12 de agosto de 2019 § 11 Comentários

Ao apropriar-se do paiol de munição dos hackers chantagistas em vez de destrui-lo, os casais emergentes do STF escapam das mãos da polícia que fica na mão deles. E Bolsonaro, com Moro na frigideira, endossa tudo em nome da famiglia…

Aprende, Brasil!

Porque o Google pode e Murdoch não?

19 de fevereiro de 2013 § 1 comentário

goo14

Correspondentes do NY Times em Londres informavam, na semana passada, que mais seis jornalistas que trabalham para The Sun ou trabalhavam para The News of the World, dois dos tablóides sensacionalistas de Rupert Murdoch, foram presos e tiveram suas casas devassadas, ainda com relação às investigações de escutas telefônicas, hackeamento de computadores, interceptação de mensagens e suborno de policiais nos anos de 2005 e 2006 para conseguir informações sobre celebridades ou crimes e publicá-las em primeira mão.

Mais de 100 repórteres, editores, policiais e funcionários públicos já foram presos nessa investigação. Rupert Murdoch sentiu-se obrigado a fechar o The News of the World, o mais lucrativo dos seus tabloides em junho de 2011 para tentar aplacar a indignação do público que ameaçava contaminar todos seus títulos em papel, na TV ou em bits, 169 vítimas desses atos de invasão de privacidade entraram com processos e 144 já foram indenizadas em valores em torno de US$ 1 milhão cada.

goo11

Perfeito! É o mínimo que tem de acontecer com picaretas desse naipe num país civilizado.

Agora, o que possivelmente ficará para os historiadores explicarem a nossos filhos é porque invasões de privacidade, bisbilhotagem, arapongagem e roubo de informações para proporcionar lucro fácil a quem se entrega a essas práticas é punida de forma proporcional à ofensa e ao prejuízo produzido quando praticados pela “old mídia” e até pelas companhias telefônicas mas não apenas é permitido como, até, é saudado como um paradigma de autêntica ação democrática em favor do bem comum quando praticada pelos donos dos meios modernos de comunicação online como o Google, o Facebook e todas as famigeradas “third parties” a quem todo mundo que possui algum “hub” ou ponto de trafego de alguma significância na internet encarrega de espionar seus clientes e usuários para vender legalmente as informações assim obtidas a qualquer um que queira pagar por elas.

goo16Qual a diferença entre subornar um policial que prega o seu grampo no telefone de uma ou outra celebridade para obter as informações e pagar pelas que a legião de programadores ultra-especializados dos senhores Page ou Zuckergberg arranca de todos nós, celebridades ou não, abrangendo todas as nossas movimentações físicas e financeiras, nossas perambulações pela rede, nossas conversas, nossas intimidades e até as fotografias que trocamos com os amigos, senão a solerte afirmação deles próprios de que não fazem isso pelas dezenas de bilhões de dolares que isto lhes rende por mês, coisa de somenos, mas sim pelo bem da humanidade?

Por que razão deixar ir adiante esse tipo de espionagem interessa a governos é uma pergunta cuja resposta não exige muito tirocínio. Por que isso interessa a partidos totalitários e a inimigos da democracia como os apedrejadores das yoanis sanchez da vida, menos ainda.

É multimilenar a luta dessa gente pelo controle e o esmagamento do indivíduo. É proverbial a sua ânsia de espionar.

goo13

Mas, mais que tudo, o que lhes espicaça o apetite neste momento particular é a ameaça mortal que decorre do roubo sistematico de informações para o jornalismo independente, seu inimigo figadal desde sempre. Sobretudo em países de instituições periclitantes como o Brasil onde a imprensa professional e livre é o ultimo obstáculo entre eles e o poder absoluto.

Agora por que uma massa enorme de intelectuais, cientistas e pessoas geralmente bem intencionadas sanciona e aplaude os “big brothers” que invadem nossas vidas por todos os lados hoje em dia é algo mais difícil de responder, embora também não seja novidade.

Não existe caso na História de ditadura ou de opressão totalitária que tenha conseguido se instalar no poder sem o concurso decisivo desse tipo especial de imbecil cujo cérebro entra em curto-circuito à menção de certas palavras mágicas, que é quem de fato arma a mão dos genocídas e só acorda para a realidade quando já é tarde demais.

Isso quando não é posto para dormir para sempre pelos próprios “heróis” pelos quais costumava babar…

goo19

De que lado você está?

26 de janeiro de 2012 § 3 Comentários


Foi de dar enjôo a gritaria dos últimos dias em torno da tentativa abortada de se discutir uma lei anti-pirataria na internet no Congresso americano.

Entra milênio sai milênio, os personagens da cena política e do debate ideológico não mudam.

O tema em torno do qual se digladiam varia de era para era, mas é só. O verdadeiro objeto dessas disputas por tras do argumento do dia é sempre o mesmo: poder. E dinheiro, a gente sabe, é só um outro nome do poder.

Não se trata, portanto, de convencer ou se deixar convencer por argumentos racionais. Trata-se de ganhar ou perder poder.

E a verdade, como se sabe, é o pior caminho para se chegar a ele.

O discurso ideo-lógico visa, como sempre, defender pelo patrulhamento e pela ameaça moral aquilo que é impossível defender pela lógica. E a escalada dos fascistas diante da superioridade dos argumentos do oponente também não varia: vai do constrangimento moral para a violência física e, no extremo, deságua no terrorismo.

É o caso desse Anonymous, a polícia secreta hacker que age por tras de uma máscara, primeiro calando o oponente, depois ameaçando “varre-lo da face da Terra” virtual com algum tipo de bomba cibernética.

Já a covardia dos políticos que, ao primeiro sinal de que isto poderia custar votos trocaram o que acreditavam pelo que renegavam minutos antes, não precisa de explicação. O exercício consciente da pusilanimidade é, nos dias que correm, um pre-requisito obrigatório para quem quer se tornar um profissional desse ramo.

É o que explica a crise das democracias que foram conduzidas para o buraco pela sistematização da caça ao voto com dinheiro e promessas falsas e, agora, afundam-se cada vez mais nele pela falta de coragem dos caçadores de votos/falsários para declarar terminada a festa.

Aquela covardia meio escondidinha da imprensa que  se manifesta todas as vezes em que o principal prejudicado são os Estados Unidos também não desapareceu com a virada do milênio.

Se é para chutar o saco dos ianques vale até abraçar a máfia, aliar-se aos tubarões contra os peixinhos, esquecer a luta de classes, alinhar-se com os bilionários contra os desempregados.

Coisa feia de ver!

A internet livre e aberta está correndo  perigo”? “Há uma ameaça de censura online”? “Está comprometida a liberdade de expressão na internet”? “Querem enfraquecer a dinâmica inovadora da rede”?

Ora, façam-me o favor!

É dos Megauploads da vida que se está falando! Pode alguém, de boa fé, enganar-se sobre quem é este senhor “Kim Dotcom”? Confundí-lo com o mocinho?

Os jornalistas, muito especialmente, não têm esse direito. Estão vivendo na pele o drama que esta lei quer atalhar.

Têm sido devastadoramente assaltados!

E no entanto, se é para apedrejar “O Império”, lá se apresentam eles, disciplinadinhos, o rabo entre as pernas:

Querem deter o compartilhamento pelos usuários de músicas e videos”…

Mentira! Ha uma industria organizada de pirataria sistemática visando lucrar em grande escala com a venda de produção roubada, implicando em prejuízos de bilhões de dólares e a rua da amargura para os espoliados. E tudo para enriquecer absurdamente dois ou três espertalhões por aí.

Os provedores de internet ficariam obrigados a vigiar e filtrar todos os conteúdos”…

Mentira! Quem não sabe que é exatamente isso que fazem todos e cada um deles, à nossa revelia, para lucrar vendendo o que aprendem espionando a nossa intimidade?

Bastaria um programazinho banal, o irmão mais burro da parafernália que eles usam contra cada um de nós, para catar pela rede só o que é roubado para ser vendido em grande escala, sem esbarrar em nenhum calo de ninguém mais, desde que cessasse a cobertura que lhes dão os gigantes da internet.

Empresários do mundo inteiro ficariam submetidos à lei americana”…

Mentira! Ladrões e receptadores de produtos roubados, de norte-americanos ou não, sim, teriam de suspender os seus “negócios”.

O poder judiciário e as garantias constitucionais perdem espaço”…

Mentira! A suspensão desses sites equivale a uma ação policial diante de um flagrante. O julgamento dos flagrados viria depois, se viesse.

Esta é uma ação dos tubarões da mídia contra os pequenos”…

Mentira! Os mega-tubarões da mídia são os que cresceram além do humanamente possível porque faturam em cima de produção alheia.

Essa discussão toda tem se apoiado numa enxurrada de mentiras, espalhadas para confundir e não para esclarecer. O que realmente incomoda nessa lei é que ela é simples e objetiva o bastante para vir a funcionar.

Assim, para além do fato óbvio de que o crime interessa a quem financia e incentiva a onda terrorista contra as tentativas de defesa dos roubados, só duas coisas ficaram claras nesta briga do lado escuro de Silicon Valley contra Hollywood. A primeira é qual dos dois lados tem sido mais generoso no financiamento das campanhas de Obama. A segunda é que Hollywood terá de aprender a usar melhor as novas mídias para ganhar essa parada. Porque enfrentar a blogosfera militante e os gigantes da internet distribuindo press releases é brincadeira.

No mais, cabe lembrar que esta briga é de toda a humanidade. O direito de propriedade, a garantia pelo Estado de que o que você conseguiu com o seu suor é seu, foi o passo com o qual a humanidade deixou para traz a lei da selva onde o mais forte prevalece sobre quem fez por merecer. O Império da Lei, que decorre desse primeiro passo e não pode sobreviver sem ele, é o que nos permite substituir a caça e a “conquista” (da caça alheia) pela economia organizada.

Hoje ha Estados inteiros vivendo de roubar o trabalho alheio, como na Idade Média.

Não é por acaso que a crise assola com força redobrada as sociedades que vivem de vender os produtos da inteligência humana, poupando apenas quem se beneficia da pirataria global e quem pode se dar o luxo de viver só de matérias primas por enquanto irreplicáveis.

Se queremos namorar a idéia de voltar a um passado pré-econômico, ok. Mas é bom que todos nos lembremos de que nele não é possível sustentar 7 bilhões de seres humanos. A maior parte de nós teria de deixar este mundo (o que, diria outra tribo de extremistas, sempre é uma maneira de resolver o problema ambiental).

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com hackers em VESPEIRO.

%d blogueiros gostam disto: