Tentando acreditar em Joe Biden

23 de abril de 2021 § 30 Comentários

E cá estou eu mais uma vez procurando empenhadamente razões para beber uns goles do otimismo da imprensa ocidental em peso com a “Cúpula do Clima” de Joe Biden.

A primeira sequência de “chefes-de-estado” que vi desfiarem suas promessas ao mundo parecia animadora. Americanos, chineses, calejados europeus, árabes, russos, ilhéus da Oceania, argentinos, tudo parecia uma mesma procissão de santos bem intencionados. 

Mas o estraga prazeres que insiste em soprar fatos nos meus ouvidos não saia de lá. A maioria desses “representantes da comunidade internacional” não são isso, repetia ele, são só chefes do crime organizado. E muitos são governantes absolutistas. Gente que como os monarcas da Idade Media, declara-se governante eterno e pune com a morte quem desafia esses decretos. Não dá nenhuma satisfação de seus atos a quem quer que seja dentro de suas fronteiras. 

Alguns árabes mandam açoitar mulheres e decapitar oposicionistas em praça pública. Os russos assassinam opositores com dardos radioativos. Os chineses, que têm uma economia tocada a carvão e são os maiores poluidores do planeta (28% do total de emissões venenosas), são também os maiores predadores dos 7 mares com suas frotas pesqueiras semi-piratas recheadas de marinheiros escravos. Greta Thumberg não os vê mas eles estão lá e dizimam em escala industrial as últimas populações de animais selvagens do planeta, que são os que, antes das tecnologias que hoje permitem até identificar cada inimigo do partido único no meio de uma multidão numa fração de nano-segundo, ainda conseguiam esconder-se na água. Mantêm um milhão de Uigur’s e ninguém sabe quantos milhões de chineses outros em “campos de reeducação urbanos”, prisões-políticas verticais que se espalham por todas as cidades do país. Entre esses Uigur, quem não morre, mesmo “reeducado”, é “esterilizado”. Quer dizer, a China de Xi Jinping, conforme apuração do insuspeito NY Times, literalmente “pega pra capar” essa parcela da sua própria população porque ela se declara adepta do islamismo que o Ocidente é acusado de perseguir… 

Vai por aí a pletora dos horrores deste mundo patrocinados por esses bons senhores preocupados com o grau e meio de aquecimento no horizonte das gerações futuras, que fazem promessas solenes de cuja seriedade convencem absolutamente a imprensa brasileira e internacional ambientalmente engajada. 

Xi Jinping mesmo, que só concordou em participar do convescote menos de 24 horas antes dele começar, depois de certificar-se de que Joe Biden seria lhano no trato, disse que “A China está ansiosa para trabalhar com os Estados Unidos para melhorar a governança global. Nós lutamos por uma sociedade mais equilibrada e priorizamos o meio ambiente, queremos atingir nossas metas climáticas … em tempo mais curto que outros países desenvolvidos”. Vago nas próprias promessas foi incisivo com quem foi preciso nas suas: “Vamos restringir o comércio com países que não cumprirem suas metas climáticas”.

Não é para menos. Joe Biden, um dos pouquíssimos governantes do planeta totalmente sujeitos às leis que no seu país são feitas pelo povo, “comprometeu-se” em reduzir suas emissões (15% do total mundial) em 50% até 2030. Isso implica coisas como banir, como ele já se comprometeu a fazer, toda a nova tecnologia de fracking de maciços de xisto que transformou os Estados Unidos de maior importador em maior exportador de energia do mundo, barateando o gás industrial a ponto de promover a volta de industrias que tinham migrado para a China num país que precisa desesperadamente de empregos.

Mas mesmo Biden, com toda a influência que possa ter mediante a criação de incentivos federais, não tem poder para garantir tudo isso. Quem decide essas grandes ações de cunho ambiental, como tudo o mais por lá, é o povo, nas instâncias estadual e municipal. O governo de Nova York, por exemplo, acaba de desenhar um pacote de 3 bilhões de dólares com esse propósito a ser decidido no voto (ballot) nas próximas eleições de 2021.

Finalmente, chegamos a Jair Bolsonaro. A mudança de tom conseguida do presidente brasileiro no tratamento da questão ambiental foi, certamente, a conquista mais formidável da “Cúpula do Clima” de Joe Biden, o que não é pouca porcaria posto que o maior problema do Brasil não têm sido as ações, mas o tom com que Bolsonaro vocifera antes, durante e depois de praticá-las. Para desespero dos apedrejadores domésticos do Brasil, o novo tom da política ambiental, para o meu gosto, esteve próximo de perfeito tanto nas cobranças quanto nas promessas que fez em nome do país que, como ele lembrou, é responsável por menos de 1% das emissões historicamente acumuladas e menos de 3% das acrescentadas à atmosfera todos os anos.

Quanto à promessa de redução a zero de emissão de carbono até 2050 e de 40% do desmatamento até 2030, sou pessimista. O desmatamento no Brasil é, já ha um bom tempo, função exclusiva da corrupção. Não tem nada a ver com o agronegócio como gostariam que fosse os apedrejadores domésticos e os fariseus da velha Europa. Só duas pessoas ganham hoje com a depredação de florestas no Brasil: o madeireiro e o político corrupto que o acoberta (além dos que comerciam as últimas madeiras virgens no “mundo civilizado”, luxo que não é pro bico de pais pobre). 

A redução do desmatamento no Brasil depende absolutamente, portanto, da redução da corrupção, o que é totalmente insano esperar com esse STF que solta os ladrões e prende as polícias. Redução da corrupção é, histórica e planetariamente falando, função exclusiva do aumento de democracia. E no Brasil a democracia está em extinção. 

Das iniciativas de Bolsonaro, portanto, a única que com toda a certeza será cumprida, é a de sempre em se tratando do Estado brasileiro: a do “aumento de recursos” e, portanto, de funcionários indemissíveis e incobráveis acrescentados à legião da privilegiatura.

A questão ambiental, seja pelo viés do aquecimento global, seja por todos os outros, é seríssima. Mas só pode ser endereçada pelo tratamento de sua causa fundamental, que é a superpopulação humana. Enquanto a luta pelo poder – nacional ou global – tiver precedência  sobre o controle da natalidade na questão ambiental, continuaremos matando o planeta.

“Sou lúcido, merda! Sou lúcido…”

9 de dezembro de 2011 § 1 comentário

Os leitores do Vespeiro já conhecem a minha obsessão com a alternativa aquecimento global x controle da natalidade.

Meu pai sempre diz que a burrice humana é uma das maiores forças da natureza. E a esta altura do campeonato não ponho isso em dúvida nem por um segundo. Mas o jornalista é um otimista incurável. Não seria possível sê-lo sem sê-lo. Digo, jornalista e otimista. Pois não faria nenhum sentido insistir em argumentar e escrever se não acreditasse, lá no fundo, que a razão tem o poder de mudar as pessoas e as coisas.

Água mole em pedra dura…

É o que nos consola nos momentos de desespero.

E se não ha resgate possível, pensamento que nos assalta com frequência cada vez maior nesta Babel, ainda assim escrevemos para protestar, como o poeta em sua solidão:

Sou lúcido, merda! Sou lúcido…

O Estado de hoje traz um caso emblemático. O colega Washington Novaes, que escreve toda sexta-feira na página 2, é nacionalmente reconhecido como uma grande autoridade em questões ambientais. E hoje ele aborda o inusitado tema da superpopulação … de mortos.

Mas Novaes, como quase todo “ambientalista”, é um homem de convicções. E os “ambientalistas de convicção” não se permitem usar essa palavra – “superpopulação” – nem que lhes caia uma avalanche de gente com seus dejetos sobre a cabeça a cada passo. “Ambientalistas de convicção” que se prezam limitam-se a enfileirar os substantivos e adjetivos que designam as consequências da superpopulação e a recomendar todo tipo de quimera para suprimi-los sem que seja necessário suprimir antes a causa que os produz.

Assim é que ele alinha hoje toda esta lista de sugestões para o tratamento dos efeitos da superpopulação que lhe batem na cara até pelo esquisito viés da morte:

  • a lei passada pelos edis paulistanos ordenando a distribuição em hospitais e serviços funerários de uma cartilha exaltando as vantagens da cremação sobre o sepultamento (errado, demonstrará Novaes!), porque não ha mais lugar nos 22 cemitérios da megalópole para enterrar as 67 mil pessoas que morrem por aqui a cada ano;
  • Franca, no interior paulista, pela mesmíssima razão, está leiloando túmulos abandonados a peso de ouro;
  • Araçatuba, depois de ocupar com túmulos as ruas internas dos seus cemitérios, está levando para ossuários restos mortais não reivindicados;
  • Londres está desenterrando seus mortos e sepultando restos de até 80 pessoas por vez em túmulos comunitários, como nos tempos da peste, “porque a cremação (modalidade preferida por 80% das famílias inglesas) emite gases poluentes que contribuem para as mudanças climáticas“;
  • o embalsamamento, muito em voga nos Estados Unidos de outrora, é pior ainda porque “libera produtos químicos carcinogênicos“;
  • na Geórgia (EUA), a moda é encapsular corpos cremados em bolas de concreto que depois são depositadas junto a recifes de corais para ajudá-los a se desenvolver;
  • na Flórida um esquema de alta tecnologia transforma cadáveres em uma “sopa de aminoácidos e peptídeos que pode tanto ser usada como fertilizante” quanto ser simplesmente atirada na privada e “dirigida para a rede de esgotos, gerando 35% menos  carbono que a cremação(adoro essa precisão!);
  • a Suécia é ainda mais moderna: congela e tritura corpos e os usa como adubo.

Finalmente, destaca ele, 15 países europeus “assinaram recomendação para reduzir as emissões de gases em 50% na cremação até 2012 e em 100% até 2020“.

Mas a tudo isso chama Novaes apenas e tão somente “dramas da urbanização“, o que, assim como a questão das mudanças climáticas, remete àquele modelo iníquo de organização das sociedades humanas e não ao problema essencial do excesso de gente que decorre das imensas conquistas que esse modelo iníquo e sua ciência proporcionaram em termos de qualidade de vida, longevidade e o mais que nós já sabemos.

Para dizer a verdade, no artigo de hoje ele chega a fazer uma rara concessão ao bom senso ao mencionar indiretamente a questão essencial e a única solução possível para ela, ao encerrá-lo com este parágrafo:

O problema por aqui vai ter suas dimensões reduzidas com a queda das taxas de fertilidade e a estabilização populacional dentro de 20 anos”.

Antes do ponto final, porém, retrata-se: “Mas ainda assim estará presente“.

Aquela luzinha no fim do túnel a que os otimistas incorrigíveis sempre nos agarramos quase chegou a brilhar. E lá se foi a minha cabeça…

E se todos os ambientalistas tivessem passado estas três ou quatro décadas em que este tem sido um assunto diário e obrigatório fazendo campanhas pelo controle da natalidade?

E se todos os Al Gore e as bilionárias instituições do ex-mundo rico tivessem investido as centenas de bilhões de dólares torrados para dirimir a dúvida hamletiana sobre se a vida na Terra se extinguirá soterrada no lixo que produzimos até com nossos corpos mortos, com mais ou com menos três ou quatro graus na temperatura média do planeta daqui a um século, ensinando a espécie a refrear a sua própria proliferação em um nível sustentável?

Que importância, afinal, tem o pormenor da temperatura diante da ameaça iminente de extinguirmos toda a diversidade biológica que a continuação da vida requer para plantar a ração cada vez mais sórdida que nos sustenta?

É mesmo possível, em sã consciência, pensar em sustentar os 7 bilhões a que chegamos sem indústrias, poluição maciça, agricultura predatória e queima de energia nos níveis que queimamos hoje ou muito próximos?

É honesto omitir totalmente o pressuposto do problema que se afirma querer resolver?

Então a luzinha se apagou e eu me levantei pensando de novo no poeta, justificado em toda a minha rabugice:

Sou lucido, merda! Sou lúcido…

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com controle de natalidade em VESPEIRO.

%d blogueiros gostam disto: