2014 ou nunca!

15 de maio de 2014 § 2 Comentários

aa3

CPI do Senado? CPI mista?

É o país correndo pra lá e pra cá dentro da armadilha, se atirando contra as grades feito onça ao se dar conta de que está presa.

Dias Toffoli no TSE, de fiscal supremo das eleições, Renan Calheiros comandando CPIs, André Vargas reassumindo o mandato…

Começou com o “Eu sou! Mas quem não é?

Agora evoluímos para o julgamento “do outro” sempre que se flagrar “o eu” com a mão na massa.

Faz sentido…

E nós? Apelar pra quem? Que outro poder restou em pé?

aa8

De modo que, depois de pensar bem e balançar um pouco, dona Dilma decidiu: vai segurar os aumentos da luz, da gasolina, da cerveja e de tudo que vai vir atrás até depois da eleição.

A próxima evolução a ser observada será, portanto, a que se viu na Argentina: da gasolina e da luz pra tudo que tem dentro dos supermercados.

E depois? Depois a Venezuela…

Ciclotímico?

Isso de alternar entre a fúria impotente, o wishfull thinking e a prostração também faz parte do quadro de constatar-se preso na armadilha. Eu moro no país que registra o maior consumo per capita de anti-depressivos e ansiolíticos do planeta.

aa6

E não é pra menos. Pois não é que o Gim Argello – “aquele” – lançou; a Comissão Nacional de Justiça – a “CNJ faxineira” – embalou e o Joaquim Barbosa – deus do céu! – despachou com moção de apoio a volta do “adicional por tempo de serviço” que vai detonar o teto dos salários do Judiciário e, com ele, empurrar pra cima os de toda a “companheirada” que está roendo a máquina do Estado quenem cupim em madeira vagabunda? Os dos que “trabalham” e os dos aposentados?

Ah pois!

Tá entendendo porque é que a “justiça com as proprias mãos” veio para ficar?

Nós vivemos naquela cidadezinha do Velho Oeste onde o xerife ainda não chegou. No país que precisa tornar “crime hediondo” a exploração sexual de crianças. Não é de estupro que se trata, veja bem. Falamos da exploração sexual sistemática de crianças. Falamos de uma indústria florescente nesta terra onde pais e mães de família com identidade no bolso são enterrados como indigentes pra poupar um telefonema; onde gente mal linchada é enterrada viva e onde túmulo vai ter de ter portinhola de plástico porque nem morto mais está escapando, estão assaltando cemitério pra roubar as portinholas de metal.

aa9

Pois então: é exploração sexual de crianças daquela pra complementar o orçamento doméstico, fazer uma graninha. Pois no Iraque já não é tema de campanha eleitoral o direito de estuprar criancinha de 9 anos!

Tá reclamando do que?

Crime hediondo”, aliás, tem mais um na lista a cada semana. Depois da da teta vamos indo, finalmente, também pra socialização da impunidade que já vale pro Brasil Oficial. Crime “normal” não dá nada. Os hediondos, talvez. Combinado?

Agora, diz o jornal, “A Infraero pode ser multada por atraso nas obras da Copa”. É quenem a Petrobras quando vaza na praia versus o Ministério do Meio Ambiente do “dono” da Petrobras. O governo multa o governo pelo que o governo gasta para fazer mas não faz, só que não cobra.

É quenem o Renan Calheiros comandando CPI: “O acusado investigará rigorosamente o acusado, doa a quem doer!

Apelar pra quem?

aa10

De modo que tá assumido. O Itaquerão vai com meia cobertura mesmo. Os aeroportos e salas de imprensa por aí afora ficam mesmo em barracas…

Os estrangeiros o PT ja desistiu de enganar. Turista, se quiser, é sem teto mesmo.

E os brasileiros?

Ora (direis) os brasileiros!

De certo perdeste o senso! Essas nossas campanhas eleitorais sem contraditório são o retrato dessa nossa “democracia” de longos silêncios intercalados por eleições publicitariamente “encabrestadas”. Ainda chegará o dia em que elas serão todas produzidas em Jacarepaguá, o nosso campeão nacional de dramaturgia.

Nada como a profissionalização!

Chega desse cirquinho mambembe! Queremos a versão aggiornada dos cassinos de Getúlio e “Bêjo” Vargas, suas “vedetes” e suas Rainhas do Rádio.

Em “país sem miséria”, cada época deve ter o circo que merece.

Se liga! É em 2014 ou nunca mais a gente se livra!

aa4

Eleição ou morte!

15 de maio de 2013 § 2 Comentários

dilma-brava

Com que então dona Dilma botou pra correr o único técnico abalizado e “não criativo” que restava no alto comando da sua equipe econômica e ainda sinalizou que pensa em Arno Augustin para o lugar dele.

Nelson Barboza, o ex-Secretário Executivo do Ministério da Fazenda estava atrapalhando.

Não é petista, entende a matemática pela lógica inexorável dos números, reconhece um fato quando ele surge no seu caminho.

O resto do time, a começar pelo ministro, é composto só de “simsenhoras”, paus mandados que juram ver nos fatos e na matemática apenas e tão somente o que sua mestra mandar que vejam.

Arno Augustin já é mais que isto.

dilma-brava

Arno Augustin é um soldado pro-ativo da corrente “Democracia Socialista” do PT gaucho, um ninhozinho de cobras que passaram a vida desafiando a “Articulação“, de Lula, que acham branda demais, pelo controle do partido.

Hoje este senhor já acumula a inacreditável dobradinha de funções de Secretário do Tesouro Nacional e principal articulador oficial da campanha presidencial de Dilma. Agora pode vir a ser, também, o executor do que dona Dilma houver por bem decretar que a economia brasileira seja, os fatos que se fodam, o Congresso que se foda, a matemática que se foda, como sempre.

Eleição ou morte!

Ah, O Poder!

Em que momento o torturador esquece a resposta que estava procurando e se apaixona pelo ato de torturar? Pelo poder de infligir dor ao outro?

dilma-brava

Em que momento o guerrilheiro esquece “a causa” e entrega-se à vertigem de onipotência da escolha de quem vai viver e quem vai morrer? À volúpia de puxar o gatilho? Ao poder de ter esse poder?

Que tipo de processo leva os “partidos da ética na política” a passarem do assassinato moral dos paulo de tarsos venceslaus em nome da conquista do poder nacional para “a causa“, via caixa 2, para a eliminação física dos celsos daniel para que cada ex-idealista seduzido pelas delícias do poder de comprar possa seguir locupletando-se em paz?

Em que altura do caminho o pecadilho dos “incentivos” a congressistas venais para passar reformas de interesse nacional se transforma numa industria e o antigo contestador se converte no parteiro de uma nova nobreza?

dilma-brava

Essa história dos meios e dos fins sempre foi complicada. O ovo e a galinha. Uma coisa se transforma na outra.

Começa que o autor do projeto nunca é quem executa a obra. O formulador da “causa” está sempre distante de quem vai, afinal, tomar com ela o poder. Entre uma coisa e outra é preciso abrir a porta aos brutos para fazer o serviço sujo, tornar-se cumplice … ou vitima deles…

O resto vem da natureza diabólica do poder que sempre corrompe, e que corrompe absolutamente quando é absoluto.

Mas, êpa! Lá vai o Rousseau que me tocaia sempre tentando alçar seu vôo…

Quem disse que é preciso um processo para alguém tornar-se ruim“?

dilma-brava

Quem disse que não é o contrário?

Não, não existe um direito natural à vida. Na Natureza ela tem de ser arrancada, minuto a minuto, dos braços da morte.

A civilização, a ética, o altruísmo são contraintuitivos. São a superação da lei do mais forte; a quebra da regra do “survival of the fittest”.

E “democracia” é só a tradução dessa ruptura para o “engenheirês social“.

Os direitos das minorias, o respeito à divergência, o culto à liberdade que implica as renuncias da responsabilidade, tudo isso são tentativas de escapar à escravização à lei da selva de que todos somos filhos e que, por si mesma, só puxa pelo aperfeiçoamento da brutalidade, esta que entre os animais racionais serve-se, em tempos de paz, principalmente da mentira e da perfídia.

dilma-brava

Fazer prevalecer essa anti-natureza requer um acordo, uma anuência geral em torno de objetivos comuns que, por sua vez, pressupõem uma sintonia de linguagem e um afinamento dos discursos.

Educação, enfim. Mais que isso, até. Requer uma cultura…

E renuncias. Muitas renuncias.

Quase todos os nossos atos; quase todas as nossas reações, continuam, afinal, sendo pautadas pela mesma velha lógica dos homens das cavernas. Em direção à opressão navega-se sempre com vento a favor. Literal ou figuradamente, seguimos caçando e sendo caçados; comendo ($) até explodir enquanto houver comida ($) ao alcance da boca, a menos que continuar a fazer isso é que passe a custar a vida porque a sociedade assim convencionou.

Ha um livro recente muito interessante – The Caveman Logic, The Persistence of Primitive Thinking in a Modern World (aqui) – onde se demonstra isso de forma muito clara.

Enfim, bem que o Zé Dirceu avisou que com ela é que ia começar o governo do PT. Dona Dilma, seus soldadinhos do partido e seus empresários amestrados são predadores que não escondem mais as garras.

É matar ou morrer.

ar11

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com Dilma presidente em VESPEIRO.

%d blogueiros gostam disto: