Chama o bandido!

13 de setembro de 2013 § 3 Comentários

1a

Foi assassinado anteontem o último dos quatro moleques que atiraram na cabeça do menino Brayan Yanarico Capcha, de 5 anos, nos braços de sua mãe, porque ele chorava, assustado, durante um assalto.

Dois outros foram envenenados dentro da prisão e o terceiro apareceu jogado numa quebrada com 12 tiros pelo corpo.

Taí!

A bandidagem tem mais senso de justiça que as nossas autoridades e ongueiros “da paz” de um olho só (os “intelectuais” que antigamente comungavam com eles, foram à extinção ou se profissionalizaram fundando ONGs chapas-brancas).

1c

Pra esse pessoal não ha exceções.

Ai de quem levantar um dedo contra um atacante, mesmo que seja em defesa da vida, seja a própria, seja a de um bebê!

Os bandidos não. Eles têm um limite.

1b

§ 3 Respostas para Chama o bandido!

  • Roberto mortari cardillo disse:

    Fernão, seu blog e excelente e vai contra a corrente de passividade que nos paralisa.
    Roberto mortari cardillo

    Curtir

  • Tony disse:

    Chame o Ladrão! – como diria Chico Buraque, ele agora que é do time da polícia.
    Mas intenda-me, Chico Buarque errava antes e agora, pois chamava o ladrão quando a polícia era mesmo a polícia.
    Analisando com muita serenidade, conclui-se forçosamente que de fato são os bandidos a última esperança para o resgate da moralidade, a única condição estruturante de qualquer sociedade humana.
    Entre os animais, os agrupamentos se mantém por impulsos biológicos. Nos humanos, tais impulsos foram enriquecidos pelos códigos morais, ou simplesmente traduziram-se na moralidade, que ensejou a transcendência de grupos para civilizações.
    Os sistemas políticos, econômicos, jurídicos, são só circunstanciais: decorrentes e adjetivos. Por outra, variam conforme as circunstâncias.
    Elementar, constitutivo, somente a moralidade: fazer o bem, evitar o mal, ajudar o fraco, punir o mau, buscar a perfeição e disseminá-la, etc.
    A luta do progressismo foi solapar a moralidade: eu tenho a lembrança viva de que cresci e amadureci num mundo em que “a moral e os bons costumes” era, e ainda é, o mal a ser destruído. Conseguiram, e temos o que eles queriam.
    Nas franjas da sociedade, nos rincões, nas favelas, nas cadeias, onde o Estado não entra, não chega também o progressismo. Lá resta ainda intacto um núcleo de moralidade, primária e brutal, em que as coisas são chamadas pelos seus verdadeiros nomes, e por isso o nome tem valor por sí (honra) e deve ser defendida pelo portador, em que os fortes ajudam os fracos, em que os maus são castigados.

    Curtir

  • Varlice disse:

    Há bandidos e bandidos.
    Há os grosseiros e há os sutis.
    Há os ignorantes e há os cultos – o que não confere a esses últimos menos bandidagem por terem cultura e estudo.
    Ministro Luis Roberto Barroso, afinal, disse a que veio:

    http://www.jusbrasil.com.br/diarios/57669927/dou-secao-3-12-08-2013-pg-143

    É claro, essa deve ser somente a primeira parcela cobrada pela sentença a favor dos mensaleiros.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Chama o bandido! no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: