A importância desta rainha

3 de junho de 2022 § 5 Comentários

O reinado de Elizabeth II fez 70 anos. Você assistiu à festa, ouviu os comentários de sempre e não saiu convencido sobre o que é que explica aquela popularidade toda num país tão moderno em pleno 3º Milênio.

Dou-lhes a minha hipótese.

O povo inglês é o detentor de uma arte única no panorama da História. Ele nunca rompeu consigo mesmo. Tem um senso prático fenomenal. Foi o primeiro a desmisturar política de religião. E isso criou um hábito que, generalizado, fez-se uma cultura: a de pensar separadamente esses dois círculos da existência, o que vai de você para dentro, que no entender deles não é da conta de mais ninguém, e o que vai de você para fora e tem de “ser combinado” com os outros. 

Aos pouco isso criou uma muralha profilática que falta a todas as outras culturas européias, especialmente às latinas. Não apenas impediu que as religiões seguissem se transformando em políticas, o que de um jeito ou de outro todo mundo acabou fazendo porque, a partir do impulso inglês, saiu de moda e passou a ser caipira insistir nisso mas, por analogia, impediu também que a política se transformasse em religião.

Fora d’A Ilha, entretanto, até por balda, até pela boca milenariamente entortada pelo cachimbo, até por não saber fazer diferente, deu-se o inverso: transformar a política em religião é que entrou na moda e tornou-se “cult”.

Se antes era a religião que salvava almas e queria “construir um novo homem”, agora era esse o papel da política. E por nada menos que a “salvação da humanidade”, claro, continuou valendo, como desde sempre, qualquer barbaridade…

Os ingleses nunca se levaram tão à sério. Nunca acharam, nem que têm esse poder, nem que fosse necessário “salvar almas”. Sempre estiveram à vontade com a humanidade como ela é. Por isso mesmo, sempre entenderam que, por baixo da pompa, da circunstância e do blá, blá, blá intelectualmente tortuoso, quem quisesse mesmo entender a que se reduz o poder devia, antes de mais nada, follow the money. 

Identificado o “X” da questão, práticos que são, trataram de deixar seus reis sempre pobres ou, senão isso, não ricos o bastante para conseguir manter um exército. Assim, quando suas majestades augustas e excelentes – ninguém discute! – resolviam que precisavam mostrar a sua glória com guerras e outras demonstrações extravagantes, tinham de ir pedir um dinheirinho ao Parlamento eleito pelo povo, que só abria a torneira em troca de um direito a mais.

Tudo isso rolou ao mesmo tempo em que, lá no continente, que corria na mão inversa, os reis se transformavam em nada menos que “sóis” brilhando em seus palácios folheados a ouro. 

Na Inglaterra, não. Lá onde o povo se ia apropriando cada vez mais da “torneira”, os castelos continuavam sendo de pedra e de madeira. Menos ouro nas paredes, menos sangue nas revoluções. Eles ficaram com o sistema que vinha desde muito, muito lá de traz, passando a regra de pai pra filho sem nunca mudá-la essencialmente senão para melhor. A justiça era distribuída não segundo a vontade do juiz ou a cara do réu mas pela tradição escrita, pela qual o juiz era e continua sendo obrigado a se balizar para dar sempre a mesma sentença para os mesmos crimes, dos que vierem a ser condenados não pelo seu “alto discernimento” mas sim pelos júris dos iguais de cada réu.

Graças a isso os ingleses, ao contrário dos europeus continentais que jogaram tudo isso no lixo em sucessivas revoluções, sempre desfrutaram de válvulas de escape concretas para as vicissitudes da vida que a todos interessava preservar. E nessa toada foram, passo a passo, até o fim do fio dessa meada, e acabaram metendo também o rei under god e under the law, porque não?

Vade retro com essas “novas humanidades” boiando em rios de sangue e paridas por reinados de terror. Na Inglaterra cada novidade que chegava era tratada com cuidado mesmo quando ungida pela simpatia das massas, e as novas instituições não “derrubavam” as velhas. Conviviam com elas até que uma assimilasse da outra o melhor das duas, ficando descartado por desuso apenas o bagaço.

A rainha é isso. 

No mundo da egolatria desabotinada que a internet criou; depois de tudo que os “líderes geniais dos povos”, os ”fuherers” e os ”duces” dos “reichs de mil anos” fizeram com o século 20 e diante do que os putins e os trilionários da internet e seus caronas, com suas vaidades flamejantes e sem limites, estão fazendo com o 21, ela vale mais a cada minuto.

Enquanto o resto da humanidade tem de se rebolar para conter as “viagens na maionese” dos egos nascidos e criados nos cafundós do judas mas grandes o bastante para se candidatar a “Rei Sol” ainda que para brilhar somente por quatro ou cinco anos, o primeiro-ministro inglês tem de sentar-se semanalmente com a rainha nonagenária, a quarta da dinastia de Windsor, o 17º dos “bancos de DNA” de onde saíram, ao longo dos séculos, tantos que reinaram sem reinar absolutamente na Inglaterra. E isso dispensa qualquer outro inglês de lembrar ao primeiro-ministrozinho da vez a bobagem que é ele entrar no “trip” do poder e começar a “se achar” que faz tantos pequenos grandes homens com egos com elefantíase arrebentarem com a humanidade por aí afora.

A realeza britânica tornou-se, assim, a mais sólida garantia da democracia britânica. Não fosse por mais nada, só por essa vacina automática contra a doença da vaidade, a que mais matou e mais continua matando na história da nossa espécie em que acabou por se transformar, ela já vale muito mais do que pesa. Melhor que isso, mas sem o mesmo charme, só fizeram os suíços que, para colher o mesmo resultado, não têm mais presidente da republica.

Marcado:, , ,

§ 5 Respostas para A importância desta rainha

  • Muito boa e oportuna interpretação histórica do que resulta a democracia e a necessária separação entre governo e estado.
    Acrescentaria aos feitos daquele povo além do “dinheiro”, tão bem destrinchado por Adam Smith, as preciosas contribuições de filósofos e cientistas que colaboraram grandemente para o desenvolvimento da humanidade.

    Curtir

  • Rubi Germano Rodrigues disse:

    Um rei é garantia de sempre existir no governo alguém pensando no Estado e na Nação. Além do mais, idealmente são pessoas formadas especificamente para cumprir essa missão. O rei filósofo de Platão aponta para o governo dos mais sábios e bem preparados, o que, convenhamos, é uma ideia interessante. Monarquia Parlamentar não seria, virtualmente, um modelo político mais ajustado à índole brasileira?

    Curtir

  • Newton Sgobbi disse:

    Descritivo, didático e definitivo.

    Curtir

  • honorio sergio disse:

    Colonizaram um monte de reinos mundo afora extraindo riquezas, tomei conhecimento em uma reportagem/documentário que tentaram “extinguir” os Aborígenes Australianos durante a colonização, O Império Britânico tratou os aborígenes com racismo e foram violentos com eles. Praticaram massacres enormes, decretaram leis discriminatórias e a sua imposição religiosa quase acabou com seus cultos animistas. Em 1806, o racismo dos colonizadores e soldados os levou a violar locais sagrados aborígenes e a caçar aborígenes por prazer.

    Curtir

  • José Luiz Mancusi disse:

    Parabéns, Fernão!!!
    Belíssimo artigo!
    Muito bem explicado!
    Tomara outros países pudessem amadurecer politicamente, como os ingleses!

    Curtir

Deixe uma resposta para ambula et scribe Cancelar resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

O que é isso?

Você está lendo no momento A importância desta rainha no VESPEIRO.

Meta

%d blogueiros gostam disto: