado em 1890 – que impôs limites ao poder do dinheiro, mesmo àquele legitimamente conquistado pelo mérito, proibindo o crescimento das empresas além de uma certa porcentagem do seu mercado. O sistema financeiro foi objeto de rigor especial, ficando cada banco praticamente reduzido a ter um alcance não mais que estadual.

O passo seguinte foi disciplinar o Estado através de ampla reforma do Civil Service (funcionalismo) acabando com as nomeações políticas.

E o terceiro foi a instituição de mecanismos de democracia direta como o referendo, as leis de iniciativa popular e o recall (impeachment) de funcionários públicos, que armaram os eleitores para de fato impor as novas regras do jogo aos seus representantes e aos servidores públicos.

Foram estas reformas que criaram os Estados Unidos modernos e, ao reduzir drasticamente a corrupção e o abuso do poder político, produziram em pouco mais de meio século a sociedade mais próspera da história da humanidade.

Esse aparato institucional vigorou praticamente intacto até os anos 80 do século passado quando passou a ser indiretamente solapado pela revolução das tecnologias da informação.

“Direita” e “esquerda”, “conservador” e “liberal”, “republicano” e “democrata” no jargão político norte-americano, traduzem essencialmente a precedência que se dá ao “big government” ou ao “big business” como Inimigo Publico No 1 da hegemonia que “We, the people” deve ter, incontestável e incontrastável, sobre o sistema político dos Estados Unidos.

O que tem sido a regra em quase todo o resto do mundo – a sociedade a serviço do Estado e dos “amigos do Estado” – é a exceção nos Estados Unidos. Daí a dificuldade geral do resto do mundo de compreender o que está acontecendo lá.

As grandes crises da democracia americana – e esta a que estamos assistindo é a segunda dessas proporções – se dão quando, pela força da corrupção, principalmente, esses dois inimigos tão velhos quanto os próprios Estados Unidos se dão as mãos e passam a responder mais um ao outro que a “nós, os 99%” a que se referem muitos dos cartazes que compõem os slogans do movimento Occupy Wall Street que, com algum atraso em relação ao seu par necessário, o Tea Party, levantou-se para, como ele, reivindicar o restabelecimento da hegemonia popular sobre o sistema.

Até mesmo essa sequência na articulação de cada um obedece ao padrão histórico.

O resto do que você tem lido sobre o caráter “revolucionário” de um ou do outro, tanto na imprensa brasileira quanto, até mesmo, na imprensa americana, são bobagens que respondem mais à contaminação de quem escreve em ambas por antiquados padrões ideológicos europeizados ou latinizados, como preferirem, que pouco têm a ver com a realidade histórica daquele país.

Como notou um comentarista do NYTimes traduzido pelo Estadão deste domingo, “nem os manifestantes de um nem os manifestantes do outro lado querem uma alternativa para o consumismo; o que eles querem é continuar sendo os consumidores“.

Abaixo o big government; vamos restaurar a liberdade individual” ou “Abaixo o big business; vamos restaurar a justiça social“, os gritos que hoje parecem dividir os Estados Unidos em dois lados de um abismo intransponível, no fundo desaguam na mesma solução prática: “Toda a força de volta aos eleitores“.

Wall Street é o inimigo comum dos dois, tanto hoje quanto historicamente falando.

O Tea Party, cujas raízes estão fincadas no anti-federalismo e no anti-intelectualismo da corrente inaugurada por Thomas Jefferson (“Acredito sinceramente que os bancos são mais perigosos que exércitos em posição de combate … a especulação financeira é uma espécie de aposta que destrói a moralidade“), começou como um gemido vago contra o resgate dos banqueiros que afundaram o país com o dinheiro das suas próprias vítimas, e a cínica reação dos resgatados.

Occupy Wall Street, que ainda engatinha e não firmou uma pauta e um discurso próprios, é uma ponta da corrente democrata que pretende-se mais refinada e responde com o fígado ao que vê como a brutalidade caipira do Tea Party. Mas a questão é mais de tom que de fundo. Ele tem suas raízes na tradição de Andrew Jackson, o quarto presidente que também denunciava os bancos “essencialmente como uma trapaça para enriquecer os abastados às custas do trabalhador” e no espírito reformista da Progressive Era (idem, ibidem). Seu inimigo principal é, igualmente, o aliado do momento do big government: Wall Street.

O que ambos representam, na verdade, é a extensa lista das insatisfações que são consequência do desemprego e da ameaça hoje temida por milhões de perder o trem para o sonho americano disseminadas pela crise financeira.

Com a rapidez característica da única democracia onde a estabilidade no emprego público ou político depende essencialmente de desempenho, o que a torna sempre ágil e disposta a se auto reformar, os pleitos do Occupy Wall Street não tardarão a se fixar e a se refletir no Congresso como já ocorre com os do Tea Party e, logo adiante, também nas próximas campanhas eleitorais.

É historicamente muito rápido, por lá, o trânsito dos pleitos levantados na periferia do sistema para o centro do debate político. É isto que torna o deles um modelo que dispensa revoluções. O problema é que, desta vez, a solução não depende nem do establishment político, nem dos eleitores americanos.

O inchaço do sistema financeiro dos EUA não é a causa do drama que o país está vivendo. É antes a consequência de um problema muito maior. Não é fruto de uma conspiração sinistra mas sim de 30 anos de recordes semanais sucessivos de fusões e aquisições entre as empresas daquele país, forçadas pela competição com os monopólios do capitalismo de Estado chinês na nova realidade de mercados de consumo e de emprego globalizados.

Crescer ou morrer” tem sido o mote do jogo econômico nos últimos 30 anos, sob o qual sucumbiu de fato a legislação antitruste e foi sendo empurrada a aliança entre o Estado e o Capital também nos Estados Unidos, operada, sim, pelo sistema financeiro que a cada fusão ou aquisição morde a sua gorda fatia, mas não contra a vontade do povo. Ela foi, verdade seja dita, primeiro consentida e depois exigida pelos trabalhadores/eleitores em pânico com a competição chinesa.

É um fenômeno planetário, aliás, porque somos todos vítimas do dumping monetário e do trabalho semi escravo asiático, mas que só é novidade e causa escândalo nos Estados Unidos, um dos únicos países do mundo onde tal aliança nunca foi pacificamente admitida.

Na maior parte do planeta a aliança entre o Capital e o Estado sempre foi e continua sendo o padrão.

Só que desta vez a questão não poderá ser resolvida com os mesmos remédios do século passado porque não ha leis nacionais capazes de mudar a realidade da desigualdade em matéria de direitos e de remuneração entre os trabalhadores dos diferentes países que disputam o mercado global. Enquanto for o preço dos produtos que determinar quem ganha o consumidor, os dos trabalhadores semi-escravos da Ásia ou do resto do mundo pobre sempre ganharão a parada. E até que isso mude, nem os salários no mundo rico pararão de cair, nem os empregos de desaparecer.

A liberdade que se cuide!

4 de agosto de 2011 § Deixe um comentário

Pânico de novo nas bolsas de valores do mundo.

Os jornais e os “analistas” de costume dizem que ele se refere à “redução das expectativas com relação à recuperação americana diante do acordo que prevê o corte de despesas como contrapartida à elevação do teto de endividamento do governo”.

Antes fosse só isso!

Desde o início do lamentável espetáculo que Washington manteve no ar em rede planetária por quase dois meses – e mesmo antes dele – já se sabia que, qualquer que fosse o acordo final, haveria um corte de alguns trilhões de dólares nas despesas embutido nele.

O que se está assistindo nas bolsas do mundo é um “fuja que o piloto sumiu”.

Se as agências de classificação de risco não rebaixaram a nota dos Estados Unidos porque não houve, tecnicamente, um calote, o que o mundo está dizendo agora é que ele, mundo, rebaixou, sim, a nota da capacidade das democracias de lidar com crises.

O próprio Obama antecipou essa conclusão quando, no meio daquele tiroteio, disse que os Estados Unidos estavam correndo o risco de ter seu crédito rebaixado “porque o sistema financeiro não tinha um sistema político AAA em que se apoiar”.

E de fato o que o duelo de Washington mostrou, com a inestimável contribuição do ator coadjuvante Europa, é que o sistema de pesos e contrapesos das democracias de fato impede a tomada de decisões com a necessária rapidez; que a tendência antes da conquista do segundo mandato presidencial é que os partidos se submetam aos seus respectivos radicais e se façam de surdos para o centro e para os moderados; que a ausência de poder de voto da juventude acaba fazendo com que a conta seja atirada sobre as costas dela porque o que interessa é saber quem fica com o poder político amanhã e não a solução das crises com vistas à construção de um futuro melhor.

E também, que tudo isso se tornou muito mais visível e pernicioso depois que as ditaduras aderiram ao capitalismo e passaram a tocar países inteiros como se fossem empresas com a mesma liberdade para distribuir custos e benefícios pela sociedade afora e “demitir (até da vida, se necessário) insatisfeitos” que nos países capitalistas democráticos só os grandes executivos têm no universo restrito das suas empresas.

O jogo se inverteu. De condição essencial para ambos as democracias surgem agora como o principal obstáculo para o desenvolvimento e a afluência material. E as ditaduras, o contrário: de caminho certo para o atraso e a pobreza, agora aparecem como o atalho mais rápido para o enriquecimento.

E como o órgão mais sensível do ser humano sempre foi o bolso, a liberdade que se cuide!


Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com China x Estados Unidos em VESPEIRO.

%d blogueiros gostam disto: