Um socorro peculiar à Argentina

12 de setembro de 2020 § 21 Comentários

A Casa da Moeda do Brasil fechou contrato para imprimir o peso argentino. Com o nível “século 20” da inflação lá, mais uma conquista do kirshnerismo da especial predileção da dupla Lula/Dilma e outros expoentes do “progressismo” pátrio, o peso argentino requer edições de “best seller”. “Los hermanos” têm a sua própria casa da moeda mas, usando toda a sua capacidade instalada, ela não está dando conta de produzir todo o dinheiro impresso “que a pandemia tornou necessário”. Assim, nossa “viuva” vai imprimir 400 milhões de cédulas para eles, o que dará uma receita de US$ 20,6 milhões, o bastante para fechar o ano no azul depois de três seguidos de prejuízos.

Isto, é claro, no caso da Argentina vir a pagar a conta…

Poucos brasileiros sabem disso hoje, mas o Brasil é um aprendiz da Argentina. Getulio Vargas, que implantou esse sistema de corrupção de um povo inteiro pela base que é a nossa “Justiça do Trabalho” de cartas marcadas, copiou tudo de seu ídolo Juan Domingo Perón. Trocado em miúdos esse tipo de “trabalhismo” equivale a acender um imenso anuncio luminoso nos céus da nação convocando o povinho mais miúdo: “Minta, traia (o seu empregador), corrompa-se que o governo garante” que arrebentou o país não só econômica mas, principalmente moralmente. Essa é a principal explicação para existir no Brasil mais “escolas de direito” que no resto do mundo inteiro somado (confira, não é fake não). Um vasto contingente delas forma “advogados” que nunca leram um livro, mas são encontráveis nas mesas de todos os botequins do país encostando em trabalhadores lá de baixo da escala para cochichar-lhes nos ouvidos: “Tá com dificuldade? Não consegue resgatar aquele carnezinho? Vai ter de devolver a moto que comprou usada? Sai dessa, mano! Vamos tomar um dinheiro daquele otário do teu patrão. É garantido. Você não arrisca nada e a gente racha o resultado”…

Esquemas como esse, que a reforma trabalhista mal-e-mal privou dos seus dentes mais agressivos, estão garantidos pela Constituição de 1988 o que enseja a editorialistas, “especialistas amestrados” que dão entrevistas diariamente pelo país afora, assim como às OABs da vida, defende-los como elementos intocáveis do nosso “estado democrático de direito”.

Como dona original da ideia em parceria com a Itália de Mussolini, a Argentina está sempre uma ou duas gerações à frente do Brasil nesse processo deletério de socialização da corrupção. Quando eu ainda militava nas redações, no tempo em que jornais como O Estado de S. Paulo ainda eram contra a censura, nos momentos em que a barra no Brasil se tornava muito deprimente, eu dizia pro pessoal: “Leiam os jornais da Argentina durante uma semana e vocês acabarão acreditando que o Brasil é quase uma Inglaterra”.

Mas a distância está encurtando…

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com kirshnerismo em VESPEIRO.

%d blogueiros gostam disto: