As matrizes americana e francesa de revolução

3 de novembro de 2020 § 22 Comentários

O leitor LSB assinala a diferença entre as matrizes francesa e americana de revolução e de democracia, e sugere que tratemos do assunto. Lembro que o tema tem sido foco do Vespeiro desde sempre. É aqui que se diz e repete que em politica e na arte da construção de instituições só é possível aprender comparando e que a revolução francesa decapitou reis para instituir imperadores e, no seu tão covarde quanto incurável “igualitarismo”, não poderia deixar de cair, como caiu, na estatolatria que acabou por esterilizar o pensamento francês.

Essa ideia é tão clara em minha cabeça que em vários artigos já disse que a “estatolaria” brasileira vem daí e que se meu avô, Julio de Mesquita Filho, fundador da USP (1936), a primeira UNIVERSIDADE de fato do Brasil (embora tenha servido “o conhecimento pelo conhecimento” apenas por um curto período), não tivesse trazido exclusivamente professores franceses, na “primeira safra”, para formar os nossos, e tivesse importado pelo menos metade da Inglaterra e dos EUA, a história do Brasil seria outra…

Ha tês ou quatro intelectuais franceses modestos o bastante para não se acreditarem oniscientes e onipotentes. Coincidentemente são os que, tendo caído em desgraça em seu país em algum momento, viveram a realidade criada pelas instituições de origem saxônica, observaram a diferença abissal entre elas e a conversa mole pseudo democrática francesa e tornaram-se propagandistas do modelo anglo-americano: Tocqueville que, vindo de uma família alvo do Terror revolucionário francês, foi lá ver a America e comparar com a Europa que ele conhecia no seu imortal “A Democracia na América“, e Voltaire, antes dele, que foi exilado uns tempos na Inglaterra, estão entre os maiores dessa estirpe.

Vale a pena ler as “Cartas de Inglaterra” deste último. Coloco no mesmo nível de grandeza desses dois um terceiro que está esquecido mas deveria ser desenterrado e traduzido no Brasil. Henri Levy-Ullmann mostra onde, exatamente, se deu o desvio que pôs a perder o resto da Europa la pelos 1300, e como e porque a Inglaterra permaneceu na Common Law, tradição comum a toda a Europa, Portugal inclusive, enquanto o resto da Europa passou a chafurdar num falso “renascimento” do “direito romano”. O livro dele “Le Systeme Juridique de l’Angleterre”, difícil de conseguir mas possível recorrendo-se à amazon.fr, comparando o sistema de Common Law e suas raizes históricas com essa falsificação grosseira que é o nosso “direito romano” é seminal para se entender o mundo em que vivemos e de onde vem a vasta corrupção da “latinidade”.

 

Eu recomendaria como fecho de tudo isso o delicioso “The Constitucional History of England“, de F. W. Maitland, que não trata de comparações mas revela as raizes mais profundas disso tudo. Acrescentando-se à lista o imprescindível “Os Artigos Federalistas“, às vezes traduzido também como “O Federalista“, tem-se uma biblioteca básica mais que suficiente para “curar” o Brasil e o resto do mundo e que dispensa toneladas de lixo vendido por aí à guisa de literatura politica e de história da construção de instituições…

Tem, a propósito, um livro muito interessante exatamente sobre esse tema – a “fonte” francesa versus a “fonte” americana das revoltas e revoluções brasileiras – lançado mais ou menos recentemente. É o “Ser Republicano no Brasil Colônia”, de Heloisa Starling. Embora ela recue, no final, das conclusões que se vão estruturando ao longo da história que conta, é um livro que vale a pena ler. Uma pesquisa original que explica muito do Brasil e suas diferenças regionais e divisores ideológicos…

Vou até publicar esta resposta como matéria porque é fundamental marcar bem a existência desse desvio e essa bibliografia pode ser útil a alguém.

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com Os Artigos Federalistas em VESPEIRO.

%d blogueiros gostam disto: