O avanço triunfante da cretinice

14 de abril de 2016 § 5 Comentários

cp5

Chegou finalmente ao nível do absurdo o patrulhamento “de gênero” e vizinhanças nos Estados Unidos desde que os energumenos daquele país, aparentados a estes nossos que sob a firme liderança da Rede Globo de Televisão, aquela que só copia do chamado Primeiro Mundo o que ele tem de pior, conseguiram criminalizar a paquera e criar mais uma indústria de processos judiciais em cima de limites que, desde os poetas da antiguidade, ninguém consegue definir com precisão, se alguém for acusado de “sexual misconduct” (algo como “má conduta” com intenção ou sentido sexual).

Menos que um beijo, uma simples abordagem verbal pode, conforme o caso, levar a um processo enlouquecedor em que advogados que mordem um pedaço do prêmio tratam de dar a palavras e atos passados na intimidade de duas pessoas sentidos nunca dantes navegados torturando fatos e amarrando más intenções em termos técnicos até matar qualquer sombra de amor e arrancar dos pares que se arriscam a se aproximar um do outro para aplacar a mais linda das fomes criadas por deus, qualquer que sejam os sexos, vão aos seis digitos, quando não a penas de prisão. No caso das ecolas e outros locais de trabalho, os teatros desses acontecimentos “nefandos” que deveriam estar sendo zelosamente fiscalizados pelos seus donos sob pena de tornarem-se cumplices desses “crimes”, as indenizações chegam facilmente aos sete dígitos.

cp1

Lá como aqui, estupidezes de tão formidável calibre dependem essencialmente, não do cretino fundamental que primeiro as formula mas, muito mais, do fervor com que a imprensa e as televisões a promovam a “verdade eterna”, ou a “monstruosidade óbvia, ainda que até então dissimulada”, só não reconhecida por “caretas” e “reacionários” incuráveis que nas novelas, nos programas de auditório e no discurso dos fiscais da consciência alheia passarão, daí por diante, a ser tão implacavelmente apedrejados quanto mulher infiel no Irã até que ninguém mais ouse desafiá-la.

O resultado é a generalização do uso de “burcas” linguísticas e comportamentais, de um lado, e a multiplicação de “mulás” e “talibãs” encarregados de punir os desvios da nova lei, do outro, que eventualmente chegarão à política e aos legislativos para transformar as leis e execuções morais em leis e execuções penais.

Nos Estados Unidos as escolas e universidades são o alvo preferencial. Ontem o NYTimes, espécie de Rede Globo de lá no que diz respeito à emissão desse tipo de “fatwa” comportamental, publicou ampla matéria medindo os resultados da obra que ajudou a erigir.

cp3

Desde 2011, quando ainda não estava tipificado o que hoje é enquadrado nos tribunais sob o “Title IX” (referência à versão legal desses antigos “fatwas”, ou “decretos religiosos-midiáticos”), mais de 5 mil pessoas foram contratadas pelas principais escolas do país para cumprir oficialmente o papel de, perdoem a crueza do termo, “fiscais da foda”. A Universidade da California, Berkley, gasta US$ 2 milhões por ano com a impossível missão de definir a exata fronteira entre uma “cantada” e um crime dentro do seu campus. Yale paga 30 pessoas que trabalham full time nisso (esses “profissionais”, em geral advogados, ganham entre US$ 50 e 150 mil por ano) e treina outros 48 alunos por temporada para complementar as suas brigadas comportmentais. Harvard tem 50 pessoas full time investidas nisso e mais um “Bureau de Investigação” inteiro dedicado a avaliar casos reais ou hipotéticos e organizar seminários para definir para seus alunos o que é ou não é uma “abordagem consensual”.

Ao final de todo esse esforço civilizatório, está virando padrão o “consentimento afirmativo” em que se recomenda que haja “um contrato por escrito para o primeiro beijo” e outros “para cada passo daí por diante” até a consumação do ato de amor (ou do crime, ninguém nunca sabe com certeza).

Não é uma maravilha?

Depois não sabem porque Donald Trump virou herói nacional e tanta gente resolve, de repente, comprar uma metranca, detonar uns 30 à sua volta e depois saltar diretamente dessa “correção” toda para o inferno, em busca de alguma coisa que faça sentido.

cp4

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com sexual misconduct em VESPEIRO.

%d blogueiros gostam disto: