Os excluídos do milagre da cor

23 de março de 2015 § 41 Comentários

Cerca de 300 milhões de pessoas vivem num mundo sem cores. “Cor para os daltônicos” é um mini documentário que registra a reação de pessoas daltônicas usando pela primeira vez as lentes EnChroma, que lhes permite ver as cores.

O “Projeto Cor Para Todos” (#ColorForAll Project), da fábrica de tintas Valspar, tem uma missão simples: trazer cores para o mundo dos que até hoje não puderam ve-las e lembrar aos que têm podido curti-las o quanto isso é valioso.

Um milagre da ciência, sem tapeação nem dinheiro público

28 de outubro de 2014 § 5 Comentários

Para ativar a tradução em português (vale a pena):

1) clique em Youtube (sim, o seu interesse acima de tudo); 2) abra o vídeo em tela inteira; 3) clique no signo da engrenagem; 4) clique em “inglês (legendas automáticas)”; 5) clique em “traduzir legendas”; 6) clique em “Africaner” e a lista de línguas aparecerá; 7) role arrastando o cursor cinza da barrinha escura à direita; 8) clique em “Português” e em “OK”

PS.: Para publicar junto com o Estadão peço que esperem até amanhã de manhã pelo primeiro artigo sobre o Brasil depois da eleição

Na Saúde, tudo azul na América do Sul

31 de janeiro de 2014 § 13 Comentários

b6

Na melhor tradição deste novo gigante do empreendedorismo brasileiro – o PT e PT e Cia. Ltda. – a Folha de S. Paulo constatou hoje que o atual ministro da Saúde e candidato ao governo de São Paulo a ser empurrado pessoalmente por don Lula I, Alexandre Padilha, aproveitou seus últimos dias no ministério para assinar pessoalmente um convênio de R$ 199,8 mil com a ONG fundada por seu pai, Anivaldo Padilha.

O empreendimento de papai Anivaldo – a Koinonia – Presença Ecumênica e Serviços – já colheu de variados ministérios do governo do PT um total de ecumênicos R$ 1,75 milhão desde 1998, tudo para “promover palestras, organizar jogos e seminários e treinar jovens” nas praças de São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador para tarefas tais como alertar o povo contra os perigos da AIDS e prestar outros serviços igualmente imprescindíveis que o governo não tem condições de oferecer sozinho com os 40% do PIB que nos arranca como impostos.

b3

Dona Dilma, o candidato Padilha e papai Anivaldo informam a quem interessar possa que a aprovação do pagamento de tais serviços particulares de pai para filho pelo ministério que não consegue oferecer hospitais públicos que se diferenciem muito dos presídios nacionais “é normal, está dentro das regras” e, naturalmente, não tem nenhuma relação com o parentesco entre outorgante e contemplado.

O Ministério da Saúde ficará, aliás, em excelentes mãos depois da saída dos Padilha. O substituto escolhido pela “faxineira” Dilma, Arthur Chioro, vem de São Bernardo do Campo, seara de don Lula, e também já avisou a quem interessar possa que está se desligando da empresa de consultoria (que presta o mesmo tipo de serviço a que se vinha dedicando José Dirceu antes de ser trancafiado na Papuda) da qual é o sócio majoritário.

OPI-002.eps

A empresa seguirá prestando seus serviços mas agora com alguém mais detendo a titularidade das ações que pertencem ao futuro ministro, o que indica que, se tivesse capital aberto em bolsa seria o momento de comprar suas ações, tal é a expectativa quanto à sua prosperidade futura.

Abrir mão de suas ações em favor de alguma alma caridosa é, aliás, uma importante concessão posto que o futuro ministro é alvo de um inquérito do Ministério Público por improbidade administrativa por ter contrariado recorrentemente a lei orgânica de São Bernardo ao resistir resolutamente a fazê-lo enquanto exerceu a função de secretário da Saúde daquele município sem abrir mão de ser sócio majoritário da Consaúde Consultoria que, por acaso e apenas por acaso, arranja convênios na área de saúde para diversas prefeituras controladas pelo PT.

Considerando, por cima desses bons augúrios, que o ensino da medicina no país está reduzido à condição que o Conselho Regional de Medicina de São Paulo mediu nesta semana (60% de reprovação dos médicos formados), podemos todos dormir em paz: na área de Saúde Publica, está tudo azul na América do Sul.

b5

Medicina pelo celular está chegando

2 de julho de 2013 § 1 comentário

Filme sugerido por Lourenço Meirelles Reis

Importar médicos? Vá lá. Mas…

4 de junho de 2013 § 2 Comentários

As pesquisas deram o alarme de que a qualidade da saúde vai ser uma das grandes pedreiras a serem escaladas para a reeleição de Dilma.

Nem precisava. O problema é eterno nestes Tristes Trópicos.

Mas, vá lá. É assim que a democracia funciona. O sinal é de que é preciso agir.

Entretanto, cuidado! Muito cuidado!

Filme sugerido por Salvador Mazzetto

O truque do mau político, seja ele o traficante de poder que explora engodos ideológicos ou o comerciante de falsos remédios fabricados pela demagogia, é colocar a verdade a serviço da mentira.

É assim que ambos enganam; é assim que um e o outro vendem o seu gato por lebre.

Faltam médicos no Brasil?

É verdade. E esperar que o nosso sistema educacional capenga atenda essa carência é condenar gente demais a morrer sem assistência.

Não ha tempo para nos darmos esse luxo.

Importá-los de Cuba como querem os traficantes de poder, ou da(s) Bolivia(s) como querem os falsificadores de remédios, no entanto, é trair o povo doente. Um crime contra a vida qualificado por toda a coleção de agravantes do Código Penal: é praticado de forma vil (a exploração da urgência e do desespero de um doente), por motivo torpe e sem dar à vítima oportunidade de defesa.

Filme sugerido por Carlo V.V. Gancia

É preciso importar médicos?

OK. Mas exame neles! Pelo menos tão rigoroso – senão mais – quanto o aplicado aos médicos brasileiros. E a cargo da mesma abalizada instituição a quem se confia essa tarefa aqui hoje e não de mais um órgão público venal e aparelhado ou, muito menos, de alguma ONG chapa branca engolidora de verbas públicas.

Deixar essa escolha nas mãos dos MSTs da vida ou do politiquinho cavador de votos ou dos empregados e militantes dos partidos no poder é de uma má fé criminosa pois não ha uma criança já em condições de andar sobre os próprios pés que alimente a menor ilusão de que o que eles esperam dos agentes cujo fervor premiam, só depois do beneplácito do governo cubano, para ir “aprender” no miserável fazendão dos Castro ou ao tecer loas à alta qualificação das escolas de medicina da zona cocaleira boliviana e outros grotões do mundo, seja, de fato, que seus protegidos curem os doentes do Brasil.

Ao contrário o que querem é fabricar muito mais desses desesperados para, seja com a moeda da revolta e do ódio, seja com a do tradicional “ajutório” entregue em mãos em véspera de eleição, seguir comprando votos bem baratinho.

an3

Fabricando órgãos humanos

21 de dezembro de 2011 § 1 comentário

Onde estou?

Você está navegando atualmente a Saude categoria em VESPEIRO.

%d blogueiros gostam disto: