O PT é que é a fraude

1 de novembro de 2014 § 34 Comentários

adilmahel

E os juros subiram mais rápido do que jamais sonhou Armínio Fraga!

A menos de 24 horas do fechamento das urnas o anúncio: “procura-se um banqueiro para o Ministério da Fazenda”. A 48 aqueles que puseram o país à beira de uma guerra gritando para os pobres que os “filhinhos de papai” que “plantavam dificuldades para colher juros” vinham vindo pra “esvaziar os pratos de comida dos seus filhos” mandam aumentar os juros. A 72 ficamos sabendo que as contas públicas estão destroçadas. R$ 20 bi de rombo só em setembro, a véspera. Imagine em outubro, o mês da eleição!

Passamos do ponto de não retorno. No ano são quase R$ 100 bi de deficit quando a lei pede R$ 80 de superavit. R$ 180 bi de diferença e isso é só o começo do começo porque daqui por diante é emprestar dinheiro dos banqueiros internacionais só pra pagar juros. É juro em cima de juro e cada vez mais caro.

A indústria do álcool, a do petróleo e a de energia elétrica estão devastadas. É o sangue da economia que ou dobra de preço ou não volta…

Essa Dilma é uma bomba de neutrons. Mas a presidenta é só uma representanta. O PT é que é a doença. O PT é que é a fraude. É gente que atrai criança com fome agitando comida mas não entrega! Na hora da dentada arranca ela da boca dos trouxas.

adil

Voltamos à trilha do “companheiro” Sarney com aquele brilhante “modelo” de expansão do consumo sem aumento da produção que eles arrotavam para o mundo de dedo em riste. As populações carentes que segurem os seus pratos de comida porque vem aí um imenso Maranhão.

Ou então, que comam bolos!

E daí que quebramos o país? Importante é tomar o poder e não devolvê-lo jamais. Não me venham com esse moralismo burguês! Mesmo porque na Brasília dos indemissíveis não tem crise….

Estelionato? Tá pensando em reclamar na Justiça? Chegou tarde. Ela é que está reclamando do pouco que você lhe paga pelos excelentes serviços prestados: o STF acaba de determinar ao Congresso Nacional que examine a “proposta” dele, de 22% de aumento para o Judiciário e o Ministério Público, e não os 5% que estão na proposta de Orçamento. O resto vai no arrasto da “isonomia”. Lá entre eles eles se entendem…

União nacional? Mas se a Dilma não se entende nem com o PT! Já era! São 54,5 milhões pra um lado e 58,2 pro outro, somados Aécio e os brancos e nulos (fora as abstenções). Secou a nascente do rio São Francisco, o “Rio da Unidade Nacional”. E a guerra Rio x São Paulo pela água dos formadores do Paraíba do Sul já está marcada.

adil

O bicho homem se une na fartura, como a que há em Brasília. Na escassez é a guerra, e nos termos que o Lula pautar. Os fatos que se danem. Já está no ar a próxima temporada dessa hipnotizante novela que anda pra trás em que ele nos conta, sempre com reviravoltas surpreendentes, o que é que, “nâ verdadii”, nós fizemos ontem, “vejââ“, apesar de tudo que nós pensávamos que nos lembrávamos, “ô sejââ“, quem são os verdadeiros culpados por hoje, passe o tempo que passar, esteja quem estiver no comando do navio.

Esse jogo já foi jogado e decidido lá atrás, nas nossas escolas e universidades. Somos um país de “cães de Pavlov” a quem não é mais preciso atirar o biscoito dos fatos. Basta a campainha pra todo mundo salivar.

Pros 58,2 milhões de “filhinhos do papai” eles já têm o remédio. Pois não é que no mesmo dia em que o Gilbertinho da Participação Popular dava de ombros pra dizer que abortar o Decreto 8243 era coisa de paranóico que vê comunista debaixo da cama, o ministro que cuida daquelas milícias que dão tiro na cabeça de manifestante na Venezuela, Elias Jaua, estava em Guararema dando aula de revolução pro MST a convite da Dilma, enquanto a secretária dele era presa em Guarulhos tentando desembarcar com um 38 carregado na bolsa?

Gente finíssima!

E os jornalões e as TVs, o que é que acharam disso? Não acharam. Nem do fato eles tomaram conhecimento. “Cães de Pavlov“…

adil

Desmontar o 8243 são dois trabalhos. Esperem e vocês vão ver. A coisa vai ficar preta, e vai ficar preta por nada. Aguente quem quiser esse pessoal que vota “conscientemente” nisso, dizendo que “acredita” sem ter a desculpa de depender deles pra sobreviver até amanhã. Quem não acredita é o PT. Até os burros já entenderam. De modo que o que sobrou, sobrou porque também é.

Tudo isso é só pra “don Lula, O Fabuloso” poder continuar nos atirando os seus monólogos, como um Fidel rejuvenescido, como um coronel Chavez redivivo, e para “dona Dilma, A Impermeável“, a filha esquisitona do rei, seguir nos atirando seus números lá de cima do seu olímpico isolamento sem nenhuma contestação.

Isso vicia brabo!

Viram aqueles dois serviçais pressurosos segurando os guarda-chuvas até o último degrauzinho pra que o sol não tisnasse as augustas cabeças da família presidencial ao embarcar na sua carruagem-helicóptero para a Bahia?

Pois é disso que se trata!

Utopia o cacete! Nunca subestime o peso desses pequenos luxos orientais nas grandes tragédias da humanidade. É só olhar pra trás que você vai constatar que todos os potentados do passado só concordaram em abrir mão dos seus depois que suas cabeças foram separadas dos seus corpos.

adil1

É a vez do Brasil?

23 de abril de 2013 § 3 Comentários

lu6

A vaga entrevista de ontem do todo poderoso presidente do BNDES, Luciano Coutinho, ao Estadão é mais uma daquelas oportunidades perdidas de entender melhor qual o projeto de Brasil que o PT tem em mente ou até, se o PT tem qualquer projeto de Brasil em mente.

Mas abre espaço para algumas conjecturas.

Informa o dr. Luciano que a política de eleger “campeãs nacionais” ou, como ele prefere, a política de “promoção de competitividade de grandes empresas de expressão internacional”, “é uma agenda que foi concluída; uma política que tinha méritos mas que já chegou até onde poderia ir”.

O primeiro reparo que me veio à mente diz respeito à ordem dos fatores que, no caso, altera radicalmente o resultado.

lu10

O que ocorreu não foi exatamente que o governo pegou empresas que já tinham “expressão internacional” e lhes deu um empurrãozinho. Na maioria dos casos, escolheu, ninguém sabe por quais critérios objetivos, empresas que não tinham projeção nenhuma, nem nacional, nem internacional, e fez delas monstros devoradores de concorrentes aqui e pelo mundo afora.

E com tanta largueza que seus donos hoje levam uma vida de potentados orientais voando entre seus palácios e yachts espalhados pelo mundo em impressionantes jatos transcontinentais privados nos quais Don Lula I costuma tomar carona para, graciosamente é claro, “ajudar a vendê-los no exterior”.

lu11Foi o caso, por exemplo, dos açougueiros de Goiás hoje transformados no gigante JBS, ficando a sua irmã menor, Marfrig, pelo caminho cheia de problemas para se manter de pé apesar dos bilhões recebidos, ou dos aventureiros do mercado financeiro que, remendando pedaços espalhados por todo o país, gastaram os tubos do nosso dinheiro tentando criar uma gigante dos laticínios ao lado da gigante da carne, a LBR, hoje às portas da falência.

De par com essas, levaram grossos bilhões “parte da siderurgia” (a Gerdau, para ser exato) e representantes de setores como petroquímica (Odebrecht), celulose (os Ermírio), suco de laranja, cimento (dos mesmos donos da celulose), telefonia (só a Oi) e produção de softwares (a Totvs), este estratégico para o partido por razões diversas dos demais, e ainda uns tantos outros felizardos.

lu8

Uma variada “cesta” de empresas, enfim, que dificilmente encaixa-se no vago conceito que ele aventou – grupos “limitados (às áreas de) commodities e pseudo commodities” (?) – para justificar essas escolhas.

Ou, melhor dizendo, que encaixa-se perfeitamente, assim como literalmente todo e qualquer setor da economia que suas majestades houverem por bem contemplar, desde que levado ao pé da letra o tão inovador quanto ilimitadamente amplo conceito de “pseudo-commodity”.

Onde, sim, tudo se amarra firmemente é no fato de todos os proprietários beneficiados sentarem-se à mesa do Conselho de Gestão da Presidência da República, ao lado da titular da própria, na qual é decidido em ambiente de ampla confraternização quem fica com quanto do bolo generosamente disponibilizado pelo BNDES.

lu9

Se é difícil vislumbrar que objetivo estratégico a projeção internacional desse grupo heterogêneo de empresas busca conquistar para a nacionalidade, é menos difícil imaginar porque um partido político que sofre crises de urticária sempre que pensa em deixar o poder aproveitaria as oportunidades ao alcance da mão para criar uma rede de projeção internacional do seu próprio poder econômico virtualmente infiscalizável daqui por diante.

As empresas de que o BNDES tornou-se sócio têm hoje mais filiais do que o governo tem embaixadas, sendo, portanto, capazes de levar e trazer dinheiro para cada buraco do planeta, branquea-lo à vontade ou comprar ditadores com voto na ONU por aí sem que os pobres órgãos nacionais de fiscalização possam sequer sonhar em saber o que está acontecendo.

Vê-se por essas e outras que se não há um projeto de Brasil para o PT certamente ha um projeto de PT para o Brasil e até para mais do que só ele.

lu4

A julgar pelo que nos diz o dr. Luciano, esta parte, ao fim de 10 longos anos de investimentos, está satisfatoriamente resolvida e o partido parece disposto a voltar-se, finalmente, para o país que, nesse meio tempo, ficou a ver navios (e caminhões, e aviões, e usuários de transportes públicos, e necessitados de atendimento médico por falta de saneamento básico, e formandos semi-analfabetos, e…) sempre estacionados na fila de espera dos equipamentos de infraestrutura preteridos em função da necessidade de atender o urgente interesse nacional em fabricar e vender bifes, laticínios, suco de laranja, aços de boa marca, papelão e cimento pelo mundo afora.

Como otimista empedernido que sou, torcerei para que as declarações do dr. Luciano escondam a decisão do PT de deixar pra lá essa obsessão de ser ele próprio a economia nacional para passar a ser o provedor de condições regulatórias e infra estruturais para que a economia de todos nós possa se desenvolver por si só numa medida correspondente ao esforço que investimos nela.

Mas até prova mais consistente em contrário, reconheço que até para alguém com tanta boa vontade quanto eu isto soa como pedir demais…

lu5

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com politica econômica em VESPEIRO.

%d blogueiros gostam disto: