O que está tornando Washington idêntica a Brasília

3 de novembro de 2011 § Deixe um comentário

Com todas as explicações amenizadoras que estão sendo aventadas, o dado revelado pelo Census Bureau de que Washington se tornou a cidade mais rica do país pela média de ganhos por residência chocou os Estados Unidos e está jogando lenha na fogueira do Occupy Wall Street.

Os americanos nunca avaliaram tão mal o seu governo quanto agora e com certeza as razões que tornaram Washington tão rica são as mesmas que explicam porque o país passou a detestar tanto o que aquela cidade simboliza e abriga.

Está ocorrendo uma metástese dos parasitas. Existe uma rede de empresas privadas e empregados do governo, uns trocando empregos e contratos com os outros, que explica esse fantástico enriquecimento. E ele está ligado, também, ao crescimento exponencial do valor dos contratos negociados num contexto onde se misturam os gastos astronômicos de um país permanentemente em guerra e obcecado pela segurança interna e as gigantescas operações de resgate dos grupos financeiros que ameaçam quebrar a Nação“, diz uma fonte ao Economist.

Até 2010, San Jose, na Califórnia, onde moram os zilionários das novas tecnologias, era a cidade mais rica dos Estados Unidos. A diferença entre os muito ricos e os remediados é muito maior lá do que em Washington, sendo as super fortunas que puxam a média tão alto.

Na capital federal a diferença é menor. Não ha tantos super ricos mas há uma quantidade impressionante de ricos e muito ricos.

Não é só porque o governo paga bem. Nem o grande número de advogados que também ganham muito. É que os empregados do Estado e a burocracia do Congresso sempre acabam ‘assessorando’ as empresas privadas ou se empregando naquelas a quem ajudaram a ganhar subsídios estatais ou regulamentações favoráveis“.

Há, ainda, outra causa subsidiária desse enriquecimento. Embora fale se muito em austeridade, até agora não se viu nada nesse sentido. Todo o processo de retomada continua pendurado nas operações de resgate financeiro. E com isto a crise afeta os empregos privados enquanto os empregos públicos continuam preservados.

Nós conhecemos de cór esse filme…

As relações do Estado com a indústria bélica, de qualquer modo inevitáveis, sempre foram o foco crônico da corrupção nos Estados Unidos. Mas, fora disso, o governo pouco se metia diretamente com a economia.

Nas últimas décadas, porém, isso foi mudando progressivamente. A competição com o capitalismo de Estado chinês ensejou uma interferência cada vez maior do governo e do Congresso na economia até que a subsequente crise financeira jogou uma boa parte das maiores empresas americanas diretamente nos braços do Estado.

O resultado é que, pela primeira vez na história daquele país Washington se tornou para os Estados Unidos aquilo que Brasília sempre foi para o Brasil.

Conclusão: não existe meio termo; se não é o mérito, é o Estado quem decide quem ganha e quem perde no jogo econômico. E quanto mais o Estado se mete na economia mais ganha quem se especializa em puxar os sacos certos e mais perde quem investe e se esforça no trabalho.

Quanto “eles” nos custam

27 de maio de 2010 § Deixe um comentário

Desconsidere-se a frase cafajeste do início…

Contribuição de Cecília Thompson

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com Brasilia em VESPEIRO.

%d blogueiros gostam disto: